A Neuroestética como retomada da experiência estética enquanto forma de conhecimento visual

  • Alberto Marinho Semeler (UFRGS) UFRGS
  • Juliano Santos do Carmo (UFPel) PUCRS
Palavras-chave: Neuroestética, Arte Conceitual, Linguagem

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar a Neuroestética contrapondo-a a alguns paradigmas da arte conceitual. As descobertas da Neurociência e da Neurobiologia questionam a concepção de conhecimento como linguagem (restrito ao campo puramente proposicional), recusando algumas teses centrais daquele paradigma dominante nas artes no século passado. Desse modo, as descobertas da Neurobiologia e da Neurociência reposicionam a estética enquanto campo investigativo, propondo-a como “conhecimento e intelecto visual”. A metodologia sugerida aqui busca a revalorização da experiência com a imagem enquanto sensação e conhecimento do mundo. Assim, a Neuroestética questiona a abordagem lingüístico-filosófica assumida pelos artistas contemporâneos e propõe a imagem como processo cognitivo que envolve processos sensoriais, orgânicos, bioquímicos e viscerais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alberto Marinho Semeler (UFRGS), UFRGS
Doutor em Poéticas Visuais, Neuro-artista e Professor do Departamento de Artes Visuais IA-UFRGS
Juliano Santos do Carmo (UFPel), PUCRS
D
Publicado
2011-12-12
Como Citar
Semeler (UFRGS), A. M., & do Carmo (UFPel), J. S. (2011). A Neuroestética como retomada da experiência estética enquanto forma de conhecimento visual. Intuitio, 4(2), 04-16. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/10271
Seção
Autor Convidado