Historiografia sobre mutualismo (1875-1914) em Portugal e no Brasil

  • Ronaldo Pereira de Jesus Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: mutualismo, cultura associativa, era dos impérios

Resumo

Análise da produção historiográfica acerca do fenômeno associativo mutualista em perspectiva comparada no Brasil e em Portugal, tendo em vista o fenômeno associativo em geral e o mutualismo em particular, observado como objeto de investigação histórica ao longo do século XX e como uma das principais expressões da cultura associativa dos trabalhadores urbanos no período entre 1875 e 1914.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronaldo Pereira de Jesus, Universidade Federal de Juiz de Fora
Professor Associado, de História do Brasil e Metodologia da História, do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Pesquisador do Laboratório de História Política e Social (LAHPS-UFJF). Pesquisador do Núcleo de Pesquisa Impérios e Lugares no Brasil (ILB-UFOP).

Referências

AMZALAK, Moses Bensabat. O mutualismo e o cooperativismo na indústria da pesca de bacalhau; Comunicação feita ao Congresso da Pesca do Bacalhau reunido em Aveiro em 8 e 9 de outubro de 1923 e promovido pela Associação da Classe dos Armadores de Navios de Portugal. Lisboa: Tipografia da Empresa Diário de Notícias, 1923.

ANSELMO, Manuel. O mutualismo como doutrina social; Conferência promovida a 21 de janeiro de 1933 em Viana-do- Castelo, na Associação Marítima, e repetida depois, em Monção, no Teatro Cine, a convite da Associação de Socorros Mútuos “A Artística Monçanense”. Viana do Castelo: Tipografia Comercial A Aurora do Lima, 1933.

______. As ideias sociais e filosóficas do Estado Novo; Conferência proferida em Lisboa, no Teatro de São Carlos, a 23 de janeiro de 1934, sob a presidência de Sua Excelência, o Sr. Ministro do Interior, Capitão Raul Gomes Pereira. Porto: Livraria Tavares Martins, 1934.

______. O mutualismo como doutrina social; esboço filosófico. Abertura de Antero Figueiredo. 2. ed. Porto: Livraria Civilização, 1938.

ARRIGHI, Giovanni. The Long Twentieth Century; money, power, and the origins of our times. London; New York: Verso, 1994.

BARROS, Carlos Pestana; SANTOS, J. C. Gomes (Orgs.). O Mutualismo Português; solidariedade e progresso social. Lisboa: Vulgata, 1998.

BASTOS, A. de Magalhães. Origens e tradições do mutualismo português e em especial do Portuense; separata do “Boletim Cultural” da Câmara Municipal do Porto, v. I, fac. I. Porto: Tipografia Leitão, mar. 1938.

BATALHA, Cláudio H. M. Sociedades de Trabalhadores no Rio de Janeiro do século XIX: algumas reflexões em torno da formação da classe operária. Cadernos AEL: sociedades operárias e mutualismo, Campinas: IFCH/Unicamp, v. 6, n. 10/11, p. 41-68, 1999.

______. Relançando o debate sobre o mutualismo no Brasil: as relações entre corporações, irmandades, sociedades mutualistas de trabalhadores e sindicatos à luz da produção recente. Revista Mundos do Trabalho, v. 2, n. 4, p. 12-22, ago.-dez. 2010.

BATALHA, Cláudio H. M.; SILVA, Fernando Teixeira da; FORTES, Alexandre (Orgs.). Culturas de classe: identidade e diversidade na formação do operariado. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP, 2004.

BENTO, Miguel da Conceição. Vida e morte numa mina do Alentejo; pobreza, mutualismo e provisão social; o caso de S. Domingo (Mértola) na primeira metade do século XX. Castro Verde: 100 Luz, 2013.

BOSI, Alfredo. A escravidão entre dois liberalismos. In: Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 194-245.

BRÁS, Rui Manuel. Formas institucionais e sistema de valores; as associações de sapateiros de Lisboa da segunda metade do século XIX ao Estado Novo. Oeiras: Celta Editora, 2004.

BRETES, Faustino. Centenário do mutualismo em Torres Novas. Coimbra: Coimbra Editora, 1962.

