Ser negro na Parahyba do Norte: cores, condições, qualidades e universo letrado no século XIX

Palavras-chave: história da educação, população negra, Paraíba, Brasil Império.

Resumo

Discute-se a polissemia de classificações possíveis para a população negra da Província da Parahyba do Norte. A partir da pesquisa em fontes primárias como imprensa e documentos da administração provincial, e com o aporte teórico da história social, história da educação e história da escravidão são expostos termos ligados a cores, qualidades e condições, a fim de discutir as diferentes possibilidades de ser negro no século XIX. Com isso, discutem-se os limites entre escravidão e liberdade, e como a possibilidade de fluidez entre ser escravo e ser livre afetaria a identificação dos sujeitos. Conclui-se que a imprecisão que cercava sujeitos negros atingia a relação dessa camada da população com a instrução, e que o contato com o universo letrado interferia nas classificações dos indivíduos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Surya Aaronovich Pombo de Barros, Universidade Federal da Paraíba
Doutora em História da Educação e Historiografia/FE-USP Professora do Centro de Educação/UFPB

Referências

AZEVEDO, Celia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco – o negro no imaginário das elites. São Paulo: Annablume, 2004.

BARROS, Surya Aaronovich Pombo de. Universo letrado, educação e população negra na Parahyba do Norte (Século XIX). 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

______. Escravos, libertos, filhos de africanos livres, não livres, pretos, ingênuos: negros nas legislações educacionais do XIX. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 3, 591-605, jul.-set. 2016.

https://doi.org/10.1590/S1517-9702201609141039

______. “Negrinhos que por ahi andão”: a escolarização da população negra em São Paulo (1870-1920). 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

BRASIL. Lei de 7 de novembro de 1831. Declara livres todos os escravos vindos de fôra do Imperio, e impõe penas aos importadores dos mesmos escravos, 1831.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1732.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão – ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Cia das Letras, 2012.

______. Machado de Assis, historiador. São Paulo: Cia das Letras, 2003.

CRUZ, Mariléia dos Santos. Escravos, forros e ingênuos em processos educacionais e civilizatórios na sociedade escravista do Maranhão no século XIX. 2008. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual Paulista de São Paulo, Rio Claro, 2008.

FONSECA, Marcus Vinícius. Pretos, pardos, crioulos e cabras nas escolas mineiras do século XIX. 2007. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2006.

LARA, Silvia H. Fragmentos setecentistas. Escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Cia das Letras, 2007.

LIMA, Ivana Stolze. Cores, marcas e falas: sentidos da mestiçagem no Império do Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

LIMA, Ivana Stolze. Escravos bem falantes e nacionalização linguística no Brasil – uma perspectiva histórica. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 25, n. 50, p. 352-369, jul.-dez. 2012.

LIMA, Maria da Vitória B. Liberdade interditada, liberdade reavida: escravos e libertos na Paraíba escravista (século XIX). 2010. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.

MAC CORD, Marcelo; ARAÚJO, Carlos Eduardo Moreira de; GOMES, Flávio dos Santos (Org.). Rascunhos Cativos: educação, escolas e ensino no Brasil escravista. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017.

MACHADO, Maria Helena P. T. Corpo, Gênero e Identidade no limiar da abolição: a história de Benedicta Maria Albina da Ilha ou Ovídia, escrava (Sudeste, 1880). Afro-Ásia, Salvador, n. 42, p. 157-193, jan. 2010.

MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti. Africanos Livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MATTOS, Hebe. Raça e Cidadania no crepúsculo da modernidade escravista no Brasil. In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (Org.). O Brasil Imperial. Vol. 3: 1870-1889. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 15-37.

MELLO, Priscilla Leal. Leitura, encantamento e rebelião. O islã negro no Brasil. Século XIX. 2009. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2009.

MOURA, Clóvis. Dicionário da Escravidão Negra no Brasil. São Paulo: EDUSP, 2004.

PINTO, Luiz Maria da Silva. Diccionario da Lingua Brasileira. Ouro Preto: Typographia de Silva, 1832.

ROCHA, Solange P. Gente negra na Paraíba oitocentista: população, família e parentesco espiritual. São Paulo: EDUNESP, 2009.

______. Na trilha do Feminino: condições de vida de mulheres escravizadas na província da Paraíba (1828-1888). 2001. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2001.

SÁ, Ariane Norma de Menezes. Escravos, livres e insurgentes: Paraíba, 1850-1888. João Pessoa: Editora UFPB, 2009.

SCHWARTZ, Stuart B. Tapanhuns, negros da terra e curibocas: causas comuns e confrontos entre negros e indígenas. Afro-Ásia, Salvador, n. 29-30, p. 13-40, jun. 2003.

