Os primórdios do movimento sufragista no Brasil: o feminismo “pátrio” de Leolinda Figueiredo Daltro

  • Mônica Karawejczyk Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Leolinda Figueiredo Daltro. Movimento sufragista. Primeira República.

Resumo

Esse artigo pretende elucidar a participação de Leolinda Figueiredo Daltro, na luta em prol do sufrágio feminino no Brasil, de modo a destacar a sua importância para a primeira fase do movimento sufragista. A atuação de Daltro, nas primeiras décadas do século XX, fez com que a questão da emancipação política feminina voltasse a ser um tema debatido pela sociedade da época. Assim o objetivo central desse texto é conhecer uma das personagens/protagonistas que fez parte da luta em prol do sufrágio feminino no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Karawejczyk, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutora em História pela UFRGS. Mestre pela PUCRS. Atualmente bolsista da Fundação Biblioteca Nacional.

Referências

ABREU, Maria Emilia Vieira de. Professora Leolinda Daltro: Uma proposta de catequese laica para os indígenas do Brasil: 1895-1911. 2007. 101 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

ABREU, Maria Zina Gonçalves de. Luta das Mulheres pelo Direito de Voto. Movimentos sufragistas na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos. Arquipélago – Revista da Universidade dos Açores, Ponto Delgada, 2ª série, VI, 2002.

ANNAES da Câmara dos Deputados. Sessões de 2 a 31 de julho de 1917. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1918. Vol. III.

ANNAES do Senado Federal. Sessões de 18 de abril a 31 de maio de 1921. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1922. Vol. I.

ALVES, Branca Moreira. Ideologia e feminismo. A luta da mulher pelo voto no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1980.

BARBOSA, Rui. A questão social e política no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1983.

BOLETIM ELEITORAL, Estados Unidos do Brasil, ano III, Rio de Janeiro, 13 de junho de 1934.

COELHO, Mariana. A evolução do feminismo. Subsídios para a sua história. 2. ed. Curitiba: Imprensa Oficial do Paraná, 2002.

DIÁRIO DO CONGRESSO NACIONAL. 18 de dezembro de 1919.

DIÁRIO OFICIAL. 17 de dezembro de 1910.

FUNDO da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino. Consultado no Arquivo Nacional, Rio de Janeiro.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HAHNER, June E. Emancipação do Sexo Feminino. A luta pelos direitos da mulher no Brasil, 1850-1940. Florianópolis: Ed. Mulheres; Santa Cruz: EDUNISC, 2003.

LOBO, Yolanda. Bertha Lutz. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

MARQUES, Teresa Cristina de Novaes. Elas também desejam participar da vida pública: várias formas de participação política feminina entre 1850 e 1932. Gênero, Niterói, v. 4, n. 2, p. 149-169, 1 sem. 2004.

MELO, Hilda Pereira de; MARQUES, Teresa Novaes. Partido Republicano Feminino – A construção da cidadania feminina no Rio de Janeiro. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru: EDUSC, 2005.

PINTO, Céli Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.

PUGH, Martin. The March of the Women. A revisionist analysis of the campaign for women’s suffrage, 1866-1914. London: Oxford University Press, 1999.

ROCHA, Elaine Pereira. Entre a pena e a espada: a trajetória de Leolinda Daltro (1859 – 1935) – patriotismo, indigenismo e feminismo. 2002. 335 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

ROWBOTHAM, Sheila. A Century of Women. The History of Women in Britain and the United States. London: Viking, 1997.

SCHUMAHER, Shuma, BRAZIL, Érico Vital (Org.). Dicionário Mulheres do Brasil: de 1500 até a atualidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

SCOTT, Joan W. Género e historia. México: FCE, Universidad Autónoma de la Ciudad de México, 2008.

SCOTT, Joan Wallach. A cidadã paradoxal. As feministas francesas e os direitos do homem. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2002.

SOIHET, Rachel. Zombaria como arma antifeminista: instrumento conservador entre libertários. In: Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 591-611, set.-dez. 2005.

SOIHET, Rachel. O feminismo tático de Bertha Lutz. Florianópolis: Ed. Mulheres; Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006.

SOUZA, Esmeraldino. Bertha Lutz na visão de um técnico aprendiz. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 413-419, jan.-abr. 2003.

STRANSELL, Christine. The feminist promise: 1792 to the present. New York: Modern Library, 2010.

VERJUS, Anne. Voto familiarista e voto familiar. Contribuição para o estudo do processo de individualização das mulheres na primeira metade do século XIX. In: CANEDO, Letícia Bicalho (Org.). O sufrágio universal e a invenção democrática. São Paulo: Estação Liberdade, 2005.

Publicado
2014-12-17
Como Citar
Karawejczyk, M. (2014). Os primórdios do movimento sufragista no Brasil: o feminismo “pátrio” de Leolinda Figueiredo Daltro. Estudos Ibero-Americanos, 40(1), 64-84. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2014.1.15391
Seção
Artigos