O MPLA e a governação: entre internacionalismo progressista marxista e pragmatismo liberal-nacionalista

  • Nuno de Fragoso Vidal Kings College de Londres
Palavras-chave: Angola, política, governação, ideologia, história política do pósindependência

Resumo

Este texto apresenta uma análise da política angolana desde a independência aos nossos dias partindo de duas posições políticas contrárias que influenciaram de sobremaneira o percurso do país no pós-independência e que permitem compreender não só as disputas em curso como as políticas e estratégias seguidas. São contrastadas as posições caracterizadas como de pragmatismo nacionalista de matriz liberal e internacionalismo progressista de matriz socialista-marxista, seguindo critérios de ideologia influenciando a gestão política, economia política e política externa. A análise identifica a matriz que, embora sob diversas roupagens, discursos e protagonistas, apresenta uma coerência de médio e longo-prazo e uma linha orientadora do percurso político-econômico trilhado pelo partido no poder desde 1975. O trabalho estruturase em duas grandes partes, historicamente sequenciais, sendo a primeira dedicada ao enquadramento do tema e suas implicações políticas ao longo da presidência de Agostinho Neto (1975-1979) e a segunda abarcando a muito mais longa administração de Eduardo dos Santos, desde 1979 aos nossos dias, passando por diferentes contextos nacionais e internacionais ao longo dos anos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nuno de Fragoso Vidal, Kings College de Londres
Doutorado pelo King's College - University of London, 2002 (tese sobre a génese e desenvolvimento do sistema político Angolano; área científica de Political Studies), Mestrado em Estudos Africanos (Lisboa-ISCTE-IUL, 1997; Interdisciplinar, dissertação com pesquisa de campo em Malange-Angola), Licenciatura em Relações Internacionais (Lisboa-UAL, 1993); 2 Pós-Doutorados - 1º (2002-2005), Universidade de Coimbra-FEUC (área de História/Ciência Política, 'A evolução recente do sistema político Angolano'), 2º, 2006-2012, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (área de Ciência Política/História), 'Transições políticas e econômicas em países Africanos' - estudos de caso e pesquisa de campo em Angola, Tanzânia, República Democrática do Congo, Moçambique, África do Sul. Professor de História da África do CEFET-RJ (no Programa de Pós-Graduação em Relações Étnico-Raciais-PPRER e Graduação LEANI). Atividade docente anterior: foi Prof. de "Sistemas políticos africanos pós-coloniais" da Universidade de Coimbra-FEUC (2005/2006 e 2006/2007); professor visitante do MBA em Administração Global da Universidade Estadual de Santa Catarina/Brasil-ESAG (2003-2004).

Referências

BAYART, Jean-François. The State in Africa, the politics of the belly. London: Longman, 1989.

BIRMINGHAM, David. The Twenty-Seventh of May, an Historical Note on the Abortive 1977 Coup in Angola. African Affairs, v. 77, n. 309, p. 554-564, 1978.

BITTENCOURT, Marcelo. Dos jornais às armas. Trajectórias da contestação angolana. Lisboa: Vega, 1999.

______. “Estamos Juntos!” O MPLA e a luta anticolonial (1961-1974). Luanda: Kilombelombe, 2008. 2 v.

COSTA, Jorge; LOPES, João Teixeira; LOUÇÃ, Francisco. Os Donos Angolanos de Portugal. Lisboa: Bertrand Editora, 2014.

FERNANDES, Filipe S. Isabel dos Santos. Segredos e Poder do Dinheiro. Lisboa: Casa das Letras, 2015.

FILIPE, Celso. O Poder Angolano em Portugal. Lisboa: Planeta, 2013.

HODGES, Tony. Angola pins hopes on unique debt strategy. Financial Times, New York, 7 July 1987.

LAMB, David. Angola moving to end isolation from the West and dependency on Cubans. Los Angeles Times, Los Angeles, 3 Dec. 1978.

______. Cuban advisers downgraded; Angola turns pragmatic as economy founders. Herald Tribune, London, 6 Dec. 1978a.

MABEKO-TALI, Jean-Michel. Dissidences et pouvoir d’Etat: le MPLA face a lui-même (1962-1977). 1996. Tese (Doutorado em História) – Université Paris VII, Paris, 1996.

MESSIANT, Christine. 1961, L’Angola colonial, histoire et société. Les premises du movement nationaliste. Bâle, Suisse: P. Sclettwein Publishing Switzerland, 2006.

______. À propos des “transitions démocratiques”, notes comparatives et préables à l’analyse du cas angolais’. Revista Africana Studia, Porto, v. 2, p. 61-95, 2001.

MEYNS, Peter. O desenvolvimento da economia Angolana a partir da independência: problemas da reconstrução nacional. Revista Internacional de Estudos Africanos, IICT, Lisboa, n. 2, p. 121-161, 1984.

MIRANDA, Arlindo. Angola 2003/2004, Waiting for Elections. Bergen Norway: Christian Michelsen Institute, 2004.

MOREIRA, Vital. Presidencialismo superlativo. Jornal Público, Lisboa, 9 fev. 2010.

OLIVEIRA, Ricardo Soares de, Business success, Angola-style: postcolonial politics and the rise and rise of Sonangol. Journal of Modern African Studies, London, v. 45, n. 4, p. 595-619, 2007.

______. Magnificent and Beggar Land. Angola since the Civil War. London: Hurst, 2015.

OTTAWAY, David. Angola tries new pragmatism; Neto asks for help to repair economy. Herald Tribune, London, 27 Dec. 1978.