CARDOSO, José Luís; ROCHA, Maria Manuela. O seguro social obrigatório em Portugal (1919-1928); acção e limites de um

Estado previdente. Análise Social, v. XLIV, n. 192, p. 439-470, 2009.

CARONE, Edgar. Movimento operário no Brasil (1877-1944). São Paulo: Difel, 1979.

CARVALHO, Domingos. Mutualismo; a força do associativismo democrático. Lisboa: Ciência Gráfica, 1998. (Cadernos CA-3).

CARVALHO, José Murilo de. Brasil 1870-1914: a força da tradição. In: Pontos e bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998. p. 107-129.

______. Mandonismo, coronelismo, clientelismo: umadiscussão conceitual. In: Pontos e bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998. p. 130-154.

ELLUCCI, Aldrin A. S. Trabalhadores e política no Brasil; do aprendizado do Império aos sucessos da Primeira República. Salvador: Editora da Universidade do Estado da Bahia, 2015.

CEDEÑO, Reynaldo Sordo. Las sociedades de socorros mutuos, 1867-1880. Historia Mexicana, v. 33, n. 1, p. 72-96, jul.-sept. 1983.

CHALHOUB, Sidney. Solidariedade e liberdade; sociedades beneficentes de negros e negras no Rio de Janeiro na segunda metade do século XIX. In: CUNHA, Olívia Maria Gomes da;

GOMES, Flávio dos Santos (Orgs.). Quase-cidadão; histórias e antropologias da pós-emancipação. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007. p. 219-240.

COELHO, Elmano de Lage Simões. Cem anos depois (1872- 1972); publicação comemorativa do Centenário de Associações de Socorros Mútuos de Empregados no Comércio de Lisboa. Lisboa: Associação de Socorros Mútuos dos Empregados no Comércio de Lisboa, 1973.

CONGRESSO DAS ASSOCIAÇÕES PORTUGUESAS; Junta do Departamento Sul. Primeiro Congresso das Associações Portuguesas realizado na Câmara Municipal de Lisboa; Desde 10 a 18 de junho de 1882. Lisboa: Tipografia Universal, 1883a.

______. Relatório sobre a Federação dos Serviços Clínicos e Administrativos; apresentado pela respectiva seção na sessão da Junta do Departamento Sul de 2 de julho de 1883. Lisboa: Tipografia Universal, 1883b.

______. Primeiro Congresso das Associações Portuguesas realizado na Câmara Municipal de Lisboa; Desde 10 a 15 de junho de 1883; Relatórios das Seções da Junta do Departamento do Sul. Lisboa: Tipografia Universal, 1884.

CONGRESSO NACIONAL DE MUTUALIDADE. Da ação da mutualidade na Federação dos Serviços Farmacêuticos; Liga das Associações das Farmácias. Porto: [s.n.], 1910a.

______. Do processo de estruturação, contabilidade e estatística das associações de socorros mútuos; Tese Subsidiária. Porto: [s.n.], 1910b.

______. Justificação dos fatores que obstaram a construção de uma liga associativa em Lisboa para os serviços farmacêuticos – 1906-1910. Lisboa: [s.n.], 1910c.

______. Subsídios para a reforma do Decreto de 2 de outubro de 1886. Lisboa: [s.n.], 1910d.

______. Tese XIV; Da ação da mutualidade na federação dos serviços farmacêuticos; Liga das Associações; Das farmácias. Lisboa: [s.n.], 1910e.

______. Tese XIV; Da ação da mutualidade na federação de serviços farmacêuticos; Liga das Associações de Farmácias; Das farmácias mutualistas. Porto: [s.n.], 1910f.

CORREIA, Rui Antunes. Uns aos outros; o Montepio Caldense (1860-1890). Rio Maior: Grafiartes, 2000.

COSTA JÚNIOR, José Maria Marques. A organização de classes. Angra do Heroísmo: Tipografia Andrade, 1937.

______. História Breve do Movimento Operário Português. Lisboa: Verbo, 1964. COSTA JÚNIOR, José Maria Marques. Movimento operário português. Lisboa: Verbo, 1964.