SCHUELER, Alessandra Frota M. Educação e abolição como projetos de reforma social: trajetória intelectual e propostas educacionais de José do Patrocínio. In: VENÂNCIO, Giselle; VIANNA, Larissa M.; SECRETO, Maria Verônica (Org.). Sujeitos da História: perspectivas e abordagens. Niterói: EDUFF, 2014.

SCOTT, Rebecca J.; HÉBRARD, Jean M. Provas de liberdade: Uma odisseia atlântica na era da emancipação. Campinas: Editora da UNICAMP, 2014.

SLENES, Robert. “Malungu, ngoma vem!”: África coberta e descoberta do Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 12, p. 48-67, 1992.

THOMPSON, Edward P. A história vista de baixo. In: NEGRO, Antonio L.; SILVA, Sergio. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas: Ed. UNICAMP, 2012. p. 185-201.

______. Costumes em Comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

THOMPSON, Edward P. A miséria da teoria ou um planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

TOSTES, Ana Paula C. “Raça” e “cor” no debate sobre escravidão na América portuguesa. In: Simpósio Nacional de História da ANPUH, 28., 2015, Florianópolis. Anais do..., Florianópolis, 2015.

VIANA, Larissa. O idioma da mestiçagem – as irmandades de pardos na América Portuguesa. Campinas: Ed. UNICAMP, 2007.

WISSENBACH, Maria Cristina Cortez. Cartas, procurações e patuás: os significados da escrita no mundo da escravidão. In: MAC CORD, Marcelo; ARAÚJO, Carlos Eduardo M. de; GOMES, Flávio dos S. (Org.). Rascunhos Cativos: Educação, escolas e ensino no Brasil escravista. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017.

Impressos:

Diario da Parahyba, Paraíba, 05/03/1862.

Diario da Parahyba, Paraíba, 15/06/1864.

Gazeta do Sertão, Paraíba, 08/03/1889.

O Governista Parahybano, Paraíba, 18/05/1850.

O Liberal Parahybano, Paraíba, 16/08/1864.

O Liberal Parahybano, Paraíba, 24/11/1865.

O Liberal Parahybano, Paraíba, 07/02/1866.

O Liberal Parahybano, Paraíba, 04/08/1868.

O Liberal Parahybano, Paraíba, 31/07/1879.

O Liberal Parahybano, Paraíba, 29/07/1882.

O Liberal Parahybano, Paraíba, 30/09/1882.

O Liberal Parahybano, Paraíba, 11/05/1883.

O Liberal Parahybano, Paraíba, 24/11/1883.

O Publicador, Paraíba, 26/02/1864.

O Publicador, Paraíba, 09/03/1864.

O Publicador, Paraíba, 15/04/1864.

O Publicador, Paraíba, 25/05/1864.

O Publicador, Paraíba, 27/05/1864.

O Publicador, Paraíba, 02/06/1864.

O Publicador, Paraíba, 17/06/1864.

O Publicador, Paraíba, 17/06/1864.

O Publicador, Paraíba, 11/08/1864.

O Publicador, Paraíba, 05/09/1864.

O Publicador, Paraíba, 05/11/1864.

O Publicador, Paraíba, 03/12/1864.

O Publicador, Paraíba, 15/12/1864.

O Publicador, Paraíba, 21/12/1864.

O Publicador, Paraíba, 28/10/1865.

O Publicador, Paraíba, 14/01/1866.

O Publicador, Paraíba, 28/01/1866.

O Publicador, Paraíba, 19/07/1866.

O Publicador, Paraíba, 29/07/1866.

O Publicador, Paraíba, 09/11/1866.

O Publicador, Paraíba, 29/11/1866.

O Publicador, Paraíba, 14/12/1866.

O Publicador, Paraíba, 22/03/1867.

O Publicador, Paraíba, 27/03/1867.

O Publicador, Paraíba, 10/05/1867.

O Publicador, Paraíba, 26/08/1867.

O Publicador, Paraíba, 13/09/1867.

O Publicador, Paraíba, 31/01/1868.

O Publicador, Paraíba, 06/03/1868.

O Publicador, Paraíba, 02/07/1868.

O Publicador, Paraíba, 07/09/1868.

O Publicador, Paraíba, 14/10/1868.

O Publicador, Paraíba, 21/12/1868.

O Publicador, Paraíba, 03/06/1869.

O Publicador, Paraíba, 26/06/1869.

O Publicador, Paraíba, 15/07/1869.

O Publicador, Paraíba, 30/11/1869.

Publicado
2018-12-21
Como Citar
de Barros, S. A. P. (2018). Ser negro na Parahyba do Norte: cores, condições, qualidades e universo letrado no século XIX. Estudos Ibero-Americanos, 44(3), 484-500. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2018.3.29337
Seção
Dossiê: Cores, classificações e categorias sociais: os africanos nos impérios ibéricos, séculos XVI a XIX