Uma Reflexão sobre a Crítica de Hannah Arendt ao Conceito de Trabalho de Karl Marx

  • Tiago Nilo Unisinos - Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Palavras-chave: Trabalho. Labor. Fabricação. Vida biológica. Animal laborans

Resumo

O objetivo de tal artigo é suscitar uma reflexão sobre a crítica que Hannah Arendt realiza em A condição humana (1958) ao conceito de trabalho desenvolvido por Karl Marx. Mais especificamente, a crítica que se encontra no capítulo III da obra referida, na qual Arendt critica Marx por ter confundido a atividade do trabalho (labor) com a atividade de fabricação (work). Primeiro, irei expor os argumentos de Arendt contra Marx, para que na sequência, possa realizar uma reflexão sobre eles.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENDT, H. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das letras, 1989. 562p.

______. A condição humana. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997. 352p.

______. Sobre a Revolução. Lisboa: Relógio d’água. 2001. 398p.

______. Sobre a violência. São Paulo: Companhia das letras, 2009. 167p.

______. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2005.348p.

ENGELS, F. Anti-Düring. São Paulo: Boitempo, 2015. p. 160-177.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins fontes, 2008. 474p.

KRADER, L. Evolução, revolução e Estado: Marx e o pensamento etnológico. In: HOBSBAWM, E. (org.). História do marxismo: o marxismo no tempo de Marx. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra,

314p.

LEFEBVRE, H. Marxismo. Porto Alegre: L&PM, 2010. 127p.

LUKÁCS, G. Prolegômenos para uma ontologia do ser social. São Paulo: Boitempo, 2010. p. 43

MARCUSE, H. Razão e Revolução: Hegel e o advento da teoria social. Rio de janeiro: Terra e Paz, 1978. p. 69-79.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2008. 175p.

______. Sobre a questão judaica. São Paulo: Boitempo, 2010.139p.

______. Contribuição à crítica da economia política. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 3-59.

______. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011. p, 27-44.

______. O Capital. São Paulo: Boitempo, 2013. p, 113-119.

______. Das Kapital: kritik der politischen Ökonomie. Buch I: Der Produktionsprozeβ des Kapitals. In: ______ & ENGELS, F. : Werke. Berlin: Institut Für Marxismus-Leninismus Bein ZK der sed, 1962.768p.

______. & ENGELS, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo, 2007. 616p.

______. A Sagrada família. São Paulo: Boitempo, 2008.286p.

MÉZSÁROS, I. Marx ‘filósofo’. In: HOBSBAWM, E. (org.). História do marxismo: o marxismo no tempo de Marx. Editora Paz e Terra: Rio de Janeiro, RJ, 1987.

NEGT, O. O marxismo e a teoria da revolução no último Engels. In: HOBSBAWN, E. História do marxismo: o marxismo na época da segunda internacional. v. II. Editora Paz e Terra: Rio de Janeiro, 1982.

RAMALHO, J. S. Hannah Arendt versus Marx: uma defesa de Marx frente a crítica arendtiana. Prometeus Filosofia em Revista, ano 2, v.2, n.4, p. 3-6, jul./dez. 2009.

SALVADORI, M. L. Kautsky entre a ortodoxia e o revisionismo. In: HOBSBAWN, E. História do marxismo: o marxismo na época da segunda internacional. v.II. Editora Paz e Terra: Rio de Janeiro, 1982.

YOUNG-BRUEHL, E. Por amor ao mundo: a vida e a obra de Hannah Arendt. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1997. p. 255.

ZIZEK, S. A visão em paralaxe. São Paulo: Boitempo, 2008. p. 13-99.

Publicado
2016-12-20
Como Citar
Nilo, T. (2016). Uma Reflexão sobre a Crítica de Hannah Arendt ao Conceito de Trabalho de Karl Marx. Intuitio, 9(2), 88-102. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2016.2.23919