COSTA, Ramiro da. O desenvolvimento do capitalismo em Portugal. Lisboa: Assírio & Alvim, 1975.

______. Elementos para a história do movimento operário em Portugal. 1º volume 1820-1929. Lisboa: Assírio & Alvim, 1979.

COSTA, Severino. Mutualismo e fraternidade humana; conferência proferida na Associação Fraternal dos Artistas Vianenses durante a Semana do Mutualismo. Viana: Tipografia Comercial “A Autora do Lima”, 1933.

CUNHA, F. Carmo. Manifestações do espirito de previdência; o Mutualismo; Conferência realizada no Montepio Geral no dia 18 de Janeiro de 1933. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, 1933.

DAVIS, Mike. Late Victorian Holocausts; El Nino, famines and the making of the Third World. London; New York: Verso, 2001.

DREYFUS, Michel. Liberté, Égalité, Mutualité. Mutualisme et Syndicalisme, 1852-1967. Paris: Les Éditions de l’Atelier / Éditions Ouvrières, 2001.

FERREIRA, Jaime. Para a história do mutualismo; nas bodas de ouro de “A Previdência”. Porto: Tipografia Marca, 1978.

FIELDHOUSE, David Kenneth. The colonial empires; a comparative survey from the eighteenth century. New York: Delacorte Press, 1967.

FONSECA, Carlos da. A origem da 1ª Internacional em Lisboa; o centenário da Federação Portuguesa. Lisboa: Editorial Estampa, 1978.

______. História do Movimento Operário e das Idéias Socialistas em Portugal; I – Cronologia. Viseu: Europa-América, 1980.

______. História do Movimento Operário e das Idéias Socialistas em Portugal; III – O Operariado e a Igreja militante (Da Rerum Novarum à implantação da República). Viseu: Europa-América, 1981.

_____. História do Movimento Operário e das Idéias Socialistas em Portugal; IV – Greves e ______. operárias. Viseu: Europa-América, 1982.

FONSECA, Fernandes da. Número único para comemorar o aniversário do benemérito iniciador das associações mútuas em Portugal. Lisboa: Tipografia do Comércio de Portugal, 1887.

FONSECA, Vitor Manuel Marques da. No gozo dos direitos civis: associativismo no Rio de Janeiro (1903-1915). Rio de Janeiro/Niterói: Arquivo Nacional/Muiraquitã, 2008.

FREIRE, João. Anarquistas e Operários; ideologia, ofício e práticas sociais: o anarquismo e o operariado em Portugal (1900-1940). Porto: Afrontamento, 1992.

______ (Org.). Associações Profissionais em Portugal. Oeiras: Celta Editora, 2004.

GOMES, Álvaro Reis. Mutualismo; Conferência realizada no salão nobre do Montepio Madeirense em 20 de janeiro de 1933. Funchal: Tipografia Diário da Madeira, 1933.

GONÇALVES, Luiz. A evolução do movimento operário em Portugal. Lisboa: Adolpho de Mendonça & Cia., 1905.

GOODOLPHIM, José Cypriano da Costa. A Associação: história e desenvolvimento das associações portuguesas. Lisboa: Tipografia Universal, 1876.

______. A Previdência: Associações de Socorros Mútuos, Cooperativas, Caixas de Pensões e Reformas, Caixas Econômicas. Lisboa: Imprensa Nacional, 1889.

GRILLO, J. Francisco. Mutualismo rural e crédito agrícola: primeira tentativa de sua criação em Portugal sem encargos para o Estado, baseada numa Lei que torne obrigatória a mutualidade agrícola. Lisboa: Livraria Ferin Baptista Torres, 1912.

GUTMAN, H. Work, culture and society industrializing America. New York: Vintage Books, 1977.

HANAGAN, M. P. The logic of solidarity. Chicago: University of Illinois Press, 1980.

HARVEY, David. The enigma of capital: and the crises of capitalism. London: Profile Books, 2010.

HENRIQUES, Maria Adosinda. Origens do associativismo na Beira Litoral: da tradição à modernidade. Lisboa: Direção Geral de Desenvolvimento Rural, 1999.

