Doença: uma mina inexplorada

  • Gustavo Hessmann Dalaqua (UFPR) Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Woolf, filosofia, corpo

Resumo

Neste ensaio, Woolf aponta para uma grave cegueira da teoria estética. Ao insistir que trata unicamente das questões do espírito, a arte negligencia sua factualidade. Woolf lembra que o espírito que escreve é um espírito encarnado, submetido, pois, às condições biológicas e materiais de seu entorno. A autora propõe a criação de “uma filosofia robusta”, que não ignore a ligação inerente entre pensamento e realidade histórico-social. Em muitos aspectos, este ensaio antecipa temas que a inglesa retomaria em A room of ones own, série de palestras proferida na Universidade de Cambridge que atenta para a importância das condições materiais na criação não só da literatura como de toda e qualquer obra de arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Hessmann Dalaqua (UFPR), Universidade Federal do Paraná
Mestrando em Filosofia pela UFPR
Publicado
2013-06-16
Como Citar
Hessmann Dalaqua (UFPR), G. (2013). Doença: uma mina inexplorada. Intuitio, 6(1), 268-275. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/13572
Seção
Traduções