Luso(A)fonias. Memórias cruzadas sobre o colonialismo português

Palavras-chave: Memória social. Colonialismo. Luso(A)fonias.

Resumo

Neste artigo revisitamos um conjunto de estudos sobre as representações sociais da história nacional realizados junto de jovens em Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e Timor-Leste. Em cada um desses países foram recolhidos dados com vista a examinar as representações sociais da história nacional e as emoções associadas aos acontecimentos considerados mais marcantes, entre os quais se destacaram os referentes ao processo de colonização e as guerras de libertação. Os resultados apontam para ambiguidades, ambivalências e contradições nas representações sociais da história que “liga” os países de língua oficial portuguesa. De um modo geral, observa-se um “desencontro” das memórias sobre o passado colonial. Esse desencontro das memórias sobre o “passado comum” é particularmente evidente quando comparamos as memórias históricas de jovens angolanos e de jovens portugueses: enquanto os participantes portugueses destacam os descobrimentos os participantes angolanos destacam a escravatura, o tráfico de escravos e os massacres. Tomando de empréstimo a expressão de Mia Couto (2009), globalmente os resultados espelham Luso(A)fonias e demonstram o quão desafiante é a escuta ativa de outras fonias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosa Cabecinhas, Universidade do Minho - Portugal
Docente e investigadora na Universidade do Minho, onde atualmente dirige o Programa Doutoral em Estudos Culturais. Os seus atuais interesses de investigação centram-se na memória social e diversidade, representações sociais, identidades sociais e discriminação social.

Referências

ABADIA, L. et al. Interwoven migration narratives: identity and social representations in the Lusophone world. Identities – Global Studies in Culture and Power, v. 25, n. 3, p. 339-357, 2018.

https://doi.org/10.1080/1070289x.2016.1244062

ADICHIE, C. N. The danger of a single story. [Vídeo]. Oxford: TED. 2009. Disponível em: https://www.ted.com/talks/ chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story?language.

https://doi.org/10.1037/e513122011-001

AMÂNCIO, L. Assimetria Simbólica. Breve história de um conceito. In: OLIVEIRA, J. M.; AMÂNCIO, L. (Eds.). Genéro e Sexualidades – Intersecções e Tangentes notas Lisboa: CIS-IUL, 2017. p.17-36.

ANDRINGA, D.; GOMES, F. As duas faces da Guerra. LxFilmes, 2007.

BARROS, M.; LIMA, R. W. Rap kriol(u). O pan-africanismo de Cabral na música de intervenção juvenil na Guiné-Bissau e em Cabo Verde. REALIS – Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais, v. 2, n. 2, p. 89-117, 2012.

https://doi.org/ 10.21669/tomo.v0i21.900

CABECINHAS, R. Identidade e memória social: Estudos comparativos em Portugal e em Timor-Leste. In: MARTINS, M.; SOUSA, H.; CABECINHAS, R. (Eds.). Comunicação

e Lusofonia: Para uma abordagem crítica da cultura e dos media. Porto: Campo das Letras, 2006. p. 183-214.

https://doi. org/10.14195/978-989-26-0890-7_4

CABECINHAS, R. Memórias (des)alinhadas. Representações sociais da história e comunicação intercultural. Lição de Provas de Agregação em Ciências da Comunicação. Braga: Universidade do Minho, 2018.

CABECINHAS, R.; ABADIA, L. (Eds.). Narratives and Social Memory: theoretical and methodological approaches. Braga: CECS, 2013.

CABECINHAS, R.; CUNHA, L. (Eds.). Comunicação Intercultural: Perspectivas, Dilemas e Desafios. 2. ed. V. M. Famalicão: Edições Húmus, 2017.

