Administração de diretórios partidários e ação política de elites provinciais no Brasil do Segundo Reinado: a implantação do Centro Liberal e suas implicações no funcionamento do Partido Liberal na Província do Paraná (1868-1889)

Palavras-chave: Diretórios partidários. Elites provinciais. Partido Liberal. Província do Paraná.

Resumo

O presente artigo contém uma investigação acerca dos impactos da reorganização do diretório nacional do Partido Liberal na gestão do Partido Liberal na Província do Paraná no decorrer dos decênios de 1870 e 1880. O argumento fundamental deste estudo afirma que a mencionada reorganização não provocou o aumento do controle do diretório nacional sobre as demais instâncias administrativas da agremiação. A elite política ligada ao Partido Liberal no Paraná conservou a sua autonomia para definir o modelo de gestão e os modos de funcionamento das unidades locais da grei. Por conseguinte, é evidenciado que no fim dos anos 1870 tal autonomia originou um modelo de gestão marcado pela existência de um chefe supremo. Portanto, cabe demonstrar que, por um lado, a reorganização administrativa do Partido Liberal não reduziu as prerrogativas das elites regionais de elaborarem critérios próprios para o governo local de diretórios. Por outro lado, essa reorganização não promoveu, no contexto do Paraná, uma renovação do quadro de dirigentes da agremiação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandro Aramis Richter Gomes, Universidade Federal do Paraná
Graduado (2009), mestre (2012) e doutor (2017) em História pela Universidade Federal do Paraná.

Referências

ALENCAR, Gustavo Magno Barbosa de. Pelas tramas da polí- tica: a constituição do partido liberal moderado na província do Ceará (1830-1837). 2014. Dissertação (Mestrado em História) – Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

ALVES, Alessandro Cavassin. A província do Paraná (1853- 1889). A classe política. A parentela no Governo. Tese (Doutorado em Sociologia) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, 2014.

AMARAL, Roberto; BONAVIDES, Paulo. Textos políticos da História do Brasil. 3. ed. Brasília: Senado Federal, 2002. 2 v.

BANDECCHI, Pedro Brasil. Bases da União Conservadora e os Estatutos do Grêmio Paulistano e os primórdios do movimento republicano em São Paulo. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 14, p. 149-158, 1973.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. Brasília: UnB, 1980.

CHACON, Vamireh. História dos partidos brasileiros. Brasília: UnB, 1981.

CODATO, Adriano. Metodologias para a identificação de elites: três exemplos clássicos. In: CODATO, Adriano; PERISSINOTTO, Renato Monseff. Como estudar elites. Curitiba: UFPR, 2015. p. 15-30.

COSTA, Luiz Domingos; MASSIMO, Lucas; PERISSINOTTO, Renato Monseff. Oligarquia Competitiva e Profissionalização Política: O Caso dos Senadores Brasileiros na Primeira República (1889-1934). Dados, Rio de Janeiro, v. 60, n. 1, p. 79-110, 2017.

Disponível em: https://doi.org/10.1590/001152582017115. Acesso em: 14 fev. 2019.

DOLHNIKOFF, Miriam. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil. São Paulo: Globo, 2005.

ESTEFANES, Bruno Fabris. Conciliar o Império: Honório Hermeto de Carneiro Leão, os partidos e a política de Conciliação no Brasil monárquico (1842-1856). 2010. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

FARIA, Vanessa Silva de. O processo de qualificação de votantes no Brasil Império: perfil da população votante no distrito sede de Juiz de Fora, Minas Gerais (1872-1876). 2011. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2011.

FERNANDES, Renata Silva. O Governo das províncias no Império do Brasil: os Conselhos de Governo e os Conselhos Gerais de Província nos debates parlamentares (1823-1834). 2014. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2014.

FERRAZ, Sérgio Eduardo. O Império revisitado: Poder Moderador, Câmara dos Deputados e instabilidade ministerial (1840-1889). 2012. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

FRANCO, Afonso Arinos de Melo. História e teoria dos partidos políticos no Brasil. São Paulo: Alfa-Ômega, 1974.

FREITAS, Ana Paula Ribeiro. Diversidade econômica e interesses regionais: as políticas públicas do governo provincial mineiro (1870-1889). 2009. Dissertação (Mestrado em História Econômica) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

FREITAS, Ana Paula Ribeiro. Minas e a Política Imperial: reformas eleitorais e representação política no Parlamento brasileiro (1853-1863). Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. O Império das províncias: Rio de Janeiro, 1822-1889. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

GRAHAM, Richard. Clientelismo e política no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

HÖRNER, Erik. Partir, fazer e seguir: apontamentos sobre a formação dos partidos e participação política no Brasil da primeira metade do século XIX. In: MARSON, Isabel (org.). Monarquia, Liberalismo e Negócios no Brasil: 1790-1860. São Paulo: Edusp, 2013. p. 213-240.

LIMONGI, Fernando. Revisitando as eleições do Segundo Reinado: manipulação, fraude e violência. Lua Nova, n. 91, p. 51-113, 2014.

LYNCH, Christian Edward Cyril. O Império é que era a Re- pública: a monarquia republicana de Joaquim Nabuco. In: COUCEIRO, Sylvia; CAVALCANTI, Helenilda (Org.). Joaquim Nabuco e a nossa formação. Recife: Edições Massangana, 2012. p. 195-225.

LOPES, José Reinaldo de Lima. O oráculo de Delfos: o Conselho de Estado no Brasil Império. São Paulo: Saraiva, 2010.

Luís NETO, Washington. Introdução. In: BRASILIENSE, Américo. Os programas dos partidos e o Segundo Império. Brasília: Senado Federal, 1979. p. 9-12.

