O Limite do Perdão: crimes que não se podem punir ou perdoar

Palavras-chave: Palavras-chave, Hannah Arendt, perdão, punição, crimes contra a humanidade, Mal Radical.

Resumo

Resumo: Nas páginas finais de Origens do Totalitarismo, Hannah Arendt afirma que os crimes totalitários acabaram por descobrir que os homens não são capazes de perdoar o que não podem punir e nem punir o imperdoável. O ineditismo desta nova modalidade de crime denota o que a autora chamou de “mal radical”: este mal é responsável por delimitar o horizonte do perdão ao se esbarrar nas mais diversas dificuldades de infligir punição adequada aos criminosos totalitários seja por sua grandiosidade, pelas dificuldades jurídicas provenientes da cumplicidade estatal ou por afiançar o desaparecimento de qualquer relação entre vítimas e carrascos na medida em que todos eram igualmente supérfluos. No cenário internacional, esse período também marca o surgimento dos crimes contra a humanidade como um tipo penal específico que, entre outras, tinha por característica diferencial em relação aos crimes comuns sua imprescritibilidade. É importante neste viés compreender em que sentido o perdão se difere de institutos como prescrição, indulto e anistia e qual o seu significado nas relações humanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Éden Farias Vaz, Universidade Federal de Goiás
Licenciado em História pela Universidade Estadual de Goiás - UnUCSEH (2006), Bacharel em Direito pelo Centro Universitário de Anápolis - UniEvangélica (2007), Bacharel em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás - FAFIL (2010), Especialista em Direito Público e Privado pelo Centro Universitário de Anápolis - UniEvangélica em parceria com o Instituto Solus (2009), Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás - FAFIL (2011) com apresentação do trabalho "Banalidade do Mal: Colapsos Morais no 3º Reich" sob orientação da prof. Dr. Adriana Delbó Lopes, Doutorando em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás - FAFIL com o projeto "O Limite do Perdão: a relação entre punir e perdoar no pensamento de Hannah Arendt" sob orientação do prof. Dr. Adriano Correia. Lecionou as disciplinas Filosofia, Filosofia Jurídica, Teoria Geral do Estado, Ciência Política, Ética, Ética Jurídica, Antropologia, Antropologia Jurídica, Sociologia, Sociologia Jurídica, Direito Administrativo I e Direito Internacional Público e Privado.

Referências

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Trad. Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

______________. A Vida do Espírito: o pensar, o querer, o julgar. Trad. Antônio Abranches, Cesar Augusto R. de Almeida e Helena Martins; revisão técnica Antônio Abranches. – 4ª Ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

______________. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a Banalidade do Mal. Trad. José Rubens Siqueira. – São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

______________. Origens do Totalitarismo: anti-semitismo, imperialismo, totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. – São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

______________. Origens do Totalitarismo: anti-semitismo, imperialismo, totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. – São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

______________. Responsabilidade e Julgamento. Ed. Jerome Kohn; Trad. Rosaura Einchenberg; revisão técnica Bethânia Assy e André Duarte. – São Paulo: Companhia das Letras, 2004. 27

ASSY, Bethânia. Eichmann, banalidade do mal e pensamento em Hannah Arendt. In: MORAES, Eduardo J. ; BIGNOTTO, Newton (Orgs.). Hannah Arendt: diálogos, reflexões, memórias. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001 a. p. 136-165.

BÍBLIA SAGRADA. Tradução dos Originais mediante a versão dos Monges de Maredsous (Bélgica). Revisão por Frei José Pedreira de Castro. – São Paulo: Editora Ave Maria Ltda., 1986.

BOCH-VECIANA, Antônio. Perdoar. Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência “Raimundo Lúlio” (Ramon Llull): In http://www.ramonllull.net/boletim/exemple/Perdonar.pdf acesso em 22/10/2014.

CAYGILL, Howard. Dicionário Kant. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.

COMTE-SPONVILLE, André. Pequeno Tratado das Grandes Virtudes. Trad. Eduardo Brandão, Ed. Martins Fontes: São Paulo, 1999.

CORREIA, Adriano. Crime e responsabilidade: a reflexão de Hannah Arendt sobre o direito e a dominação totalitária in DUARTE, André et al. (Org.). A banalização da violência: a atualidade do pensamento de Hannah Arendt. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004. p. 83-98.

_____________. Sobre o Trágico na ação: Arendt (e Nietzsche). In http://www.oquenosfazpensar.com/adm/uploads/artigo/sobre_o_tragico_na_acao:_arendt_%28e_nietzsche%29/adriano_correia_59-74.pdf acesso em 25/05/2015

GARAPON, Antoine. Crimes que não se podem punir nem perdoar: para uma Justiça Internacional. Trad. Pedro Henriques. Instituto Piaget, Lisboa, 2002.

JANKÉLÉVITCH, Vladimir. L’imprescritible. In http://www.jankelevitch.fr/my_pictures2/jankelevitch_2d_l27imprescriptible.pdf acesso em 24/03, 2015.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Prática. Tradução e Introdução de Valério Rohden. São Paulo: Martin Fontes, 2002.

LEVI, Primo. É Isto um Homem?. Trad. Luigi Del Re. –Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1988.

LÉVINAS, Emmanuel. Ética e infinito: diálogos com Philippe Nemo. Trad. João Gama. Lisboa: Edições 70, 1988.

NIETZSCHE, Friedrich. O Anticristo / Ditirambos de Dionísio. Trad. de Paulo César de Souza. Companhia das Letras, São Paulo: 2007.

POIRIÉ, François. Emmanuel Lévinas: ensaio e entrevistas. Trad. J. Guinsburg, Marcio Honorio de Godoy e Thiago Blumenthal. São Paulo: perspectiva, 2007.

RICOEUR, Paul. A Memória, a História e o Esquecimento. Trad. Alain François – Campinas. Campinas, SP – Editora Unicamp, 2007.

Publicado
2016-12-20
Como Citar
Vaz, Éden F. (2016). O Limite do Perdão: crimes que não se podem punir ou perdoar. Intuitio, 9(2), 118-132. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2016.2.24002