“Não tem informação”: mulatos, pardos e pretos na Universidade de Coimbra (1700-1771)

Palavras-chave: mulatos e pardos livres, estudantes de cor, Universidade de Coimbra.

Resumo

No século XVIII não havia nos estatutos da Universidade de Coimbra nenhum impedimento ao ingresso de pessoas de cor em seu corpo discente. Descendentes de africanos – notadamente pardos e mulatos – frequentaram e deixaram registros da sua presença nas faculdades Jurídicas, de Medicina e Teologia. A identificação, entretanto, não é imediata e nem sempre possível. Na verdade, os indicativos e evidências da cor dos estudantes costumavam aparecer nos registros de exames finais dos cursos, provas que também habilitavam para o acesso aos prestigiados cargos de magistratura, no caso das faculdades jurídicas, e ao doutoramento. Mas para alguns estudantes, nenhuma nota foi registrada. Em vez disso, há uma observação, ao lado do nome do aluno, afirmando que “não tem informações”. Quando consegui obter informações sobre os estudantes cujo “desempenho” foi descrito dessa maneira, a maioria eram homens de cor. Assim, ao acompanhar a trajetória acadêmica de alguns estudantes, é possível reconhecer os argumentos que avalizam a ascensão acadêmica dos homens de cor e, ao mesmo tempo, identificar os fundamentos que sustentam as restrições impostas a este grupo para o acesso aos graus acadêmicos mais elevados e, por conseguinte, aos cargos e postos mais qualificados nas instituições de prestígio e poder. De modo mais amplo, as mesmas histórias revelam a complexidade e sutileza dos marcadores pautados na origem, cor da pele e características físicas, que em convívio e reinterpretados à luz das hierarquias do Antigo Regime, passaram a pesar cada vez mais na definição de lugares e estatutos sociais. Este artigo pretende contribuir para o debate historiográfico em torno desta problemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucilene Reginaldo, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
Professora do Departamento de História do IFCH - UNICAMP Área de História Social Linha de Pesquisa em História Social da África

Referências

ANTUNES, Maria do Carmo Garcia Faria Gaspar. O Ensino da Faculdade de Cânones. Universidade(s). História, Memória, Perspectivas. Atas do Congresso. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1991. Vol. 1. p. 123-130.

BETHENCOURT, Francisco. Racismos. Das cruzadas ao século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

BRÁSIO, Antonio. Os Pretos em Portugal. Lisboa: Agência Geral das Colônias, 1944.

BOSCHI, Caio. A Universidade de Coimbra e a formação intelectual das elites mineiras coloniais. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7, p. 100-111, 1991.

Boxer, C. R. Relações Raciais no Império Colonial Português (1415-1825). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1967.

BRAGA, Isabel M. R. Mendes Drumond. A mulatice como impedimento de acesso ao “Estado do Meio”. Actas do Congresso Internacional Espaço Atlântico de Antigo Regime: Poderes e Sociedades. 2008. Disponível em:

http://cvc.institutocamoes.pt/eaar/coloquio/comunicacoes/isabel_drumond_braga.pdf. Acesso em: 12 set. 2014.

CALDEIRA, Arlindo Manuel. Escravos em Portugal. Das Origens ao século XIX. Lisboa: A Esfera dos Livros, 2017.

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Preconceito Racial em Portugal e Brasil Colônia: os cristãos-novos e o mito da pureza de sangue. Perspectiva, 2005.

COTTA, Francis Albert. Os Terços de Homens Pardos e Pretos Libertos: mobilidade social via postos militares nas Minas do século XVIII. Mneme – Revista de Humanidades, Seridó, Rio Grande do Norte, v, 3, n. 6 , p. 71-95, 2010.

DelacampAgne, C. L’Invention du racisme. Antiqué et Moyen Age. Paris: Fayard, 1983.

DIAS, Maria Odila Leite. Interiorização da metrópole. São Paulo: Alameda, 2009.

