Acompanhamento de egressos como instrumento de gestão / Follow-up of alumni as a management tool

  • Maria Carlota de Rezende Coelho EMESCAM
  • Janine Pereira da Silva EMESCAM
Palavras-chave: Educação de pós-graduação. Avaliação institucional. Egresso.

Resumo

O objetivo do artigo é propor uma ferramenta para acompanhamento de egressos como instrumento de gestão. Trata-se de estudo exploratório, de abordagem quanti-qualitativa, com egressos de um Programa de Mestrado em Vitória, ES, Brasil. Para obtenção dos dados utilizou-se questionário eletrônico. Entre os participantes, houve predomínio do sexo feminino e faixa etária de 31 a 40 anos. Metade dos egressos publicou dados relativos ao mestrado e 14% cursam ou cursaram o doutorado. Ademais, 43% são membros de instituição vinculada à sociedade civil e 18% declararam identificação com algum partido político. Identificou-se, ainda, que os valores que o Mestrado agregou à vida profissional dos egressos estão em consonância com os objetivos propostos pelo Programa. Portanto, esta ferramenta configurou-se como importante instrumento para acompanhamento de egressos e ocasionou, por consequência, melhorias no processo de gestão do Programa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Carlota de Rezende Coelho, EMESCAM
Doutora em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery - Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011). Mestre em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery - Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007). Especialista Gestão Hospitalar pela Universisdade Estadual de Campinas - UNICAMP. Fez reisdência em cardiologia na Universisade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ. Grauação em Enfermagem pela Universidade Federal do Espírito Santo (1979). Atualmente é professora adjunta da Escola de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória do Ciursos de Graduação em Enfermagem e do Mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local. Enfermeira aposentada do Hospital Cassiano Antônio de Moraes da Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Professora voluntária do Mestrado em Enfermagem da UFES. Linha de pesquisa: trabalho, saúde do trabalhador, enfermagem e os movimentos sociais, entidades de classe da enfermagem na dinâmica social e política. (Texto informado pelo autor)
Janine Pereira da Silva, EMESCAM
Doutora em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Bolsista PROFIX D (Edital FAPES Nº 009/2014) vinculada ao Mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM), Vitória – ES/Brasil.

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal.

BRASIL. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 jun. 2013. Seção 1, p. 59.

BRUSCHINI, C.; LOMBARDI, M.R. O trabalho da mulher brasileira nos primeiros anos da década de 90. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 10, 1996, Caxambu. Anais... Belo Horizonte: ABEP, v. 1, 1996.

CASTRO, M. G. Marxismo, feminismo e feminismo marxista – mais que um gênero em tempos neoliberais. Crítica Marxista, São Paulo, Boitempo, v.1, n. 11, p. 98-108, 2000.

DA SILVA, A. C.; MAGALHÃES, C. A. R. A relação pedagógica na pós-graduação e a formação do profissional. Revista da Educação, v. 11, n. 12, 2008.

EMESCAM. Regimento Interno do Mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local. Vitória – ES, 2017. Disponível em: <http://www.emescam.br/arquivos/documentos/ regimento/Regimento_MESTRADO.pdf>. Acesso em: 01 ago. 2017.

EVANS, J. R.; MATHUR, A. The value of online surveys. Internet Res, v. 15. n. 2, p. 195-219, 2005. <https://doi.org/10.1108/10662240510590360>.

GOHN, M.G. Sociedade civil no Brasil: movimentos sociais e ONGs. Meta: Avaliação. Rio de Janeiro, v. 5, n. 14, p. 238-253, maio /ago. 2013

HORTALE, V. A.; MOREIRA, C. O. F.; BOCHNER, R.; LEA L, M. do C. Trajetória profissional de egressos de cursos de doutorado nas áreas da saúde e biociências. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 48, n. 1, p. 1-9, 2014. <https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048004629>. PMCid:PMC4206114.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Características étnico-raciais da população: classificações e identidades. Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

LIGUORI, Guido; VOZA, Pasquale (Orgs.). Dicionário Gramsciano (1926-1937). Tradução Ana Maria Chiarini, Diego Silveira Coelho Ferreira, Leonardo de Oliveira Galastri e Silva De Bernardins. Revisão Técnica Marco Aurélio Nogueira. 1.ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

MACCARI, E.A.; DOS SANTOS TEIXEIRA, G. C. Estratégia e planejamento de projeto para acompanhamento de alunos egressos de programas de pós-graduação stricto sensu. Revista de Administração da UFSM, v. 7, n. 1, p. 101-116, 2014. <https://doi.org/10.5902/1983465910385>.

PANOSSO, G. H. Marketing educacional: influenciadores no processo decisório do aluno prospect na escolha por uma instituição de ensino superior. 2016. 162 f.: il. 29 cm. Dissertação (Mestrado) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Campus Ijuí). Desenvolvimento. Ijuí, 2016.

PRATES, J. C. Formar para além do mercado e para o uso substantivo do instrumental do trabalho. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 01-06, jan. /jun. 2013.

REGO, I. J.; JÚNIOR, L.C. M. Pós-graduação lato senso e stricto senso: direito fundamental à educação capaz de conduzir a um relevante e renovado inovador Brasil do futuro. Revista Direitos Sociais e Políticas Públicas, Bebedouro, São Paulo, v. 3, n. 1, 2015.

SILVA, F.P. Padrões de participação em governos de esquerda na América Latina: Brasil e Venezuela em perspectiva comparada. DADOS - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 59, n.3, p. 651-681, 2016.

SILVA, I. C.; DE FARIAS, L.A; SANTOS, W. Pós-graduação e produção científica: a hegemonia da teoria do capital humano e as demandas do setor produtivo. Filosofia e Educação, v. 8, n. 3, 2016.

SPAGNOLO, F.; GUNTHER, H. Vinte anos de pós-graduação: o que fazem nossos mestres e doutores? Uma visão geral. Cienc. Cultura, v. 38, n. 10, p. 1643-62, 1986.

YÁZIGI, E. Deixe sua estrela brilhar. Criatividade nas ciências humanas e no planejamento. São Paulo: CNPq/Plêiade, 2005.

Publicado
2017-12-29
Como Citar
Coelho, M. C. de R., & da Silva, J. P. (2017). Acompanhamento de egressos como instrumento de gestão / Follow-up of alumni as a management tool. Textos & Contextos (Porto Alegre), 16(2), 470-478. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2017.2.29514
Seção
Formação Pós-Graduada e Estratégias de Gestão