Etnografia de práticas de serviço social: fenomenologia, holismo e poder / Ethnography of social service practices: phenomenology, holism and power

  • Telmo Humberto Lapa Caria Departamento de Economia, Sociologia e Gestão, UTAD - Universidade de Trás-os-Montes / CIIE - Centro de Investigação e Intervenção Educativas da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto
  • Octávio José Rio do Sacramento Departamento de Economia, Sociologia e Gestão, UTAD - Universidade de Trás-os-Montes / CETRAD - Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento
  • Pedro Gabriel Silva Departamento de Economia, Sociologia e Gestão, UTAD - Universidade de Trás-os-Montes / CETRAD - Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento
Palavras-chave: Etnografias profissionais, Holismo, Fenomenologia, Poder, Serviço Social

Resumo

Com base numa etnografia realizada profissionais de Serviço Social em diversos serviços de protecção social e de desenvolvimento social local no norte de Portugal, o artigo propõe uma reflexão crítica sobre os limites do holismo etnográfico e evidencia  as possibilidades da abordagem fenomenológica, considerando para tal os processos intersubjectivos e de poder inerentes à compreensão cultural. O acompanhamento destas profissionais no terreno, em contextos de trabalho, permitiu-nos compreender, a partir de uma perspectiva fenomenológica, como as mesmas constroem, mobilizam e recontextualizam o saber profissional no decurso das práticas e interacções dos seus quotidianos laborais. Por outro lado, mostrou-nos como as dinâmicas interaccionais entre quem faz a etnografia e os sujeitos sob observação fomentam processos de reflexão e de compreensão entre estes últimos que se entrecruzam com incrementos de estatuto e poder, não só no quadro da relação etnográfica, mas também no âmbito das relações com demais actores da ecologia profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMENDOEIRA, J. A formação em enfermagem: que conhecimentos? que contextos? Um estudo etno-sociológico. 1999. Dissertação (Mestrado) – FCSHUL, Lisboa.

BAUMAN, Z. Liquid modernity. Cambridge: Polity Press, 2000.

BECK, U.; BECK-GERNSHEIM, E. Individualization. London: Sage, 2002.

CARIA, T. H. A Cultura profissional dos professores: o uso do conhecimento em contexto de trabalho na conjuntura da reforma educativa dos anos 90. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.

______. Saber Profissional. Coimbra: Almedina, 2005.

______. A mobilização de conhecimento em situação de trabalho profissional", In: V. Fartes e R. G. S. Maria (Eds.), Currículo, Formação e Saberes Profissionais: a revalorização epistemológica da experiência. Salvador: Editora EDUFBA, p. 126-148, 2010.

______. Perspetivar a intervenção social: reflexões e dados sobre o trabalho Profissional e o uso do método etnográfico no terceiro sector", In: P. G. Silva, O. Sacramento e J. Portela (Eds.), Etnografia e Intervenção Social. Lisboa: Colibri, p. 271-296, 2011.

______. O trabalho profissional burocrático: modelo de análise sobre a profissionalização do trabalho social em organizações do sector não lucrativo em Portugal. Dados, revista de Ciências Sociais, vol. 56, no 4, p. 803-839, 2013.

______. O uso do método etnográfico no estudo do trabalho e do conhecimento profissionais". In: L. Torres e J. Palhares (Eds.), Metodologias de Investigação em Ciências Sociais da Educação. Famalicão: Húmus, p. 39-64, 2014.

CARIA, T. H.; PEREIRA, F. Aplicação do modelo de análise do trabalho profissional burocrático ao trabalho social no terceiro sector", In: T. H. Caria e F. Pereira (Eds.), O Trabalho Social Profissional No Terceiro Sector. Viseu, Psicosoma, p. 63-95, 2014ª.

CARIA, T. H.; PEREIRA, F. O trabalho social profissional no terceiro sector. Viseu: Psicosoma, 2014b.

CARIA, T. H. e PEREIRA, F. Social work like as a bureaucratic professional labour: an empirical analysis In non-profit organizations in northern Portugal. European Journal of Social Work, vol. 19, no 1, p. 120-139, 2016.

