“Uma crônica sobre os fatos do momento”: o jogo do bicho nas poesias de monólogos interpretados e publicados no Rio de Janeiro entre 1892 e 1894

  • Silvia Cristina Martins de Souza Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: história, poesias, imprensa, jogo do bicho.

Resumo

De acordo com o historiador Robert Darnton, em sociedades do passado com baixo índice de letramento, as poesias criaram redes de comunicação que funcionavam como crônicas do cotidiano. Partindo deste pressuposto, neste artigo são analisadas as poesias de dois monólogos interpretados e publicados no Rio de Janeiro entre 1892 e 1894, cujo tema é o jogo do bicho. Nosso objetivo é compreender de que forma seus autores delas se utilizaram para inserirem-se num debate mais amplo de crítica ao processo de modernização pelo qual passou o Rio de Janeiro em fins do século XIX, no qual se assistiu à criminalização de certas práticas populares, dentre elas a do jogo do bicho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Cristina Martins de Souza, Universidade Estadual de Londrina

Doutora pela Unicamp; professora de História da UEL (PR) e dos programas de pós graduação da UEL UEPG (PR). Autora de As Noites do Ginásio: teatro e tensões culturais na Corte - 1832-1868 (Unicamp, 2002); O palco como tribuna: uma interpretação de O Demônio Familiar, de José de Alencar (Aos Quatro Ventos, 2003) e Carpinteiros teatrais, cenas cômicas e diversidade cultural no Rio de Janeiro oitocentista (Eduel, 2010). Realizou pesquisas de Pós Doutoramento na UFF (2007) e na UERJ (2014). É bolsista produtividade do CNPq (nível 2).

Referências

ABREU, Martha. O Império do Divino: festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

Biblioteca do Amador Dramático. Coleção de poesias dramáticas, monólogos, cançonetas, lundus, duetos, tangos etc... São Paulo, Oscar Monteiro Editor, 1898.

ASSIS, Machado de. A Semana: crônicas (1892-1893). Edição, introdução e notas de John Gledson. São Paulo: Hucitec, 1996.

CHAZKEL, Amy. Leis da Sorte. O jogo do bicho e a construção da vida privada. Campinas: Unicamp, 2014.

DARNTON, Robert. Poesia e polícia: redes de comunicação na Paris do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

Dicionário da Linguagem das Flores. Ornado com estampas coloridas. 3. ed. Lisboa: Tipografia Lusitana, 1868.

EDMUNDO, Luiz. O Rio de Janeiro do meu tempo. Brasília: Senado Federal, 2003.

EL FAR, Alessandra. Páginas de sensação. Literatura popular e pornográfica no Rio de Janeiro (1870-1924). São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

FABREGAS, Augusto. Monólogos e cançonetas exibidos nos teatros do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Imprensa Montealverne, 1893.

FERLIN, Uliana. A polifonia das modinhas. Diversidade e tensões musicais no Rio de Janeiro na passagem do século XIX ao XX. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

FRANCA, Luciana Penna. Teatro amador: a cena carioca muito além do arrabalde. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2011.

GERSON, Brasil. História das ruas do Rio: e da sua liderança na história política do Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Lacerda Ed., 2000.

MAGALHÃES, Felipe Santos. Ganhou, levou.... Do vale o impresso ao vale o escrito. Uma história social do jogo do bicho no Rio de Janeiro (1890-1960). Tese (Doutorado em Historia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

MATTOS, Cláudia. Acertei no milhar: malandragem e samba no tempo de Getúlio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

MELLO, Marcelo Pereira de. A história social dos jogos de azar no Rio de Janeiro (1808-1946). Dissertação (Mestrado) – IUPERJ, Rio de Janeiro, 1989.

MENCARELLI, Fernando Antônio. A Voz e a Partitura: teatro musical, indústria e diversidade cultural no Rio de Janeiro (1868- 1908). Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

MISSE, Michel. Malandros, marginais e vagabundos & acumulação social da violência no Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Sociologia) – IUPERJ, Rio de Janeiro, 1999.

ROMANI, Carlo. O “massacre” do Amapá, a guerra imperialista que não houve. Caravelle, Toulouse, n. 95, p. 85-118, 2010.

SOUZA BASTOS, Antonio. Carteira do Artista. Lisboa: Imprensa Libânio Silva, 1898.

SOUZA, Silvia Cristina Martins de. As Noites do Ginásio: teatro e tensões culturais na Corte (1832-1868). Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

SOUZA, Silvia Cristina Martins de. Crise! Crise! Crise! A quebra da Casa Souto nas letras de lundus compostos no Rio de Janeiro na segunda metade do século XIX. Topoi, Rio de Janeiro, v. 15, n. 29, p. 588-611, jul.-dez. 2014.

ULHOA, Martha, A música popular gravada – modinhas e lundus. Discografia de Baiano (1902-1915). 2008. Disponível em:

<http://www4.unirio.br/mpb/textos/MusicaGravada/Bahiano_Discografia_1902-1915.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2016.

VIDAL, Armando. O jogo, a administração e a justiça. Rio de Janeiro: Tipografia dos Annaes, 1917.

Publicado
2018-04-18
Como Citar
de Souza, S. C. M. (2018). “Uma crônica sobre os fatos do momento”: o jogo do bicho nas poesias de monólogos interpretados e publicados no Rio de Janeiro entre 1892 e 1894. Estudos Ibero-Americanos, 44(1), 200-212. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2018.1.27482