Svetlana Aleksiévitch, a Grande Utopia e o cotidiano: testemunhos e memórias do Homo Sovieticus

  • Fernando Perlatto Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Svetlana Aleksiévitch, Grande Utopia, cotidiano, Homo Sovieticus

Resumo

Ao longo das últimas décadas, a historiografia brasileira tem dedicado cada vez mais atenção ao estudo da vida cotidiana, valorizando dimensões e aspectos que foram negligenciados pelas pesquisas influenciadas por abordagens estruturalistas. As pesquisas sobre os regimes autoritários no Brasil, particularmente, têm se beneficiado diretamente deste processo de renovação historiográfica, buscando analisar de forma mais complexa as relações entre Estado e sociedade civil, dedicando atenção especial aos homens e mulheres “comuns” e àqueles segmentos sociais que não participaram diretamente dos embates políticos. Em diálogo com a historiografia brasileira dedicada a essa agenda de pesquisa, o presente artigo objetiva analisar a obra da escritora bielorrussa Svetlana Aleksiévitch no sentido de refletir sobre o cotidiano de homens e mulheres “comuns” durante os anos da experiência autoritária da União Soviética. A partir da mobilização de milhares de testemunhos, os livros de Aleksiévitch, que formam o que ela chamou de “Enciclopédia Vermelha”, contribuem para uma melhor compreensão da relação entre os “grandes” acontecimentos que tiveram curso na URSS impulsionados pela “Grande Utopia” socialista no século XX e o cotidiano do Homo Sovieticus.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Perlatto, Universidade Federal de Juiz de Fora
Graduado em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Mestre em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ) e Doutor em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ). Foi Pesquisador Visitante do Institute for Public Knowledge, vinculado à New York University (IPK-NYU). Atualmente, é Professor do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Referências

AARÃO REIS, Daniel. De Volta à Estação Finlândia. Crônica de uma Viagem ao Socialismo Perdido. Rio de Janeiro: Relume & Dumará, 1993.

______. As Revoluções Russas e o Socialismo Soviético. São Paulo: Editora da UNESP, 2004.

______. Glória, conciliação e dissidência: imagens de um socialismo que realmente existiu. In: AARÃO REIS, Daniel et al. (Orgs.). Tradições e Modernidades. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010a. p. 283-307.

______. Stalin, stalinismo e sociedade soviética. Literatura & História. In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha. A Construção Social dos Regimes Autoritários. Legitimidade, Consenso e Consentimento no Século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010b. Vol. 2. p. 93-

ALEKSIÉVITCH, Svetlana. Seht mal, wie ihr lebt. Russische Schicksalenach dem Umbruch. Berlin: Aufbau, 1999.

______. Die letzten Zeugen. Kinder im Zweiten Weltkrieg. Berlin: Aufbau, 2005.

______. O Fim do Homem Soviético. Um Tempo de Desencanto. Porto: Porto Editora, 2015.

______. A Guerra Não Tem Rosto de Mulher. São Paulo: Companhia das Letras, 2016a.

______. Vozes de Tchernóbil. A História Oral do Desastre Nuclear. São Paulo: Companhia das Letras, 2016b.

______. Los Muchachos de Zinc. Voces Soviéticas de la Guerra de Afganistán. Editora Debate, 2016c.

ARENDT, Hannah. As Origens do Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BAHRO, Rudolf. A Alternativa. Para uma Crítica do Socialismo Real. São Paulo: Paz e Terra, 1980.

CHALÁMOV, Varlan. Contos de Kolimá. São Paulo: Editora 34, 2015.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis: historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CHARTIER, Roger. À Beira da Falésia: a História entre certezas e inquietudes. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2002.

DOSSE, François. O Império do Sentido – A Humanização das Ciências Humanas. Florianópolis: EDUSC, 2003.

FERREIRA, Jorge. URSS: Mito, utopia e história. Tempo, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 75-103, 1998.

FERRO, Marc. Há “democracia demais” na URSS? In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha. A Construção Social dos Regimes Autoritários. Legitimidade, Consenso e Consentimento no Século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. Vol. 2. p. 65-91.

FICO, Carlos. História do Tempo Presente, eventos traumáticos e documentos sensíveis o caso brasileiro. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 28, n. 47, p. 43-59, jan./jun. 2012. https://doi.org/10.1590/S0104-87752012000100003

FITZPATRICK, Sheila. Everyday Stalinism. Ordinary Life in Extraordinary Times: Soviet Russia in the 1930. New York: Oxford University Press, 2000.

GOMES, Angela de Castro. Política: história, ciência, cultura etc. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 9, n. 17, p. 59-84, 1996.

HELLER, Agnes. O Cotidiano e a História. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

HOBSBAWM, Eric. A Era dos Extremos. O Breve Século XX. 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LABOURIE, Pierre. 1940-1944. Os franceses do pensar-duplo. In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha. A Construção Social dos Regimes Autoritários. Legitimidade, Consenso e Consentimento no Século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. Vol. 2. p. 31-44.

LEVI, Primo. Os Afogados e os Sobreviventes. São Paulo, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

LIMA, Luiz Costa. História, Ficção, Literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

LOSURDO, Domenico. Para uma crítica da categoria de totalitarismo. Crítica Marxista, São Paulo, n. 17, p. 51-79, 2003.

MARTINS, José de Souza. Uma Sociologia da Vida Cotidiana. São Paulo: Contexto, 2014.

MUSIEDLAK, Didier. O fascismo italiano. Entre o consentimento e o consenso. In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha. A Construção Social dos Regimes Autoritários. Legitimidade, Consenso e Consentimento no Século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. Vol. 2. p. 149-175.

RÉMOND, René. Por uma História Política. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

ROLLEMBERG, Denise. Definir o conceito de Resistência: dilemas, reflexões, possibilidades. In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha (Orgs.). História e Memória das Ditaduras do Século XX. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015. p. 77-95.

ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha. A Construção Social dos Regimes Autoritários. Legitimidade, Consenso e Consentimento no Século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

SARLO, Beatriz. Tempo Passado. Cultura da Memória e Guinada Subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Minas Gerais: UFMG, 2007.

SEGRILLO, Angelo. O Declínio da URSS: Um Estudo das Causas. Rio de Janeiro: Record, 2000.

______. URSS: coerção e consenso no estilo soviético. In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha. A Construção Social dos Regimes Autoritários. Legitimidade, Consenso e Consentimento no Século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. Vol. 2. p. 121-147.

SELIGMANN-SILVA, Márcio (Org.). História, Memória, Literatura. O Testemunho na Era das Catástrofes. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2003a.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O testemunho: entre a ficção e o “real”. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (Org.). História, Memória, Literatura. O Testemunho na Era das Catástrofes. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2003b. p. 375-90.

______. Narrar o trauma. A questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 65-82, 2008.

SOLJENÍTSIN, Alexander. Arquipélago Gulag. São Paulo: Círculo do Livro, 1973.

Publicado
2017-06-05
Como Citar
Perlatto, F. (2017). Svetlana Aleksiévitch, a Grande Utopia e o cotidiano: testemunhos e memórias do Homo Sovieticus. Estudos Ibero-Americanos, 43(2), 250-263. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2017.2.24721
Seção
Dossiê: História, cotidiano e memória social: a vida comum sob as ditaduras no século XX