HOBSBAWM, Eric J. Labour History and Ideology. In: Workers: worlds of labor. New York: Pantheon Books, 1984.

HOBSBAWM, Eric J. The Age of Empire, 1875-1914. New York: Pantheon Books, 1987.

JESUS, Ronaldo P. de. História e historiografia do fenômeno associativo no Brasil monárquico. In: ALMEIDA, Carla M. C.; OLIVEIRA, Mônica R. de. Nomes e números: alternativas econômicas para a história econômica e social. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2006.

______. Associativismo no Brasil do século XIX: repertório crítico dos registros de sociedades no Conselho de Estado (1860-1889), Locus: Revista de História. v. 13, n. 1, 144-170, 2007.

______. Mutualismo entre ex-escravos e operários no Rio de Janeiro. In: LOBO, Valéria Marques; DELGADO, Ignácio Godinho; VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro (Orgs.). Trabalho, proteção e direitos: o Brasil além da Era Vargas. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2010. p. 9-27.

JESUS, Ronaldo P. de; MALERBA, Jurandir. Marxism and Brazilian Historiography. In: WANG, Q Edward; IGGERS, Georg G. Marxist Historiographies: a global perspective. London; New York: Routledge, 2016. p. 142-173.

KUSCHNIR, Beatriz. Baile de máscaras. Mulheres judias e prostituição: as polacas e suas associações de ajuda mútua. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

LACERDA, David P. Solidariedade entre ofícios; a experiência mutualista no Rio de Janeiro (1860-1882). 2011. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, Campinas, 2011.

LEUCHTENBERGER, Rafaela. O lábaro protetor da classe operária; as associações voluntarias de socorros-mútuos dos trabalhadores em Florianópolis, Santa Catarina (1886-1932). 007. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, Campinas, 2007.

LIMA, João Evangelista Campos. Movimento operário em Portugal. Lisboa: Guimarães & Cia., 1910.

LIMA, José Lobo D’Avila. Movimento operário em Portugal. Lisboa: Ferreira & Oliveira, 1905.

______. Socorros Mútuos e Seguros Sociais. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1909.

LINDEN, Marcel van der. Social Security Mutualism. The Comparative History of Mutual Benefit Societies. Bern: Peter Lang, 1996.

LOBO, Eulália Maria Lehmeyer; STOTZ, Eduardo Navarro. Formação do operariado e movimento operário no Rio de Janeiro, 1870-1894. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 15, 49-88, 1985.

LOPES, Raimundo José Ferreira. Sociedade de Instrução e Beneficência: “A Voz do Operário”, uma associação representativa da classe dos Manipuladores de Tabaco, em particular, e da classe operária, em geral. 1995. Dissertação (Mestrado em Antropologia Cultural e Social da Cultura) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Lisboa, 1995.

LOUSADA, Maria Alexandre. Associações profissionais: tradição e renovação. In: FREIRE, João (Org.). Associações Profissionais em Portugal. Oeiras: Celta Editora, 2004. p. 21-55.

LUCA, Tânia R. de. O sonho do futuro assegurado: o mutualismo em São Paulo. São Paulo: Contexto, 1990.

LUNET, Carlos Alberto Homem de Figueiredo. Associativismo e mutualismo: Associação de Socorros Mútuos “19 de Março” (1892-1992). Tondela: Tipografia Tondelgráfica, 1996.

MAC CORD, Marcelo. Artífices da Cidadania: mutualismo, educação e trabalho no Recife oitocentista. Campinas: Editora da Unicamp, 2012.

MAC CORD, Marcelo; BATALHA, Cláudio H. M. (Org.). Organizar e Proteger: trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil (séculos XIX e XX). Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

MAÇARICO, Luís Filipe. Associativismo, patrimônio e cidadania. [S.l.]: Ciência Gráfica, 2010.

MACIEL, Osvaldo B. A. A Perseverança dos Caixeiros: o mutualismo dos trabalhadores do comércio em Maceió. Recife: EDUFPE, 2011.