DUTRA, Francis A. Ser mulato em Portugal nos primórdios da Época Moderna. Tempo, Rio de Janeiro, n. 30, p. 101-114, jan.-jun. 2011.

FIGUEIROA-REGO, João de; OLIVAL, Fernanda. Cor da pele, distinções e cargos: Portugal espaços atlânticos portugueses (séculos XVI a XVIII). Tempo, Rio de Janeiro, n. 30, p. 115-145, jan.-jun. 2011.

FIGUEROA-REGO, João de. Honra alheia por um fio. Os estatutos de limpeza de sangue nos epaços de expressão ibérica (sécs. XVIXVIII). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação da Ciência e Tecnologia, 2011.

FONSECA, Fernando Taveira da. A Universidade de Coimbra (1700-1771). Estudo Social e Econômico. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1995.

______. Scientia thesaurus mirabilis: estudantes de origem brasileira na Universidade de Coimbra (1601-1850). Revista Portuguesa de História, Coimbra, v. 3, n. 3, p. 527-559, 1999.

FONSECA, Jorge. Senhores e escravos no Algarve (1580-1700). Anais do Município de Faro, n. 26, p. 151-76, 1996.

______. Escravos em Évora no século XVI. Évora: Câmara Municipal de Évora, 1997.

______. Escravos no Sul de Portugal, séculos XVI-XVII. Lisboa: Vulgata, 2002.

______. Escravos e Senhores na Lisboa Quinhentista. Lisboa: Colibri, 2010.

FURTADO, Júnia Ferreira. Chica da Silva e o Contratador dos Diamantes. O outro lado do mito. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

______. Mulatismo, mobilidade e hierarquia nas Minas Gerais: os casos de Simão e Cipriano Pires Sardinha. In: MONTEIRO, B.; CALAINHO, D.; FEITLER, B.; FLORES, J. (Org.). Raízes do privilégio. Mobilidade social no mundo ibérico do Antigo Regime. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011. p. 355-386.

HENRIQUES, Isabel de Castro. Percursos da Modernidade em Angola. Dinâmicas comerciais e transformações sociais no século XIX. Lisboa: IICT/Instituto Português de Cooperação, 1997.

HENRIQUES, Joana Gorjão. Racismo em português. O lado esquecido do colonialismo. Rio de Janeiro: Tinta da China, 2017.

LARA, Silvia Hunold. Fragmentos Setecentistas: Escravidão, Cultura e Poder na América Portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MAFFRE, Claude. A imagem do negro em Lisboa no fim do século XVIII. In: BERNARD, Zilá; UTÉZAR, Francis (Org.). Produção literária e identidades culturais. Estudos de literatura comparada. Porto Alegre: Sagra-Luzzato, 1997.

MARCUSSI, Alexandre Almeida. A formação de um clero africano nativo no Império português nos séculos XVI e XVII. Temporalidades, Belo Horizonte, v. 4, n. 2, p. 38-61, ago.-dez. 2012.

MARTINEZ, Maria Elena. Genealogical Fictions: Limpieza de Sangre, Religion, and Gender in Colonial Mexico. Stanford: Stanford University Press, 2008.

MATTOS, Hebe Maria A escravidão moderna no quadro do Império Português: O Antigo Regime em perspectiva atlântico. In: FRAGOSO, João; BICALHO, Fernanda; GOUVEIA, Maria de Fátima (Org.). O Antigo Regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

NOVINSKY, Anita. Cristãos novos na Bahia. São Paulo: Perspectiva, 1972. ______. O negro no coração do Império. Uma memória a resgatar – Séculos XV-XIX. Lisboa: Secretariado Coordenador dos Programas Multicultarais – Ministério da Educação, 1999.