CABECINHAS, R.; ÉVORA, S. L. Visões do Mundo e da Nação: jovens cabo-verdianos face à história. In: MARTINS, M. L.; PINTO, M. (Orgs.). Comunicação e Cidadania. Actas do 5o CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO. Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, 2008. p. 2.685-2.706.

https://doi. org/10.7213/rec.v17i42.22546

CABECINHAS, R.; FEIJÓ, J. Collective memories of Portuguese colonial action in Africa: Representations of the colonial past among Mozambicans and Portuguese youths. International Journal of Conflict and Violence, 4, p. 28-44, 2010.

Disponível em: urn:nbn:de:0070-ijcv-2010111.

https://doi. org/10.1037/e507692013-001

CABECINHAS, R.; NHAGA, N. Memórias coloniais e diálogos pós-coloniais. Guiné-Bissau e Portugal. In: CABECINHAS, R.; CUNHA, L. (Eds.). Comunicação Intercultural: perspectivas, dilemas e desafios. Porto: Campo das Letras, 2008. p. 109-132.

https://doi.org/10.17231/comsoc.29(2016).2434

CABECINHAS, R.; LIMA, M. E. O.; CHAVES, A. M. Identidades nacionais e memória social: Hegemonia e polémica nas representações sociais da história. In: MIRANDA, J.; JOÃO, M. I. (Eds.). Identidades nacionais em debate. Oeiras: Celta, 2006. p. 67-92.

CABECINHAS, R. et al. Representations of European Colonialism, African Resistance, and Liberation Struggles

in Mozambican History Curricula and Textbooks. In: VAN NIEUWENHUYSE, K.; VALENTIM, J. P. (Eds.). The Colonial Past in History Textbooks – Historical and Social Psychological Perspectives. Charlotte, NC: Information Age Publishing, 2018. p. 217-237.

https://doi.org/10.12977/stor7112

CARDINA, M. Memórias amnésicas? Nação, discurso político e representações do passado colonial. Configurações: Revista de Sociologia, v. 17, p. 31-42, 2016.

https://doi.org/10.4000/ configuracoes.2909

CARDINA, M.; MARTINS, B. S. (Eds.). As voltas do passado. A guerra colonial e as lutas de libertação. Lisboa: Tinta da China.

COUTO, M. Luso-afonias – A Lusofonia entre Viagens e Crimes. In: COUTO, M. (Ed.). E se Obama fosse africano? E outras interinvenções.Lisboa:Caminho,2018.p.183-198.

https://doi. org/10.5585/eccos.n30.3955

CUNHA, L. Memória Social em Campo Maior: Usos e Percursos da Fronteira. Lisboa: Dom Quixote, 2006.

https://doi. org/10.4000/books.etnograficapress.2880

HALBWACHS, M. Les cadres sociaux de la mémoire. Paris: Albin Michel, 1925/1994.

https://doi.org/10.1515/ 9783110869439

Hilton, D., & Liu, J. H. History as the narrative of a people: From function to structure and content. Memory Studies, v. 10, n. 3, p. 297-309, 2017.

https://doi.org/10.1177/17506980177 01612

KHAN, S. Portugal a Lápis de Cor. A Sul de uma Pós- Colonialidade. Coimbra: Almedina, 2015.

https://doi.org/ 10.4000/configuracoes.3295

KHAN, S. Espaços em branco, memórias subterrâneas da ‘história’ de Moçambique. RevistaTel – Tempo, Espaço e Linguagem, v. 7, n. 2, p. 219-232, 2017.

https://doi. org/10.5935/2177-6644.20160024

LICATA, L. et al. Social representations of colonialism in Africa and in Europe: Structure and relevance for contemporary intergroup relations. International Journal of Intercultural Relations, v. 62, p. 68-79, 2018.

http://dx.doi.org/10.1016/j. ijintrel.2017.05.004

LIU, J. H. et al. Social representations of events and people in world history across twelve cultures. Journal of Cross Cultural Psychology, v. 36, p. 171-191. (2005).

