Educação não-formal: trabalhando em uma educação diferenciada

  • Thatielle Demski Martins
  • Viviane Goldoni
  • Monica Bertoni dos Santos

Resumo

O presente trabalho apresenta uma instituição como modelo de educação não-formal e uma metodologia diferenciada para o ensino e a aprendizagem de Matemática. Relata as experiências de ensino, por nós vivenciadas, nas disciplinas de Projetos e Estágio IV, cursadas nos últimos semestres do Curso de Licenciatura Plena da Faculdade de Matemática (FAMAT) da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), ao ministrar módulos de matemática a um grupo de adolescentes da referida instituição. Tais experiências, realizadas com o acompanhamento da professora orientadora, aconteceram em um ambiente de educação não-formal, o que nos fez pesquisar, compreender e diferenciar, educação formal, informal e não-formal. Para desenvolver a atividade, buscamos diferentes metodologias para o ensino de matemática, tendo em vista o tipo de aluno, o local e o horário em que elas se desenvolveriam, optando por oficinas pedagógicas, tema que também foi investigado. Apresentamos ainda, a análise dos dados coletados a partir dos instrumentos respondidos pelo grupo de alunos ao avaliar as atividades realizadas e pelos monitores, nossos colegas da FAMAT, que as observaram. Concluímos a validade do trabalho com oficinas pedagógicas, em especial quando se trata de educação não-formal.
Como Citar
Martins, T. D., Goldoni, V., & Santos, M. B. dos. (2009). Educação não-formal: trabalhando em uma educação diferenciada. Revista Da Graduação, 2(2). Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/graduacao/article/view/5969
Seção
Ciências Exatas