OLIVEIRA, Luís Cabral; MAGALHÃES, Manuel. Julgando os outros e outros como juízes: Félix Correia de Aaújo na Angola de finais do século XVIII. In: XAVIER, Angela Barreto; SILVA, Cristina Nogueira. O Governo dos Outros: poder e diferença no Império Português. Lisboa: ICS, 2016. p. 175-203.

PINHEIRO, Fernanda Aparecida Domingos. Em defesa da liberdade: libertos e livres de cor nos tribunais do Antigo Regime português (Mariana e Lisboa, 1720-1819). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas (UNICAMP), Campinas, 2013.

RAMINELLI, Ronald. Impedimentos da cor. Mulatos no Brasil e em Portugal c. 1640-1750. Varia Historia, v. 28, n. 48, p. 699-723, 2012.

https://doi.org/10.1590/S0104-87752012000200011

RAMINELLI, Ronald. Nobreza no Novo Mundo. Brasil e ultramar hispânico, século XVII e XVIII. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2015.

______. Viagens ultramarinas. Monarcas, vassalos e governo a distância. São Paulo: Alameda, 2008.

REGINALDO, Lucilene. Os Rosários dos Angolas. Irmandades de africanos e crioulos na Bahia Setecentista. São Paulo: Alameda, 2011.

RODRIGUES, Aldair. Limpos de sangue. Familiares do Santo Ofício, Inquisição e Sociedade em Minas Gerais Colonial. São Paulo: Alameda, 2011.

RODRIGUES, Manuel Augusto. Memoria professorum Universitatis Conimbrigensis 1290-1772. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, 2003. Vol. I.

RUBERT, Arlindo. A Igreja no Brasil. Vol. 3 (1700-1822). Santa Maria, RS: Palloti, 1983.

Russell-Wood, A. J. R. Ambivalent Authorities: The African and Afro-Brazilian Contribution to Local Governance in Colonial Brazil. The Americas, v. 57, n. 1, p. 13-36, 2000.

https://doi.org/10.1017/S0003161500030194

______. Escravos e Libertos no Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SOARES, Mariza de Carvalho. Mina, Angola e Guiné: nomes d`África no Rio de Janeiro setecentista. Tempo, Rio de Janeiro, n. 6, p. 73-74, dez. 1998.

SANTOS, Maria Emília. Mulatos, sua legislação pela chancelaria régia no século XVI. Studia, n. 53, p. 237-46, 1994.

SAUNDERS, A. C. de C. M. História Social dos escravos e libertos negros em Portugal (1441-1555). Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1982.

SWEET, James H. – The Iberian Roots of American Racist Thought. William and Mary Quarterly, v. 54, p. 143-166, Jan. 1997.

______. The Hidden Histories of African Lisbon. In: AÑIZARESESGUERRA, J.; CHILDS, M.; SIDBURY, J. (Org.). The Black Urban Atlantic in the Age of the Slave Trade. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2013. p. 233-247.

TINHORÃO, José Ramos. Os Negros em Portugal. Uma presença silenciosa. Lisboa: Editorial Caminho, 1997.

VAINFAS, Ronaldo. Colonização, miscigenação e questão racial: notas sobre equívocos e tabus da historiografia brasileira. Tempo, Niterói, v. 8, p. 7-22, ago. 1999.

VIANNA, Larissa. O idioma da mestiçagem. As irmandades de pardos na América Portuguesa. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

ZUÑIGA, Jean-Paul: La voix du sang. Du métis à l’idée de métissage en Amérique espagnole. Annales. Histoire, Sciences Sociales, 54, 1999, 2, p. 425-452.

Publicado
2018-12-21
Como Citar
Reginaldo, L. (2018). “Não tem informação”: mulatos, pardos e pretos na Universidade de Coimbra (1700-1771). Estudos Ibero-Americanos, 44(3), 421-434. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2018.3.29575
Seção
Dossiê: Cores, classificações e categorias sociais: os africanos nos impérios ibéricos, séculos XVI a XIX