A Democracia em questão: com a fala, as mulheres militantes de esquerda durante a ditadura militar nos anos de 1964 a 1985

Palavras-chave: Mulheres. Ditadura. Democracia. História Oral.

Resumo

Este artigo, através da História Oral, busca estabelecer uma análise das representações das mulheres militantes de esquerda sobre a democracia como direito humano após o golpe militar de 1964. A intenção é fazer reverberar, através de suas vozes, como foram configuradas e reconfiguradas as experiências vividas como militantes de esquerda em um regime ditatorial. Procurar-se-á aqui debater, a partir de suas narrativas, como essas mulheres perceberam e percebem a democracia como parte constitutiva dos direitos humanos pela qual lutaram nas organizações de esquerda. Para tanto, foram abordadas algumas perspectivas de democracia que, como demonstram as narradoras por meio de seus depoimentos, fizeram parte da trajetória de cada uma delas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Gamba Torres, Departamento de História da Universidade de Brasília
Professor Adjunto II, Departamento de História - Universidade de Brasília
Eloísa Pereira Barroso, Departamento de História da Universidade de Brasília
Professora Adjunta IV, Departamento de História, Universidade de Brasília.

Referências

ALMEIDA, Maria Hermínia; WEIS, Luiz. Carro zero e pau-de- arara: o cotidiano da oposição de classe média ao regime militar. In: SCHWARCZ, Lilian (org.). História da vida privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. v. 4. p. 320-409.

BACZKO, Bronislaw. A imaginação social. In: LEACH, Edmund et al. Anthropos-Homem. Lisboa, Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1985. p. 296-332.

BENEVIDES, Maria Victoria de Mesquita. Cidadania e Direitos Humanos. In: CARVALHO, José Sérgio (org.). Educação, Cidadania e Direitos Humanos. Petrópolis: Vozes, 2004. p. 43-65.

BENEVIDES, Maria Victoria de Mesquita. Democracia e direitos humanos – reflexões para os jovens. In: ZENAIDE, Maria de Nazaré Tavares et al. (org.). Direitos Humanos: capacitação de educadores. João Pessoa: Universitária/UFPB, 2008. p. 25-42.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico Memória e sociedade. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CHARTIER, Roger. A história cultural entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

COLLING, Ana Maria. A resistência da mulher à ditadura militar no Brasil. Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos, 1996.

DALLARI, Dalmo. Direitos humanos e cidadania. São Paulo: Moderna, 1998. p. 7-9.

FARIA, Fabiano Godinho. Ação, tradição e organização: a evo- lução do conceito de partido do PCB ao PCBR, ALN e PC do B (1964-1979). 2008. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.

Disponível em: http://www.cedema.org/uploads/Godinho_Faria.pdf. Acesso em: 23 ago. 2017.

FERREIRA, Jorge. A experiência liberal-democrática no Brasil (1946-1964: revisitando temas historiográficos. Presented at the 2013. In: NUNES, João Paulo Avelãs; FREIRE, Américo (coord.). Historiografias portuguesa e brasileira no século XX: olhares cruzados. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2013. p. 147-181.

FIGUEIREDO, Anna Cristina Camargo Moraes. Liberdade é uma calça velha azul e desbotada: publicidade, cultura de consumo e comportamento político no Brasil (1954-1964). São Paulo: Hucitec, 1998.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro pasado. Para una semántica de los tiempos históricos. Barcelona: Paidos, 1993.

KOSELLECK, Reinhart. Uma história dos conceitos: problemas teóricos e práticos. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 134-146, 1992.

LIMA, Haroldo; ARANTES, Aldo. História da Ação Popular. Da JUC ao PC do B. São Paulo: AlfaOmega, 1984.

NAPOLITANO, Marcos. 1964 História do Regime Militar Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

PARTIDO Comunista Brasileiro. In: CPDOC-FGV.

Disponível em: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/partido-comunista-brasileiro-revolucionario-pcbr. Acesso em: 20 ago. 2017.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Editora 34, 1996.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Tradução Constança Marcondes Cesar. Campinas: Papirus, 1994. v. 1.

RIDENTI, Marcelo S. Ecos de Trotsky na esquerda armada brasileira, 1964-1974. Estudos de Sociologia, v. 2, n. 2, p. 93-95, 1997.

ROLLEMBERG, Denise. Esquerdas revolucionárias e luta armada. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (org.). O Brasil republicano – o tempo da ditadura: regime militar e movimentos sociais em finas do século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. p. 43-91.

SACAVINO, Suzana Beatriz. Educação em Direitos humanos e Democracia. In: CANDAU, Vera Maria Ferrão; SACAVINO, Suzana Beatriz (org.). Educar em Direitos humanos: construir Democracia. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 59-66.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SARTI. Cynthia. Feminismo e contexto: lições do caso brasileiro. Cadernos Pagu, v. 16, p. 31-48, 2001.

Disponível em: http://www. scielo.br/scielo.php?pid=S0104-83332001000100003&script=sci_ arttext&tlng=em. Acesso em: 28 abr. 2009.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 27. ed. São Paulo: Malheiros: Martins Fontes, 2006.

THOMSON, Alistair. Recompondo a memória: questões sobre a relação entre História Oral e as memórias. Projeto História, São Paulo, v. 15, p. 51-71, 1997.

Publicado
2019-03-22
Como Citar
Torres, M. G., & Barroso, E. P. (2019). A Democracia em questão: com a fala, as mulheres militantes de esquerda durante a ditadura militar nos anos de 1964 a 1985. Estudos Ibero-Americanos, 45(1), 74-90. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2019.1.30003
Seção
Dossiê: Direitos Humanos, História e Memória (1968-2018)