MARTINS, Maria Fernanda Vieira. A velha arte de governar: um estudo sobre política e elites a partir do Conselho de Estado (1822-1889). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2007.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema. São Paulo: Hucitec, 1987.

MILLS, Charles Wright. A elite do poder. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1975.

MOREIRA, Gustavo Alves Cardoso. Uma família no Império do Brasil: os Cardoso de Itaguaí (um estudo sobre economia e poder). 2005. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2005.

MOSHER, Jeffrey. Political Struggle, Ideology and the State Building: Pernambuco and the construction of Brazil, 1817-1850. Lincoln: University of Nebraska, 2008.

MOTTA, Paulo. Movimentos partidários no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 1971.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Introdução à história dos partidos políticos brasileiros. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

NASCIMENTO, Carla Silva do. O Barão de Cotegipe e a crise do Império. 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Centro de Ciências Humanas, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

NEEDELL, Jeffrey. The party of order: the conservatives, the State, and slavery in the Brazilian monarchy. Stanford: Stanford University, 2006.

Disponível em: https://doi.org/10.11126/stanford/9780804753692.001.0001. Acesso em: 14 fev. 2019.

NUNES, Neila Ferraz Moreira. A experiência eleitoral em Campos dos Goytacazes (1780-1889): frequência eleitoral e perfil da população votante. Dados, Rio de Janeiro, v. 46, n. 2, p.311-343, 2003.

Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0011-52582003000200005. Acesso em: 14 fev. 2019.

OLIVEIRA, Carlos Eduardo. Construtores do Império, de- fensores da província: São Paulo e Minas Gerais na formação do Estado Imperial e dos poderes locais, 1823-1834. 2014. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

RIBEIRO, Filipe Nicoletti. Monarquia federativa e democrática: o congresso liberal de 1889 e os sentidos do reformismo nos anos finais do Império. Clio, v. 1, n. 34, p. 52-72, 2016.

VENÂNCIO, Ulisses. Políticos profissionais ou nobres políticos? Variáveis da carreira política do Brasil Império. Revista Eletrônica de Ciência Política, Curitiba, v. 7, p.127-144, 2016.

Disponível em: https://revistas.ufpr.br/politica/article/download/45781/28754. Acesso em: 14 fev. 2019.

Fontes

A PEDIDO. Dezenove de Dezembro. Curitiba, 13 ago. 1873, p. 3.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

A PEDIDO. Dezenove de Dezembro. Curitiba, 27 ago. 1873, p. 4.

http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

A PEDIDO. Jornal do Commercio. Rio de Janeiro, 04 jan. 1866, p.1.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

CENTRO diretor. Província do Paraná. Curitiba, 21 ago. 1876, p.2.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

CIRCULAR. Correio Paulistano. São Paulo, 28 nov. 1868, p. 1

Disponível em: http://memoria.bn.br/. Acesso em: 14 fev. 2019.

CIRCULAR. Província do Paraná. Curitiba, 30 ago. 1879, p. 3.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

CLUBE da reforma. A Reforma. Rio de Janeiro, 09 set. 1872, p. 1.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

COLABORAÇÃO. Diário do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 25 nov. 1868, p. 1.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

COLABORAÇÃO. Diário do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 28. Nov. 1868, p. 1.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

CONGRESSO liberal. Dezenove de Dezembro. Curitiba, 10 abr. 1889, p. 1.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso: 14 fev. 2019.

CORRESPONDÊNCIA. Jornal do Commercio. Rio de Janeiro, 05 jan. 1869, p.1.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

CORRESPONDÊNCIA. Opinião Liberal, Rio de Janeiro, 03 out. 1868.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019

DOIS telegramas. A Reforma. Rio de Janeiro, 03 dez. 1870, p. 1.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

ELEIÇÃO. Dezenove de Dezembro. Curitiba, 26 mar. 1869, p. 3.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

ELEIÇÃO. O Liberal. Recife, 14 jul. 1868, p. 1.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

ELEIÇÕES. Jornal do Commercio. Rio de Janeiro, 25 nov. 1868, p.1.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

FELICITAÇÕES. Dezenove de Dezembro. Curitiba, 29 dez. 1887, p. 2.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

INTERIOR. Jornal do Commercio. Rio de Janeiro, 27 jul. 1869, p. 1.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

INTERIOR. Jornal do Commercio. Rio de Janeiro, 09 dez. 1868, p. 2.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

NOTÍCIAS do interior. Correio Mercantil. Rio de Janeiro, 30 jul. 1863, p. 1

Disponível em: http://memoria.bn.br/. Acesso em: 14 fev. 2019.

O PARTIDO liberal. Província do Paraná. Curitiba, 26 jan. 1876, p. 4.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

PÊSAMES. Província do Paraná. Curitiba, 23 out. 1879, p. 2.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

PROTESTO. Dezenove de Dezembro. Curitiba, 26 jan. 1876, p.2.

Disponível em: http://memoria.bn.br/. Acesso em: 14 fev. 2019.

TELEGRAMA. Gazeta de Notícias. Rio de Janeiro, 04 dez. 1876, p. 1.

Disponível em: http://memoria.bn.br. Acesso em: 14 fev. 2019.

Publicado
2019-03-22
Como Citar
Richter Gomes, S. A. (2019). Administração de diretórios partidários e ação política de elites provinciais no Brasil do Segundo Reinado: a implantação do Centro Liberal e suas implicações no funcionamento do Partido Liberal na Província do Paraná (1868-1889). Estudos Ibero-Americanos, 45(1), 158-172. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2019.1.29838