Elites políticas e intelectuais e o Ministério do Trabalho – 1931/1945

  • Francisco Carlos Palomanes Martinho Universidade de São Paulo
Palavras-chave: corporativismo, intelectuais, Ministério do Trabalho

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar o processo de criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio no Brasil (1931), bem como o papel desempenhado pelas elites políticas e intelectuais que nele participaram, auxiliando no projeto de institucionalização do mundo do trabalho ocorrida durante o primeiro governo Vargas (1930-1945).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Luciano A. Sindicalismo e corporativismo no Brasil: o olhar autoritário de Oliveira Vianna. In: ABREU, Luciano Arrone; MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Orgs.). Autoritarismo e cultura política. Rio de Janeiro: FGV; Porto Alegre: EDIPUCRS, 2013. p. 91-121.

BATALHA, Cláudio. Formação da classe operária e projetos de identidade coletiva. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.). O Brasil Republicano: O tempo do liberalismo excludente – da proclamação da República à Revolução de 1930. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. p. 161-189.

BOBBIO, Norberto. Os Intelectuais e o Poder. Dúvidas e opções dos homens de cultura na sociedade contemporânea. São Paulo: Unesp, 1997.

BOSI, Alfredo. A arqueologia do Estado-providência. In: A dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 273-307.

CHAVES, Luís Guilherme Bacelar. VIANA, Oliveira. Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas/CPDOC. CD-Room.

COUTINHO, Amélia; FALCÃO, Valdemar. Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas/CPDOC. CD-Room.

D´ARAÚJO, Maria Celina. Sindicatos, carisma e poder: O PTB de 1945-65. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas Editora, 1996.

DELGADO, Lucília de Almeida Neves. PTB: Do getulismo ao reformismo, 1945-1964. São Paulo: Marco Zero, 1989.

FAUSTO, Boris. O pensamento nacionalista autoritário. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

______. A revolução de 1930: história e historiografia. São Paulo: Brasiliense, 1989.

______. Estado, classe trabalhadora e burguesia industrial, (1920/1945): uma revisão. In: Novos Estudos Cebrap, São Paulo, v. 20, p. 06-37, 1988.

______. Trabalho urbano e conflito industrial - 1890-1920. São Paulo: Difel, 1976.

FONSECA, Pedro Cézar Dutra. Instituições e política econômica: crise e crescimento no Brasil da década de 1930. In: BASTOS, Pedro Paulo Zahluth; FONSECA, Pedro Cézar Dutra (Orgs.). A Era Vargas. Desenvolvimento, economia e sociedade. São Paulo: Editora UNESP, 2012. p. 159-178.

FRENCH, John D. Afogados em leis: A CLT e a cultura política dos trabalhadores brasileiros. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

GOMES, Ângela de Castro; SILVA, Fernando Teixeira da (Org.). A Justiça do Trabalho e sua História. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

______. Autoritarismo e corporativismo no Brasil: intelectuais e a construção do mito Vargas. In: PINTO, António Costa; MARTINHO, Francisco Carlos Palomanes (Orgs.). O corporativismo em português. Estado, política e sociedade no salazarismo e no varguismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 79-207.

______. O Ministério da Revolução de 1964: previdência e assistência sociais no governo Geisel. In: CASTRO, Celso; D´ARAÚJO, Maria Celina (Orgs.). Dossiê Geisel. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002a. 121-148.

______. A escola republicana: entre luzes e sombras. In: GOMES, Ângela de Castro; PANDOLFI, Dulce Chaves; ALBERTI, Verena (Orgs.). A República no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: CPDOC, 2002b. p. 384-437.

______. (Org.). Capanema: o ministro e seu ministério. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.

______. Ideologia e trabalho no Estado Novo. In: PANDOLFI, Dulce (Org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999. p. 53-72.

______. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

______. República, trabalho e cidadania. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas/CPDOC, 1991.

______. Burguesia e trabalho: Política e legislação social no Brasil, 1917-1937. Rio de Janeiro: Campus, 1979. p. 199-252.

HIPÓLITO, Lúcia. PSD: de raposas e reformistas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

KORNIS, Mônica. VIANA, Segadas. Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas/CPDOC. CD-Room.

LAMOUNIER, Bolívar. Formação de um pensamento político autoritário na Primeira República: uma interpretação. In: FAUSTO, Boris (Org.). História geral da civilização brasileira. São Paulo: Difel, 1985. Tomo III. Vol. 2. p. 343-374.

MARCANTE, Carolina. As centrais sindicais e o neocorporativismo à brasileira. Revista Estudos Políticos. Laboratório de Estudos Hum(e)anos (UFF); Núcleo de Estudos em Teoria Política (UFRJ). Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 267-287, dez. 2014.

MARTINHO, Francisco Carlos Palomanes. O imigrante português no mundo do trabalho, nos movimentos sociais e nas organizações sociais do Rio. In: LESSA, Carlos (Org.). Os Lusíadas na aventura do Rio moderno. Rio de Janeiro: Record/FAPERJ, 2002. p. 199-240.

Publicado
2016-04-09
Como Citar
Martinho, F. C. P. (2016). Elites políticas e intelectuais e o Ministério do Trabalho – 1931/1945. Estudos Ibero-Americanos, 42(2), 454-470. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2016.2.22508
Seção
Dossiê: Corporativismo histórico no Brasil e na Europa