SOMERVILLE, Keith, Angola: Politics, Economics and Society. London: Frances Pinter, 1986.

VIDAL, Nuno, The genesis and development of the Angolan political and administrative system from 1975 to the present. In: KYLE, Steve. Lusophone Africa: Intersections between Social Sciences. Cornell, NY: Cornell Institute for African Development, May 2-3, 2003. p. 1-16.

______. Multipartidarismo em Angola. In: VIDAL, Nuno; PINTO DE ANDRADE, Justino (Orgs.). O processo de transição para o multipartidarismo em Angola. Lisboa e Luanda: Universidade Católica de Angola e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, 2006. p. 11-57.

______. Sectores Sociais, Sociedade Civil, Política e Direitos Humanos em Angola. In: VIDAL, Nuno; PINTO DE ANDRADE, Justino (Orgs.). Sociedade Civil e Política em Angola. Luanda; Lisboa: Firmamento, 2008. p. 11-40.

______. The international institutionalization of patrimonialism in Africa. The case of Angola. In: VIDAL, Nuno; CHABAL, Patrick (Eds.). Southern Africa: civil society, politics and donor strategies. Luanda; Lisboa: Universidade de Coimbra, Universidade Católica de Angola, Media XXI, 2009. p. 19-44.

______. Angolan civil society activism since the 1990s: reformists, confrontationists and young revolutionaries of the ‘Arab spring generation’. Review of African Political Economy, London, v. 42, n. 143, p. 77-91, 2015.

VIDAL, Nuno; PINTO DE ANDRADE, Justino (Orgs.). Economia Política e Desenvolvimento em Angola. Luanda: Universidade de Coimbra, Universidade Católica de Angola; Cha de Caxinde, 2011.

WALLERSTEIN, Immanuel. Left and Right in Africa. The Journal of Modern African Studies, London, 9, I, p. 5-10, 1971.

WOLFERS, Michael; BERGEROL, Jane. Angola in the Frontline. London: Zed Press, 1983.

WRIGHT, George. The Destruction of a Nation, United States’ policy toward Angola since 1945. London: Pluto Press, 1997.

ZENHA RELA, José Manuel. Angola entre o presente e o futuro. Lisboa: Escher, Agropromotora, 1992.

MPLA, Discurso pronunciado pelo Presidente do MPLA–Partido do Trabalho Camarada José Eduardo dos Santos na Sessão de Abertura do III Congresso do Partido; pela Paz, Unidade Nacional e Recuperação Económica. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1990.

MPLA. Selecção de discursos do Camarada Presidente Agostinho Neto. Luanda: Direção de Informação e Propaganda – DIP, 1978.

MPLA. Relatório do Comité Central ao I Congresso Extraordinário. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1980.

MPLA. Principais resultados do desenvolvimento econômico-social da RPA no triénio 1978-1980. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1980a.

MPLA. Resoluções e Mensagens do I Congresso Extraordinário. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1980b.

MPLA, 1985 Documentos da Iª Conferência Nacional do MPLA-PT, de 14 a 19 de janeiro de 1985. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1985.

MPLA. Relatório do Comité Central ao II Congresso do Partido, realizado em Luanda de 2 a 10 de dezembro de 1985. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1985a.

WEST AFRICA. London, 23 Octobre 1978. AFRICA CONTEMPORARY RECORD – ACR. London, v. 11, 1980; v. 12, 1981;

v. 15, 1983; v. 16, 1985; v. 18, 1987; v. 21, 1990. ANGOP – ANGOLA PRESS. Transcrição na íntegra do discurso proferido por José Eduardo dos Santos na sessão de abertura do seminário sobre Saneamento Econômico e Financeiro, 17 de agosto de 1987.

AFRICA RESEARCH BULLETIN – ARB. New York, September 1979, December 1980, July 1982, January 1983, October 1984, October 1987.

ASSOCIATED PRESS. London, 2 May 1979.

FINANCIAL TIMES. New York, 14 September 1987; 21 September 1987; 11 July 1979.

AFRIQUE-ASIE. n. 177, 25 décembre 1978, p. 23-25.

GRANDE REPORTAGEM. “Mavinga: a última batalha”, ano I, n. 2, 2ª série, mar./jun. 1990, p. 105-113.

LIBÉRATION. 17 et 20 août 1987.

JEUNE AFRIQUE. n. 1515, 15 janvier 1990.

LE MONDE. Paris, 12 décembre 1978.

O JORNAL. Lisboa, 25 agosto 1989.

PÚBLICO. Lisboa, 28 março de 2016. “Condenação de activistas reforça ideia de que Angola ‘vive uma ditadura’”. Disponível em: <https://www.publico.pt/mundo/

noticia/condenacao-de-activistas-reforca-ideia-de-que-angola-vive-ma-ditadura- 1727399?page=-1> Acesso em: 24 maio 2016.

THE NEW YORK TIMES. New York, 13 December 1978; 18 September 1978.

SURVEY OF WORLD BROADCAST. Resumo da Rádio Nacional de Angola. London, 19 December 1978; 17 January 1979.

REUTERS. London, 8, 28 and 31 December 1982.

Publicado
2016-11-24
Como Citar
Vidal, N. de F. (2016). O MPLA e a governação: entre internacionalismo progressista marxista e pragmatismo liberal-nacionalista. Estudos Ibero-Americanos, 42(3), 815-854. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2016.3.23461
Seção
Dossiê: 40 anos de independência em África