A obra-prima Os Maias de Eça de Queirós numa leitura cinematografada – olhares sobre a cultura lusitana

  • Filomena Antunes Sobral Departamento de Comunicação e Arte da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viseu e investigadora no CI&DETS: Centro de Estudos em Educação, Tecnologias e Saúde, Instituto Politécnico de Viseu e CITAR: Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes, Escola das Artes, Centro Regional do Porto da Universidade Católica Portuguesa http://orcid.org/0000-0003-3679-7894
Palavras-chave: Literatura, Cinema, Os Maias

Resumo

Estabelecendo um percurso histórico que procura relacionar literatura e cinema, o texto propõe uma aproximação analítica à adaptação cinematográfica de Os Maias (realizada pelo diretor português João Botelho em 2014). Simultaneamente foca no caráter reflexivo e indagador que a arte pode assumir propondo o questionamento acerca das (des)continuidades possíveis entre o romance queirosiano do século XIX e a leitura filmica adaptada. Beneficiando historicamente de uma conexão dialogal com a literatura, o cinema é apontado como um campo fértil para promover dinâmicas de criatividade que permitem repensar o país no período histórico da contemporaneidade a partir de um monumento canónico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Filomena Antunes Sobral, Departamento de Comunicação e Arte da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viseu e investigadora no CI&DETS: Centro de Estudos em Educação, Tecnologias e Saúde, Instituto Politécnico de Viseu e CITAR: Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes, Escola das Artes, Centro Regional do Porto da Universidade Católica Portuguesa

FProfessora Adjunta da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viseu (IPV).

Referências

BELLO, Maria do Rosário. Narrativa literária e narrativa fílmica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2005.

BENJAMIN, Walter. The task of the translator. In: BIGUENET, John; SCHULTE, Rainer (Ed.). Theories of Translation. Chicago: University of Chicago Press, 1992. p. 71-92.

BORGES FILHO, Ozíris. O espaço na literatura e no cinema. In: BARBOSA, Sidney; BORGES FILHO, Ozíris (Org.). Espaço, literatura & cinema. São Paulo: Todas as Musas, 2014. p. 181-209.

CARDOSO, Abílio Hernandez. A letra e a imagem: O ensino da literatura e o cinema. Discursos. Estudos de língua e cultura portuguesa – Literatura e cinema. Coimbra, Universidade Aberta, n. 11/12, p. 15-35, out./fev. 1995-1996.

CARTMELL, Deborah; WHELEHAN, Imelda. Screen adaptation – Impure cinema. New York: Palgrave Macmillan, 2010. COMPARATO, Doc. Da criação ao guião. Lisboa: Pergaminho, 1992.

CRUZ, Jorge Luiz. Manoel de Oliveira, o escultor das palavras. In: SALES Michelle; CUNHA, Paulo (Ed.). Olhares: Manoel de Oliveira. Rio de Janeiro: Edições LCV, 2010. p. 57-71.

FERRO, Marc. Cinema e História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FIELD, Syd. Manual do roteiro: Os fundamentos do texto cinematográfico. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

FREITAS, Carolina. João Botelho – Os Maias no cinema como retrato do país. Jornal de Letras, Artes e Ideias, n. 1117, p. 11, 24 jul.-6 ago. 2013.

GIL, José. Portugal hoje, o medo de existir. Lisboa: Relógio D'Água, 2008.

GRILO, João Mário. O cinema não filma livros. Discursos. Estudos de língua e cultura portuguesa – Literatura e cinema. Coimbra, Universidade Aberta, n. 11/12, p. 209-212, out.-fev. 1995-1996.

HALPERN, Manuel. Os Maias no cinema – João Botelho, Ainda o apanhamos! Jornal de Letras, Artes e Ideias, Lisboa, n. 1146, p. 8-9, set. 2014.

HUTCHEON, Linda; SIOBHAN, O'Flynn. A theory of adaptation. New York: Routledge, 2013.

JORGE, Carlos Jorge Figueiredo. Histórias, imagens e letras: Literatura e cinema numa perspetiva comparatista. Lisboa: Apenas, 2011.

LOURENÇO, Eduardo. O labirinto da saudade. Lisboa: Gradiva, 2000.

LOURENÇO, Eduardo. Uma visão atual. Jornal de Letras, Artes e Ideias, Lisboa, n. 1146, p. 9, set. 2014.

METZ, Christian. Film language: a semiotics of the cinema. New York: Oxford University Press, 1974.

MÓNICA, Maria Filomena. Um politico, Fontes Pereira de Melo. Análise Social, Lisboa, v. XXXII (4º-5º), n. 143-144, p. 731-745, 1997.

NUNES, Maria Leonor. Os cenários surrealistas. Jornal de Letras, Artes e Ideias, Lisboa, n. 1146, p. 10, set. 2014.

QUEIROZ, Eça de. Os Maias. Lisboa: Edição Livros do Brasil, [19--].

REIS, Carlos. Eça de Queirós. Lisboa: Edições 70, 2009.

SANTANA, Maria Helena. A nossa Europa e o resto do mundo: As crónicas jornalísticas de Eça de Queirós. Queirosiana. Estudos sobre Eça de Queirós e a sua geração – Eça de Queirós no contexto da história dos media. Santa Cruz do Douro, Vila Nova de Famalicão, Fundação Eça de Queirós, Edições Húmus, n. 23/24, p. 77-90, jul. 2015.

SILVA, Elsa Maria Nunes da. Literatura e cinema: A escrita cinematográfica de O Delfim, de José Cardoso Pires. 2008. Dissertação (Mestrado em Ensino da Língua e da Literatura Portuguesas) – Departamento de Estudos Romanísticos, Universidade da Madeira, Madeira, 2008.

SOBRAL, Filomena Antunes. As actualizações dos romances de Eça de Queirós para o pequeno ecrã. Lisboa: Chiado Editora, 2016.

VANOYE, Francis. L'adaptation littéraire au cinéma. Paris: Armand Colin, 2011.

VILA MAIOR, Dionísio. Literatura e cinema: Discursos da descontinuidade. Discursos. Estudos de língua e cultura portuguesa – Literatura e cinema. Coimbra, Universidade Aberta, n. 11/12, p. 53-103, out.-fev. 1995-1996.

VUGT, Nick Van. Film adaptation, alternative cinema and Lynchian moments of transposition. 2011. Major Research Paper (Master of Arts in Communication and New Media) – Department of Communication Studies and Multimedia, McMaster University, Hamilton, Ontario, Canada, 2011.

Publicado
2017-12-04
Como Citar
Sobral, F. A. (2017). A obra-prima Os Maias de Eça de Queirós numa leitura cinematografada – olhares sobre a cultura lusitana. Estudos Ibero-Americanos, 43(3), 642-653. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2017.3.26567