Em defesa de um bidimensionalismo semântico

  • Carolina Muzitano Doutoranda na UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)
Palavras-chave: bidimensionalismo, conteúdo amplo, conteúdo estreito,

Resumo

A partir dos trabalhos de Kripke sobre mundos possíveis e designadores rígidos, muitos filósofos passaram a defender que os conteúdos dos nossos estados mentais são amplos, pois a sua individuação dependeria das nossas relações causais com o nosso ambiente físico e/ou social. Contudo, tal conteúdo amplo reabre a questão dos “casos fregeanos”, pois sentenças epistemicamente distintas possuirão o mesmo conteúdo amplo. Uma recente resposta a esta dificuldade é a de afirmar que estados mentais possuem uma dupla dimensão em relação aos seus conteúdos, compatibilizando uma individuação fina dos conteúdos com certas conclusões externalistas. O objetivo deste trabalho é o de apresentar e defender os argumentos de Frank Jackson em defesa de um bidimensionalismo semântico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Muzitano, Doutoranda na UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)

Mestre em Filosofia pela UERJ. Doutorado em andamento na UERJ.

Áreas de pesquisa: epistemologia, filosofia da linguagem, filosofia da mente. 

Referências

BURGE, Tyler. (1982) Other Bodies. In: Foundations of Mind, Clarendon Press, Oxford, 2007, 82-99.

---------------, (1979) Individualism and the Mental. In: Foundations of Mind, Clarendon Press, Oxford, 2007, p. 100-150.

---------------, (2006) Postscript to ‘Individualism and the Mental’. In: Foundations of Mind, Clarendon Press, Oxford, 2007, 151-181.

---------------, Foundations of Mind, Clarendon Press, Oxford, 2007.

JACKSON, Frank. Narrow Content and representation – or Twin Earth revisited. Proceedings and Addresses of the American Philosophical Association, n 77, 2003a, p. 55-70 (paginação no presente artigo referente à versão online do texto disponível em: http://phil.arts.cuhk.edu.hk/~phidept/TCIVP/jackson/FJ%20Narrow%20content.pdf)

---------------, From Metaphysics to Ethics: a Defense of Conceptual Analysis. Oxford University Press, USA, 2000.

---------------, Representation and Narrow Belief. Philosophical Issues, n.13, 2003b.

---------------, Why we need A-Intensions. Philosophical Studies, V. 118, N. 1-2, 2004, p. 257-277.

KRIPKE, Saul. (1972) Naming and Necessity, in: The Philosophy of Language, ed. A. P. Martinich, 3ª edição, Oxford: University Press, 1996.

MARQUES, Edgar. Putnam e a possibilidade de determinação de essências a partir de critérios semânticos. Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 26, n. 84, p. 107-118, 1999.

PUTNAM, Hilary, (1975) The Meaning of “Meaning”, In: Mind, Language and Reality – Philosophical Papers, Vol. 2, Cambridge University Press, Cambridge, 1995, p. 215-271.

PEREIRA, R. H., O conteúdo exíguo segundo uma ótica anti-individualista. in Analytica, Rio de Janeiro, vol. 13 n 1, 2009, p. 213-256.

SCHROETER, L., "Two-Dimensional Semantics", The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Winter 2012 Edition), Edward N. Zalta (ed.), URL = <http://plato.stanford.edu/archives/win2012/entries/two-dimensional-semantics/>

Publicado
2015-07-31
Como Citar
Muzitano, C. (2015). Em defesa de um bidimensionalismo semântico. Intuitio, 8(1), 46-63. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2015.1.17372
Seção
Artigos