MALHEIRO, José. Associativismo popular: originalidade do povo português. Almada: Câmara Municipal de Almada, 1996.

MARQUES, Emília Margarida. A associação “Recurso Operário”: antecedentes e alguma contextualização. Marinha Grande: Museu Santos Barbosa da Fabricação do Vidro, 1997.

MARTINS, José António de Jesus. Da Irmandade do Corpo Santo dos mareantes e pescadores da cidade de Lagos à “A Lacobrigense” Associação de Socorros Mútuos (1749-1999). Lagos: A Lacobrigense, 2000.

______. História breve da Associação dos Bombeiros Voluntários de Lagos (1886- 1990). Lagos: Associação dos Bombeiros Voluntários, 1991.

MARTINS, Mônica de Souza Nunes. Entre a Cruz e o Capital: as corporações de ofícios após a chegada da família real (1808-1824). Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2008.

MASCARENHAS, João Mário; SILVA, João Evaristo. Socialismo em Portugal: os primeiros ecos. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa/Biblioteca Museu da República e Resistência, 1988.

MAYER, Arno J. The persistence of the Old Regime: Europe to the Great War. London: Pantheon Books, 1981.

MELO, Daniel; SILVA, Eduardo Caetano (Orgs.). Construção da Nação e Associativismo na Emigração Portuguesa. Lisboa: ICS. Imprensa de Ciências Sociais, 2009.

MELO, Lilia; REIS, Suzana. Mutualismo na área da Grande Lisboa: principais características e perspectiva de evolução. In: BARROS, Carlos Pestana; SANTOS, J. C. Gomes (Orgs.). O Mutualismo Português: solidariedade e progresso social. Lisboa: Editora Vulgata, 1998. p. 69-99.

MÓNICA, Maria Filomena. O Movimento Socialista em Portugal (1875-1934). Lisboa: Casa da Moeda / Instituto de Estudos para o Desenvolvimento, 1985.

______. Artesãos e operários: indústria, capitalismo e classe operária em Portugal (1870-1934). Lisboa: ICS – Universidade de Lisboa, 1986.

______. Capitalistas e industriais. 1870-1914. Análise Social, v. XXIII, n. 99, p. 819-863, 1987.

MONTEIRO, Alcides A. Associativismo e Novos Laços Sociais.Coimbra; Quarteto, 2004.

MORAES FILHO, Evaristo de. O problema do sindicato único no Brasil: seus fundamentos sociológicos. Rio de Janeiro: Editora A Noite, 1952.

MUNCK, Ronaldo. Mutual benefit societies in Argentina; workers, nationality, social security and trade unionism. Journal of Latin American Studies, Cambridge, n. 30, p. 573- 590, 1998.

NOMELINI, Paula C. B. Associações operarias mutualistas e recreativas em Campinas (1906-1930). 2007. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, Campinas, 2007.

NUNES, Américo; CABRITA, Daniel; MARTINS, Emídio; ROCHA, Francisco Canais; CARTAXO, Ernesto; BARRETO, Kalídas; RANITA, Víctor. Contributo para a História do Movimento Operário e Sindical: das raízes até 1977. Lisboa: CGTP-IN – Departamento de Cultura e Tempos Livres / IBJC – Instituto Bento de Jesus Caraça, 2011.

NUNES, Mário. A Previdência Portuguesa; associação mutualista; 75 anos ao serviço do mutualismo – 1929-2004. Coimbra: Carvalho & Simões, 2004.

OLIVEIRA, César. O Socialismo em Portugal (1850-1900): contribuição para o estudo da filosofia política e do socialismo em Portugal na segunda metade do século XIX. Porto: Afrontamento, 1973.

PEREIRA, João Manuel Esteves. A indústria portuguesa (séculos XII a XIX): com uma Introdução sobre as corporações operárias em Portugal. Lisboa: Empresa do Ocidente, 1900.

PEREIRA, José Pacheco. Elementos para o estudo da origem do movimento operário no Porto: as associações mutualistas (1850-1870). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982.