CARIA, T. H.; PEREIRA F. (Eds), Saber profissional em Serviço Social: uma perspetiva etnográfico-situacional. Viseu, Psicosoma, 2017.

CLIFFORD, J. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

______. Fieldwork, reciprocity, and the making of ethnographic texts: the example of Maurice Leenhardt. Man, v. 15, n. 3, p.518-532, 1980. https://doi.org/10.2307/2801348.

CLIFFORD, J.; MARCUS, G. (Eds.). Writing culture: the poetics and politics of ethnography. Berkeley: California University Press, 1986.

CSORDAS, T. Embodiment as a paradigm for anthropology. Ethos, v. 18, n. 1, p.5-47, 1990. https://doi.org/10.1525/eth.1990.18.1.02a00010.

DESJARLAIS, R.; THROOP, C. J. Phenomenological approaches in anthropology. Annual Revue of Anthropology, n. 40, p.87-102, 2011. https://doi.org/10.1146/annurev-anthro-092010-153345.

DODIER, N. Les appuis conventionnels de l’action: éléments de pragmatique sociologique. Réseaux, n. 62, p.63-95, 1993. https://doi.org/10.3406/reso.1993.2574.

DURANTI, A. Husserl, intersubjectivity and anthropology. Anthropological Theory, n. 10, p.16-35, 2010. https://doi.org/10.1177/1463499610370517.

FABIAN, J. Memory against culture: arguments and reminders. Durham: Duke University Press, 2007.

FARTES, V. A recontextualização do conhecimento profissional no trabalho de controladores de processos na indústria petrolífera e de gás do Brasil. In: CARVALHO, T.; SANTIAGO, R.; CARIA, T. H. (Eds.). Profissionalismo e sociedade do conhecimento: tendências, problemas e perspectivas. Porto: Afrontamento, 2012. p.81-96.

FILIPE, J. P. Narratividade, reflexividade e legitimidade em educação especial. In: CARIA, T. H. (Org.). Saber profissional. Coimbra: Almedina, 2005. p.93-139.

GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

GRANJA, B. Identidade e saber dos Assistentes Sociais. 2008. Tese (Doutoramento) - Instituto de Ciências Biomédicas, Universidade do Porto, Porto.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2007.

HALLOWELL, A. Culture and experience. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1955. https://doi.org/10.9783/9781512816600.

HANNERZ, U. Being there... and there... and there! Reflections on multi-site ethnography. Ethnography, n. 4, p.201-216, 2003. https://doi.org/10.1177/14661381030042003.

HENRY, R. Confronting ethnographic holism: field site or field of sociality? Canberra Anthropology, v. 22, n. 2, p.51-61, 1999. https://doi.org/10.1080/03149099909508348.

HUSSERL, E. Ideas pertaining to a pure phenomenology and to a phenomenological philosophy: studies in the phenomenology of constitution. Dordrecht: Kluwer Academic, 1989. https://doi.org/10.1007/978-94-009-2233-4.

______. Ideas: general introduction to pure phenomenology. Oxon and New York: Routledge, 2012.

JACKSON, M. (Ed.). Things as they are: new directions in phenomenological anthropology. Bloomington: Indiana University Press, 1996.

KANT, I. Crítica da razão pura. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1989.

LASH, S. La reflexividad y sus dobles: estructura, estética, comunidad. In: BECK, U.; GIDDENS, A.; LASH, S., Modernización reflexiva: política, tradición y estética en el orden social moderno. Madrid: Alianza, 2001. p.137-207.

LEHN, D.; HITZLER, R. Phenomenology-based ethnography: introduction to the special Issue. Journal of Contemporary Ethnography, v. 44, n. 5, p.539-543, 2015. https://doi.org/10.1177/0891241615595436.

LOPES, D. Números em foco: sobre a gestão de risco no sector da banca de retalho. In: CARIA, T. H.; FARTES, V.; LOPES, A. Saber e formação no trabalho profissional relacional. Salvador: Edufba, 2013. p.99-116.

