Fotografia e antropogênese: o melhor amigo do homem

  • Mauricio Lissovsky Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: fotografia, cachorros, anões, máquina antropológica

Resumo

Observando as formulações assumidas pela distinção humano/animal ao longo da história da filosofia, Giorgio Agamben (2004) concluiu que qualquer conceito de humanidade deveria tanto excluir como incluir a natureza animal. Denominou esse dispositivo metafísico de “máquina antropológica”, o processo histórico que produz separações e reconciliações entre humanidade e animalidade (tais como as relações entre corpo e alma, por exemplo). No interior dessa máquina haveria uma zona de indeterminação onde é possível perceber a tensão entre gente e bicho, onde o movimento de separação é suspenso e a própria máquina exibe sua engrenagem capenga. Seria possível flagrar esse momento? Seria possível visitar esse lugar? A premissa dessa pesquisa é que a câmera fotográfica, como máquina antropológica, tem seu papel antropogênico particularmente visível quando os seres humanos são fotografados acompanhados de cães. Valendo-se de obras como os pintores Velasquez e Rembrandt e fotógrafos como Robert Capa e William Wegman o presente ensaio visa justificar essa premissa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mauricio Lissovsky, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professor Associado da Escola de Comunicação da UFRJ. Pesquisador do CNPq, nível 2. Coordeandor da Área de Comunicação e Informação/CAPES

Referências

AGAMBEN, Giorgio. The Open: Man and Animal. Stanford: Stanford University Press, 2004.

BAILLY, Jean-Christophe. El Animal como pensamiento. Santiago: Metales Pesados, 2014.

BARTHES, Roland. A Câmara Clara. Lisboa: Edições 70, 1979.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas I. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas II. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BENJAMIN, Walter. Radio Benjamin. London: Verso, 2014.

BORGES, Jorge Luis. “O Imortal”. In: O Aleph. São Paulo: Globo, 1996.

CADAVA, Eduardo. Words of Light. Princeton: Princeton University Press, 1992.

CRASKE, Matthew; FEEKE, Stephen. Hounds in Leash. The Dog in 18th and 19th Century Sculpture. Leeds: Henry Moore Foundation, 2000.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka, por uma literatura menor. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

HEIDEGGER, Martin. Os Conceitos fundamentais da Metafísica: Mundo – Finitude – Solidão. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

HEMPEL, Amy. “William Wegman; the artist and his dog”. The New York Times Magazine (New York), 29/11/1987. Disponível em: <http://www.nytimes.com/1987/11/29/magazine/williamwegman-the-artist-and-his-dog.html?pagewanted=all>. Acesso em: 21 maio 2017.

HESSE, Herman. The Fairy Tales of Hermann Hesse. Londres: Bantam Books, 1995.

KAFKA, Franz. “Investigações de um cachorro”. In: A Muralha da China. São Paulo: Exposição do Livro, s/d.

LEACH, Maria. God had a dog; folklore of the dog. New Brunswick: Rutdgers University Press, 1961.

LETTERMAN, David. “William Wegman and his dog Man-Ray on David Letterman” (David Letterman Show). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=6gsrIGeS_qQ>. Acesso em: 21 maio 2017.

LÉVI-STRAUSS, Claude. La Pensée sauvage. Paris: Plon, 1962.

LEVINAS, Emmanuel. “Nombre de un perro, o el derecho natural”. In: Difícil Libertad. Buenos Aires: Lilmod, 2004.

MORTON, Stephen. “Troubling Resemblances, Anthropological Machines and the fear of wild animals: Following Derrida after Agamben”. In: TURNER, Lynn. The Animal Question in Descontruction. Edinburgh: Edinburgh Universty Press, 2013.

NIETZSCHE, Friedrich. Twilight of the idols. Middlesex: Penguin Books, 1972.

STRATTON-PRUITT, Suzanne L. “Introduction” in: Velasquéz’s Las Meninas. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

SWANTON, John R. Tlingit Myths and Texts. Bureau of American Ethnology Bulletin, n. 39, 1909. Disponível em: <http://sacredtexts.com/nam/nw/tmt/tmt005.htm>.

WEGMAN, William. William Wegman Short Films [1972]. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=9xYxxcqbPeU>. Acesso em: 21 maio 2017.

Publicado
2018-04-18
Como Citar
Lissovsky, M. (2018). Fotografia e antropogênese: o melhor amigo do homem. Estudos Ibero-Americanos, 44(1), 17-27. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2018.1.27487
Seção
Dossiê - Fotografia, Cultura Visual e História: perspectivas teóricas e metodológicas