PEREIRA, José Ribeiro. O Mutualismo e o Estado Novo Corporativo: na Seção de Propaganda promovida pela Comissão Concelhia da Vila do Seixal. Lisboa: Tipográfica, [s.d.].

PERROT, Michelle. Les Ovriers en Grève (1871-1890). Paris: Mouton, 1973.

PIKETTY, Thomas. O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2014.

PITACAS, José Alberto Pereira. Utilidade social e eficiência do mutualismo. 2009. Dissertação (Mestrado em Economia e Política Social) – Instituto Superior de Economia e Gestão, Universidade Técnica de Lisboa. Lisboa, 2009.

POLANYI, Karl. (1944). The great transformation. Boston: Beacon Press, 1968.

QUELHAS, Ana Paula do Canto Lopes Pires Santos. A refundação do papel do Estadonas políticas sociais; a alternativa do movimento mutualista. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra. Coimbra 1999.

RALLE, Michel. A função da proteção mutualista na construção de uma identidade operária na Espanha (1870-1910), Cadernos AEL: Sociedades Operárias e Mutualismo. Campinas: IFCH/UNICAMP, v. 6, n. 10/11, p. 13-38, 1999.

RAMOS, António Alberto C. P. As coletividades de Almada (1890-1910); associativismo do tipo cultural e recreativo – tentativa de abordagem ao seu estudo. Almada: Gráfica Ideal Cacilhas, 1991.

RECALDE, Héctor. Beneficencia, assistencialismo estatal y previsón social. Buenos Aires: Centro Editor de America Latina, 1991.

RODRIGUES, Edgar. Breve história do pensamento e das lutas sociais em Portugal. Lisboa: Assírio & Alvim, 1977.

______. O despertar operário em Portugal (1834-1911). Lisboa: Sementeira, 1980.

RODRIGUES, José Albertino. Sindicato e desenvolvimento no Brasil. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1968.

ROSENDO, Vasco. O Mutualismo em Portugal: dois séculos de história e suas origens. Lisboa: Montepio Geral, 1996.

RUIVO, Beatriz; LEITÃO, Eugênio. O sindicalismo do funcionalismo público na I República. Lisboa: Seara Nova, 1977.

SAID, Edward W. Culture and imperialism. New York: Vintage Books, 1994.

SAMUEL, R. Village, life and labour. London: Routledge & Kegan Paul, 1975.

SANTOS, Dina Maria Serrano. Do Mutualismo ao Mercado: a Banca Mutualista em Portugal; estudo de caso: o crédito agrícola mútuo. 2012. Dissertação (Mestrado em Sociologia Económica e das Organizações) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2012.

SANTOS, Fernando Piteira. O Centenário da Sociedade “A Voz do Operário”. Lisboa: Sociedade de Instrução e Beneficência “A Voz do Operário”, 1983.

SANTOS, Luiz da Costa. O mutualismo na organização social moderna: conferência da “Semana Mutualista” organizada pelo jornal “O Século” e realizada em 21 de Janeiro de 1933, na Associação dos Empregados do Estado, a convite da Caixa de Sobrevivência “O Futuro”. Lisboa: Revista Portuguesa de Seguros, 1933.

SANTOS, Raul Esteves dos. 1879-1894 A vida da Voz do Operário: da fundação do jornal à inauguração das primeiras escolas. Lisboa: Sociedade de Instrução e Beneficência “A Voz do Operário”, 1932.

______. A grande epopeia dos humildes. Lisboa: Sociedade de Instrução e Beneficência “A Voz do Operário”, 1933.

______. O Tenente-Coronel João Luiz de Moura e a Voz do Operário. Lisboa: Edição Fora do Mercado, 1939.

SANTOS, Victor. Mutualismo; poderoso auxiliar do Estado no arranjo social da Nação; Palestra realizada na sessão solene de comemoração do 84º aniversário da Associação de Socorros Mútuos dos Empregados do Comércio e da Indústria de Lisboa em 6 de Novembro de 1938. Lisboa: [s.n.], 1941.

SARAIVA, Ana Paula Rocha da Costa. Associativismo mutualista em Lisboa na segunda metade do século XIX. 2011. Dissertação (Mestrado em História) ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, 2011.

