Deixar correr a tinta, estancar o sangue: Cartas de António Lobo Antunes em Angola

  • Susana Guerra Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Estado de exceção, Guerra, Cartas, António Lobo Antunes

Resumo

Em 1971, António Lobo Antunes é mobilizado para combater na África. Vê assim interrompido o curso dos dias em Lisboa: privado da companhia da mulher, privado também do contato com familiares e amigos, deixa em suspenso uma vida para dar início a outra –mas  isso não é vida. A fragilidade causada pela guerra e a banalização da morte dão-lhe a conhecer um outro grau na manifestação da exceção. É desse lugar que começa a escrever cartas para Maria José, a sua mulher, numa escrita ansiosa que regressa repetidamente a questões ligadas a um cotidiano que pretende recuperar.  Ao adentrar-nos na leitura destes breves momentos –tecido de relações cotidianas que constrói com a ida e volta das cartas– pretendemos com o presente trabalho, pensar a forma singular de resistência que oferecem estas cartas escritas em tempos de exceção: uma resistência que tem que ver com o particular, sendo, acima de tudo, palavras de pessoas comuns, situadas por fora do protagonismo militar ou político, que guardam a memória de acontecimentos traumáticos. Pretendemos igualmente contribuir para a abertura aos problemas historiográficos derivados da persistência de uma versão única e cristalizada da história, que insiste em passar a página de um tema que não se encontra encerrado, de uma justiça que tarda, considerando as vozes abaixo da superfície –por uma sociedade contra as políticas de desmemoria, pela recuperação da memória dos tempos da ditadura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

CARDOSO, Norberto do Vale. Algodões e Agonias nas Cartas da Guerra de António Lobo Antunes. Diacrítica – Ciências da Literatura. Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, v. 21, n. 3, p. 383-400, 2007.

FENATI, Maria Carolina. Carta ao leitor. In: FENATI, Maria Carolina (Org.). Gratuita. Vol. 1. Belo Horizonte; Lisboa: Chão da Feira, 2012. p. i-v.

GELMAN, Juan Gelman. Carta a mi nieto. Brecha, Montevideo, 23 nov. 1998. Disponível em: http://www.juangelman.net/2011/07/13/

carta-abierta-a-mi-nieto/. Acesso em: 20 jun. 2016.

LOBO ANTUNES, António. D'este viver aqui neste papel descripto – Cartas da Guerra. Lisboa: Dom Quixote, 2007.

SOARES, Maria de Lourdes. Até ao fim do mundo – D’este viver aqui neste papel descripto. Soletras, São Gonçalo: UERJ, ano VI, n. 11, p. 42-47, jan./jun. 2006.

WALSH, Roberto. Gelman, Juan. Urondo, Walsh, Conti: la clara dignidad. In: Prosa de prensa. Buenos Aires: Zeta, 1997. p. 13-16.

______. Semblanza escrita en ocasión de la muerte de Paco Urondo. Disponível em: http://www.juangelman.net/2011/08/07/ semblaza-escrita-en-ocasion-de-la-muerte-de-paco-urondo-porrodolfo- walsh/. Acesso em: 20 jun. 2016.

______. Carta aberta de um escritor à Junta Militar. Buenos Aires, 24 de marrço de 1976. Disponível em: http://www.jus.gob. ar/media/2940407/carta_rw_portuges-espa_ol_web.pdf. Acesso em: 20 jun. 2016.

Serviço Postal Militar. Disponível em: http://www.cfportugal.pt/ index.php?option=com_content&view=article&id=169%3Aguer ra-colonial-1961-1974-aerogramas-militares-o-mnf-e-o-servicopostal-

militar&catid=26%3Aboletim-no-410&Itemid=15

http://www.guerracolonial.org/index.php?content=2418%3E

Angola: Saudades from the One Who Loves You. Diretor: Richard Pakleppa. África do Sul, Namíbia: Luna Films/On Land Productions, 2006. DVD. 70 min.

Cartas da guerra. Diretor: Ivo Ferreira. Portugal: Foley Walkers Studio, O Som e a Fúria, 2016. Digital Cinema Package DCP. 105 min.

Diário de Uma Busca. Diretor: Flavia Castro. Brasil-França: Les Films du Poisson/Tambellini Filmes, 2010. DVD. 108 min.

Música lançada por Violeta Parra em 1971, cujo título inédito é Los hambrientos piden pan.

Publicado
2017-03-23
Como Citar
Guerra, S. (2017). Deixar correr a tinta, estancar o sangue: Cartas de António Lobo Antunes em Angola. Estudos Ibero-Americanos, 43(1), 172-181. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2017.1.24678