LIU, J. H. et al. Representing world history in the 21st Century: The impact of 9-11, the Iraq War, and the nation-state on dynamics of collective remembering. Journal of Cross- Cultural Psychology, v. 40, p. 667-692, 2009.

https://doi. org/10.1177/0022022109335557

MACEDO, I. M. Os jovens e o cinema português: a (des)colonização do imaginário? Comunicação e Sociedade, v. 29, p. 271-289, 2016.

https://doi.org/10.17231/comsoc. 29(2016).2420

MARTINS, M. L. (Ed.). A internacionalização das comunidades lusófonas e ibero-americanas de ciências sociais e humanas – O caso das Ciências da Comunicação. V. N. Famalicão: Húmus, 2017.

MATTOSO, J. A Dignidade. Konis Santana e a Resistência Timorense. Lisboa: Temas e Debates, 2005.

https://doi. org/10.1163/17683084-01301015

MENDES, L. A. O. Memória a respeito dos escravos e tráfico da escravatura entre a costa d’África e o Brasil – Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. X, n. 2, p. 362-376, 2007. (Original publicado em 1793).

https://doi. org/10.1590/1415-47142007002014

MENESES, M. P. Mundos locais, mundos globais: a diferença da história. In: CABECINHAS, R.; CUNHA, L. (Eds.). Comunicação Intercultural: perspectivas, dilemas e desafios. Porto: Campo das Letras, 2008. p. 75-93.

https://doi. org/10.17231/comsoc.29(2016).2434

MIRANDA, J. Identidade nacional. Do mito ao sentido estratégico. Uma análise psicossociológica das comparações entre os Portugueses e os Outros. Oeiras: Celta, 2002.

ROSAS, F. História a história: África. Portugal, 2017. [Série televisiva].

ROTHBERG, M. Multidirectional memory: remembering the holocaust in the age of decolonization. Stanford: Stanford University Press, 2009.

https://doi.org/10.1017/ s0395264900007757

SCHEFER, R. Mueda. Memória e Massacre, de Ruy Guerra, o projeto cinematográfico moçambicano e as formas culturais do Planalto de Mueda. Comunicação e Sociedade, v. 29, p. 27-51, 2016.

https://doi.org/10.17231/comsoc.29(2016).2408

SOUSA, H. Comunicação e lusofonia: do lugar acrítico ao lugar da procura. In: MARTINS, M.; SOUSA, H.; CABECINHAS, R. (Eds.). Comunicação e Lusofonia: Para uma abordagem crítica da cultura e dos media. Porto: Campo das Letras, 2006. p. 9.

https://doi.org/10.17231/comsoc.2(2000).1403-14.

SOUSA, V. Da ‘portugalidade’ à lusofonia. Famalicão: Húmus/ CECS-Universidade do Minho, 2017.

VALE DE ALMEIDA, M. Comemoração, nostalgia imperial e tensão social – o desentendimento Portugal-Brasil: comentário às análises de imprensa. Psicologia, v. XVII, n. 2, p. 381-384, 2004.

https://doi.org/10.17575/rpsicol.v17i2.455

WERTSCH, J. Voices of Collective Remembering. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

WINTER, J. Thinking about silence. In: BEN-ZE’EV, E.; GINIO, R.; WINTER, J. (Orgs.). Shadows of war: a social history

of silence in the twentieth century. Cambridge: Cambridge University Press, 2010. p. 3-31.

https://doi.org/10.1017/ cbo9780511676178.002

VANSPAUWEN, B. P. Cultural struggles in the lusofonia arena: Portuguese-speaking migrant musicians in Lisbon. Afrika Focus, v. 26, n. 1, p. 67-88, 2013.

https://doi.org/10.21825/af.v26i1.4927

ZAU, F. Educação em Angola. Novos Trilhos para o Desenvolvimento. Lisboa: Movilivros, 2009.

Publicado
2019-07-16
Como Citar
Cabecinhas, R. (2019). Luso(A)fonias. Memórias cruzadas sobre o colonialismo português. Estudos Ibero-Americanos, 45(2), 16-25. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2019.2.32857
Seção
Memórias da violência colonial: reconhecimentos do passado e lutas para o futuro