Relações Públicas e Complexidade: o Mito no Discurso Organizacional do SBT

  • Fernanda Lopes de Freitas

Resumo

Nesta monografia, estudaremos as Relações Públicas através da Complexidade dos Discursos Organizacionais dos Mitos no SBT, em níveis verbal e não-verbal. Teremos o Paradigma da Complexidade, como método, o qual nos permitirá constituir um grande mosaico de conhecimento. Para tanto, a Transdiciplinaridade, assume um papel importante, ao passo que nos possibilitará emergir com os mais diversos saberes, necessários para compreender as relações as quais estamos inseridos mas, sobretudo, ao viver Organizacional. A Semiologia de Barthes será a técnica utilizada em uma pesquisa Semiológica Qualitativa, através da qual podemos fazer a leitura das Discursividades Organizacionais em questão. A fim de delimitar e ao mesmo tempo aprofundar nosso estudo, elegemos categorias a priori, como peças centrais de nosso mosaico, que são elas: Comunicação, de Morin, e sua subcategoria Estereótipo, fundamentada por Barthes; Relações Públicas, de Simões articuladas, por Marca, de Semprini, Públicos, de Rabaça e Organização, de Morin; Poder, Mito e Socioleto, categorias fundamentadas por Barthes. A posteriori, encontramos: Repetição, de Barthes; e Cultura Organizacional, de Oliveira. Com base nas nossas escolhas teóricas e metodológicas, buscaremos compreender e explicar a complexidade das relações Míticas nas Organizações, tendo como foco principal a análise do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão) através de sua Discursividade Organizacional em níveis verbal e não- verbal, que serão feitas através do estudo das peças institucionais selecionadas.
Publicado
2009-10-20
Como Citar
Freitas, F. L. de. (2009). Relações Públicas e Complexidade: o Mito no Discurso Organizacional do SBT. Revista Da Graduação, 2(2). Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/graduacao/article/view/6015
Seção
Ciências Socias