SEWELL JR., William H. Work and Revolution in France: the language of labor from the old regime to 1848. Cambridge: Cambridge University Press, 1980.

SILVA JR., Adhemar Lourenço da. As sociedades de socorros mútuos: estratégias privadas e públicas (estudo centrado no Rio Grande do Sul-Brasil, 1854-1940). 2004. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

SILVA, Fátima Geraldes da. Associações desportivas, recreativas e culturais: o caso de Covilhã. 2002. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade da Beira Interior. Covilhã, 2002.

SILVEIRA, Jorge. O mutualismo em Portugal; elementos de caráter geral das associações mutualistas. Lisboa: União das Mutualidades Portuguesas, 1986.

SIMÃO, Azis. Sindicato e Estado: suas relações na formação do proletariado de São Paulo. 2. ed. São Paulo: Ática, 1981. SOARES, Francisco Sousa. Internacionalização e descentralização: contributos do associativismo. Lisboa: Ingenium, 2003.

SOUSA, Luís de. Mutualismo: conferência realizada na

Associação Comercial de Angra do Heroísmo. Angra do

Heroísmo: Livraria Andrade, 1933.

SOUSA, Manuel Joaquim de. O sindicalismo em Portugal: esboço histórico. Lisboa: Comissão Escola e Propaganda do Sindicato do Pessoal da Câmara da Marinha Mercante Portuguesa, 1931.

______. O sindicalismo em Portugal. 3. ed. Porto: Afrontamento, 1972.

TARRACHA, Jorge Câncio. Antologia histórica sobre o movimento associativo de Vila Franca de Xira, 1853-1995. Alhandra: Gráfica Alhandrense, 1997.

TAVARES, Virgílio. O centenário da associação de socorros mútuos dos artistas mirandelenses. Guimarães: Editora Cidade Berço, 2001.

THOMPSON, E. P. The making of the english working class. New York: Vintage Books, 1966.

TILLY, L.; SCOTT, J. W. Women, work and family. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1978.

VENTURA, Maria da Graça A. Mateus (Org.). O Associativismo. Das Confrarias e Irmandades aos Movimentos Sociais Contemporâneos. Lisboa: Edições Colibri, 2006.

VIANNA, Luiz Werneck. Liberalismo e sindicato no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

VILAÇA, Helena Carlota Ribeiro. Associativismo e movimentos sociais; modalidades de participação. 1993. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 1993.

VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro. O teatro das oligarquias; uma revisão da política do café com leite. Belo Horizonte: C/Arte, 2001.

______. Mutualismo e Filantropia, Locus: Revista de História, Juiz de Fora, v. 10, n. 1, 99-113, jan.-jun., 2004.

______. As experiências mutualistas em Minas Gerais: um ensaio interpretativo. In: ALMEIDA, Carla M. Carvalho de; OLIVEIRA, Mônica Ribeiro de. (Orgs.). Nomes e números: alternativas metodológicas para a história econômica e social. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2006, p. 305-322.

______. Experiências da prática associativa no Brasil (1860-1880), Topoi: Revista de História, Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ, v. 9, n. 16, p. 117-136, jan.-jun. 2008.

______. Estratégias Populares de Sobrevivência: Mutualismo e Filantropia no Rio de Janeiro Republicano. Revista Brasileira de História, v. 29, p. 291-315, 2009.

______. JESUS, Ronaldo P. de. A experiência mutualista e a formação da classe trabalhadora no Brasil. In: FERREIRA, Jorge; REIS FILHO, Daniel Aarão (Orgs.). As esquerdas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. Vol. 1: A formação das tradições. p. 21-51. VITORINO, Artur J. R. Máquinas e Operários: mudança técnica e sindicalismo gráfico (São Paulo e Rio de Janeiro, 1858-1912). São Paulo: Annablume/FAPESP, 2000.

Publicado
2016-11-24
Como Citar
de Jesus, R. P. (2016). Historiografia sobre mutualismo (1875-1914) em Portugal e no Brasil. Estudos Ibero-Americanos, 42(3), 1144-1167. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2016.3.23735