Migrantes e fantasmas: imagens e figuras de Benjamin Constant

  • Marcos Felipe de Brum Lopes Museu Casa de Benjamin Constant, IBRAM/MinC Universidade Federal Fluminense Laboratório de História Oral e Imagem-UFF
Palavras-chave: fotografia, imagem, figura, República.

Resumo

Após o falecimento de Benjamin Constant, em 1891, sua imagem de Fundador da República foi fabricada por parte das elites política e, sobretudo, pelos positivistas brasileiros. Essa imagem heroica materializou-se em figuras que migram de suporte para suporte, em diferentes formatos e tamanhos, do privado ao público. Este texto busca analisar os significados históricos desse processo através do mapeamento das trajetórias das figuras, suas migrações, ressignificações e limites. Defende-se a ideia de que o republicanismo positivista do final do século XIX buscou gerar um observador-cidadão, um indivíduo da crença em imagens seculares e heroicas. Para isso, instrumentalizou a imagem de Benjamin Constant, projetando-o, através de sua morte, no espaço público. Assim, suas figuras são reproduzidas e circulam na imprensa, em monumentos, nas belas artes e no museu que, até hoje, preserva seus documentos e promove sua biografia. Ao final, avalia-se a importância e os limites da retomada da discussão em torno da mobilização de imagens e figuras nacionais em tempos de crise política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Felipe de Brum Lopes, Museu Casa de Benjamin Constant, IBRAM/MinC Universidade Federal Fluminense Laboratório de História Oral e Imagem-UFF

Bacharel, licenciado, mestre e doutor em História pela Universidade Federal Fluminense.

Historiador e técnico em assuntos culturais do Museu Casa de Benjamin Constant, Instituto Brasileiro de Museus, MinC.

Fulbright Scholar-in-Residence na Spokane Community College, WA, EUA (2015-2016)

Professor Substituto de Teoria da História, Universidade Federal Fluminense (2017)

Referências

BENJAMIN, Walter. Passagens. Tradução e coordenação: Willy Bolle. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado/UFMG, 2006.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas. O imaginário da República no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos. O que nos olha. São Paulo: Editora 34, 2010.

CIDADE DO RIO. Rio de Janeiro, ano 3, n. 274, p. 1, 30/11/1889. Disponível em: <http://memoria.bn.br/docreader/085669/2507>. Acesso em: 14 jun. 2017.

CIDADE DO RIO. Rio de Janeiro, ano 4, n. 154, p. 1, 9/7/1890. 1890a. Disponível em: <http://memoria.bn.br/DocReader/085669/2625>. Acesso em: 14 jun. 2017.

CIDADE DO RIO. Rio de Janeiro, ano 4, n. 35, p. 2, 10/11/1890. 1890b. Disponível em: <http://memoria.bn.br/DocReader/085669/3037>. Acesso em: 14 jun. 2017.

GOVERNO PROVISÓRIO. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, Disposições Transitórias, Artigo 8º, 24 de fevereiro de 1891.

LEAL, Elisabete. Os filósofos em tintas e bronze: arte, positivismo e política na obra de Décio Villares e Eduardo de Sá. 2006. Tese. (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

LEMOS, Renato. Benjamin Constant. Vida e história. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.

MAGALHÃES, Benjamin Constant Botelho de. Anotações sobre as bases gerais para a reforma da instrução pública no Brasil. 1890. BC/MIPCT REP. 890.00.00/1, documento 801. Museu Casa de Benjamin Constant, Ibram/MinC.

MIRANDA, Manoel. Culto civico. 1921. FBC/AR Homenagens a Maria Joaquina da Costa Botelho de Magalhães. Museu Casa de Benjamin Constant, Ibram/MinC. Mitchell, W. J. T. Image Science. Chicago: University of Chicago Press, 2015. <https://doi.org/10.7208/chicago/9780226231501.001.0001>.

PACTOS DE SANGUE. Documento redigido pelos alunos da Escola Militar aderindo a BC e ao movimento republicano. 1889. BC/procl. REP. 889.11.17/1 P. Sangue, documento 907. Museu Casa de Benjamin Constant, Ibram/MinC.

PINTO, Crisanto Sá de Miranda. Carta a Maria Joaquina Botelho de Magalhães. Rio de Janeiro, 25 de maio de 1910. FBC/MJ/Correspondentes MJ910.05.25. Museu Casa de Benjamin Constant, Ibram/MinC.

PATROCÍNIO, José. Algumas palavras. In: Cidade do Rio, Rio de Janeiro, ano 3, n. 286, p. 1, dez. 1889. Disponível em: <http://memoria.bn.br/DocReader/085669/2555>. Acesso em: 14 jun. 2017.

PRADO, Eduardo. [S., Frederido de]. Fastos da ditadura militar no Brazil. 4. ed. São Paulo/Pernambuco/Paris: Garraux, de Lailhacar & Cie, 1890. Disponível em: <http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/518725>. Acesso em: 14 jun. 2017.

ROUILLÉ, Andre. A fotografia. Entre documento e arte contemporânea. São Paulo: SENAC, 2009.

TURAZZI, Maria Inez. Quadros de história pátria: fotografia e cultura histórica oitocentista. In: FABRIS, Annateresa; KERN, Maria Lúcia Bastos (Orgs.). Imagem e conhecimento. São Paulo: Edusp, 2006. p. 229-253.

Publicado
2018-04-18
Como Citar
Lopes, M. F. de B. (2018). Migrantes e fantasmas: imagens e figuras de Benjamin Constant. Estudos Ibero-Americanos, 44(1), 76-92. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2018.1.27713
Seção
Dossiê - Fotografia, Cultura Visual e História: perspectivas teóricas e metodológicas