Entre presenças e escritos: reverberações da viagem de Marinetti em 1926 na América Latina

  • Rosemary Fritsch Brum UFRGS
Palavras-chave: Marinetti, Futurismo, Vanguardas, Modernismo, Performance

Resumo

O texto reflete sobre as viagens de Filippo Tomaso Marinetti à América do Sul, em duas oportunidades, em 1926 e em 1936. Destaca-se a contribuição do futurismo italiano através do seu criador, para um vasto campo da produção artística, literária e até arquitetônica para o continente. Enfrenta-se, ainda que brevemente, a controvérsia sobre a recepção do movimento e o diálogo com as vanguardas latino-americanas. O modernismo e a polêmica recepção brasileira mais a perspectiva platina (Argentina e Uruguai) foram contemplados por comentaristas e pesquisadores que refletem a diversidade de avaliação sobre essas viagens e a recepção artística, intelectual e ideológica do movimento. Por hipótese, partem todos da dimensão histórica, uma vez que quando dessas tournées na Sudamerica,o ímpeto do movimento já havia chegado ao fim em meados da Primeira Guerra Mundial. À medida que o morticínio mecanizado tragava a Europa, tornava-se difícil sustentar o culto à máquina. Ao longo das décadas de 1920 e 1930, a segunda geração de futuristas tentou estender a ideologia e a prática futuristas à instalação, à cenografia teatral, às artes gráficas e à publicidade, alcançando algum sucesso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosemary Fritsch Brum, UFRGS
Doutora em História (PUCRS), Mestre em Sociologia (UFRGS), Socióloga do Núcleo de Pesquisa em História do IFCH/UFRGS. Agradecimentos à pesquisa realizada por Katy Rosane Siqueira.
Publicado
2012-12-31
Como Citar
Brum, R. F. (2012). Entre presenças e escritos: reverberações da viagem de Marinetti em 1926 na América Latina. Estudos Ibero-Americanos. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2012.s.12461