LOUREIRO, A. O trabalho e o saber dos profissionais-técnicos de educação e formação de adultos. In: CARIA, T. H. (Org.). Saber profissional. Coimbra: Almedina, 2005. p.169-196.

LUFT, S. Husserl’s theory of the phenomenological reduction: between life-world and cartesianism. Research in Phenomenology, n. 34, p.198-234, 2004. https://doi.org/10.1163/1569164042404518.

MALINOWSKI, B. Argonauts of the western pacific. Londres: Routledge, 2002. https://doi.org/10.4324/9780203421260.

MARCUS, G. Au-delà de Malinovky et après writing culture: à propos du futur de l’anthopologie culturelle et du malaise de l’ethnographie. Ethnographiques, n. 1, 2002. Disponível em: <http://www.ethnographiques.org/2002/> Acesso em: Abril 2002.

______. Ethnography in/of the world system: the emergence of multi-sited ethnography. Annual Revue of Anthropology, n. 24, p.95-117, 1995.

MARCUS, G.; CUSHMAN, D. Ethnographies as texts. Annual Revue of Anthropology, n. 11, p.25-69, 1982. https://doi.org/10.1146/annurev.an.11.100182.000325.

MERLEAU-PONTY, M. Phénoménologie de la perception. Paris: Gallimard, 1945.

MONTES, V. A. Os saberes profissionais do guia de turismo em situação de trabalho. 2013. Tese (Doutoramento) - Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, Salvador.

OTTO, T.; BUBANDT, N. (Eds.). Experiments in holism: theory and practice in contemporary anthropology. Chichester-Oxford: Wiley-Blackwell, 2010. https://doi.org/10.1002/9781444324426.

PEREIRA, F. Os saberes profissionais-técnicos em associações e cooperativas agrárias. In: CARIA, T. H. (Org.). Saber profissional. Coimbra: Almedina, 2005. p.141-167.

PINK, S.; MORGAN, J. Short-term ethnography: intense routes to knowing. Symbolic Interaction, v. 36, n. 3, p.351-361, 2013. https://doi.org/10.1002/symb.66.

QUÉRÉ, L. La cogntion comme action incarnée. In: PHARO, P.; BOUVIER, A.; BORZEIX, A. Sociologie et connaissances. Paris: CNRS Editions, 1998. p.143-164.

QUÉRÉ, L.; SCHOCH, C. The still neglected situation? Réseaux, v. 6, n. 2, p.223-253, 1998. https://doi.org/10.3406/reso.1998.3344.

RABINOW, P. Discourse and power: on the limits of ethnographic texts. Dialectical Anthropology, v. 10, n. 1-2, p.1-13, 1985. https://doi.org/10.1007/BF00244246.

RAMOS, M. O estudo dos saberes profissionais na perspectiva etnográfica: contribuições teórico-metodológicas. Educação em Revista, v. 30, n. 4, p.105-125, 2014. https://doi.org/10.1590/S0102-46982014000400006.

SANTOS, A. Q. Itinerâncias rizoéticas: saberes e formação docente na educação profissional e tecnológica, 2012. Tese (Doutoramento) - Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

SCHUTZ, A. The problem of social reality. The Hague: Martinus Nijhoff, 1962.

THORNTON, R. The rhetoric of ethnographic holism. Cultural Anthropology, v. 3, n. 3, p.285-303, 1988. https://doi.org/10.1525/can.1988.3.3.02a00050.

TUFFORD, L. Bracketing in qualitative research. Qualitative Social Work, v. 11, n. 1, p.80-96, 2012. https://doi.org/10.1177/1473325010368316.

TURNER, V.; BRUNER, E. (Eds.). The anthropology of experience. Urbana-Champaign: University of Illinois Press, 1986.

WEBER, M. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: UNB, 1991.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Caria, T. H. L., Sacramento, O. J. R. do, & Silva, P. G. (2018). Etnografia de práticas de serviço social: fenomenologia, holismo e poder / Ethnography of social service practices: phenomenology, holism and power. Textos & Contextos (Porto Alegre), 17(2), 292 - 304. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2018.2.29974
Seção
Serviço Social, Trabalho e Formação