O lugar das juventudes nas produções científicas da Estratégia Saúde da Família: uma revisão sistemática de literatura

Palavras-chave: Juventudes. Estratégia Saúde da Família. Políticas públicas.

Resumo

As juventudes têm se configurado, nos últimos anos, como um campo fértil de discussão, produção e intervenção em diversas áreas. Ao mesmo tempo em que despertam interesse crescente nos debates públicos, nas intervenções institucionais e nas investigações acadêmicas, observa-se que há um campo de disputas em torno desse segmento. Nesse contexto de maior visibilidade e dizibilidade de problemáticas relativas a essa categoria social no cenário contemporâneo, buscaremos analisar a forma como a categoria juventude tem sido tratada nas produções sobre Estratégia de Saúde da Família (ESF) a partir de uma revisão sistemática de literatura. A revisão se operacionalizou por meio da Biblioteca Virtual em Saúde Brasil (BVS Brasil), devido à sua proposta de reunir bases de dados da área da saúde, possibilitando visibilidade e abrangência das temáticas investigadas. Buscou-se, por meio dessa revisão, desenhar um diagrama das tramas de saber-poder em torno das juventudes no campo da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Fernando de Souza Benício, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE

Mestre e Doutorando em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará (PPGP/UFC), Fortaleza, CE, Brasil.

João Paulo Pereira Barros, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE

Doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará (PPGE/UFC), Fortaleza, CE, Brasil. Professor e Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade do Ceará (PPGP/UFC), Fortaleza, CE, Brasil.

James Ferreira Moura Junior, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE

Doutor em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGP/UFRGS), Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará (PPGP/UFC), Fortaleza, CE, Brasil.

Referências

ABRAMO, H. W. Considerações sobre a tematização social da juventude no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 5, n. 6, p. 25-36, 1997.

ACCORSSI, A.; SCARPARO, H.; GUARESCHI, P. A naturalização da pobreza: reflexões sobre a formação do pensamento social. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 24, n. 3, p. 536-546, 2012. https://doi.org/10.1590/S0102-71822012000300007

BENICIO, L. F.; BARROS, J. P. P. Estratégia Saúde da Família e Violência Urbana: abordagens e práticas sociais em questão. SANARE-Revista de Políticas Públicas, Sobral, CE, v. 16, n. 1, p. 102-112, 2017.

BRASIL, E. G. M. et al. Estabelecimento de vínculo com a mãe adolescente: vislumbrando o cuidado à criança Bond. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 4601-4608, 2016. https://doi.org/10.9789/2175-5361.2016.v8i3.4601-4608

CAPONI, S. A saúde como abertura ao risco. In: CZERESNIA, D. (org). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2009. p. 55-77.

CASTEL, R. A gestão dos riscos. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1987.

COELHO, M. M. F. et al. Condições de produção do discurso de enfermeiros na prática educativa com adolescentes Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 9-14, 2015. https://doi.org/10.12957/reuerj.2015.9618

COIMBRA, C.; BOCCO, F.; NASCIMENTO, M. L. Subvertendo o conceito de adolescência. Arquivos brasileiros de psicologia, Rio de Janeiro, v. 57, n. 1, p. 2-11, 2005.

COIMBRA, C.; NASCIMENTO, M. L. A Produção de crianças e jovens perigosos: a quem interessa. CEDECA, Direitos humanos não tem idade. Rio de janeiro, v. 20, p. 1-11, 2008.

COIMBRA, C.; NASCIMENTO, M. L. Ser jovem, ser pobre é ser perigoso. Jovenes: Revista de Estudios sobre Juventud, Espanha, v. 9, n. 22, p. 338-355, 2005.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Editora Brasiliense, 1986.

DIOGENES, G.; SA, L. Juventude e segurança pública: dissonâncias e ressonâncias. In: PAPA, F.C.; FREITAS, M.V. Juventudes em pauta: políticas públicas no Brasil. São Paulo: Peirópolis, 2011. p. 119.

EVANGELISTA, C. B.; BARBIERI, M.; SILVA, P. L. N. Gravidez não planejada e fatores associados à participação em programa de planejamento familiar. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, Rio de Janeiro, p. 2464-2474. 2015.

FERREIRA NETO, J. L; KIND, L. Promoção da saúde: uma discussão teórico-metodológica com base em Foucault. In: FERREIRA NETO, J .L; KIND, L (org). Promoção da saúde: práticas grupais na Estratégia Saúde da Família. São Paulo: HUCITEC; Belo Horizonte: FAPEMING, 2011. p. 23- 53.

FORTALEZA. Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza. Homicídios de crianças e adolescentes de 10 a 19 anos em Fortaleza: análise epidemiológica e espacial 2000-2016. Fortaleza: SMSF, 2016.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. [S. l.: s. n.], 2015.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2008.

FOUCAULT, M. A história da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1988.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

GABATZ, R. I. B. et al. Percepção dos usuários de crack em relação ao uso e tratamento. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 34, n. 1, p. 140-146, 2013. https://doi.org/10.1590/S1983-14472013000100018

LEMOS, F. C. S.; SCHEINVAR, E.; NASCIMENTO, M. L. Uma análise do acontecimento “crianças e jovens em risco”. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 26 n. 1, p. 158-164, 2014. https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000100017

LYRA, J.; SOBRINHO, A. Políticas públicas de juventude. In: PAPA, F. C.; FREITAS, M. V. (org.). Juventudes em pauta: políticas públicas no Brasil. São Paulo: Peirópolis, 2011. p. [1-37].

MOURA JR., J. F.; XIMENES, V. M. A identidade social estigmatizada de pobre: uma constituição opressora. Fractais: Revista de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, p. 76-83, 2016. https://doi.org/10.1590/1984-0292/1051

MOURA JR., J. F.; XIMENES, V. M.; SARRIERA, J. C. A construção opressora da pobreza no Brasil e suas consequências no psiquismo. Quaderns de Psicologia, v.16, n. 2, p. 85-93. 2014. https://doi.org/10.5565/rev/qpsicologia.1174

PAIVA, I. L.; OLIVEIRA, I. F. Juventude, violência e políticas sociais: da criminalização à efetivação de direitos humanos. In: SCISLESKI, A.; GUARESCHI, N. (Org.). Juventude, marginalidade social e direitos humanos: da psicologia às políticas públicas. Porta Alegre: EDIPUCRS, 2015. p. 41-54.

SANTIAGO, L. M. et al. Implantação do Programa Saúde na escola em Fortaleza-CE: atuação de equipe da Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, v. 65, n. 6, p. 1026-1029, dez. 2012. https://doi.org/10.1590/S0034-71672012000600020

VAVASSORI, M. B.; TONELI, M. J. F. Constitutional Amendments to Lower the Age of Criminal Responsibility: Brazilian Youth on a Knife Edge? Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, DF, v. 35, n. 4, p. 1188-1205, 2015. https://doi.org/10.1590/1982-3703001732014

VETTORE, M. V.; MARQUES, R. A. A.; PERES, M. A. Desigualdades sociais e doença periodontal no estudo SBBrasil 2010: abordagem multinível. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 47, n. 3, p. 29-39, 2013.

VICENTIN, M. C. Sobre como inverter o sentido de riscos em tempos de prevenção-segurança: a saúde como intercessor. In: KASTRUP, V; MACHADO, A. M. (org). Movimentos micropolíticos em saúde: formação e reabilitação. Curitiba: CRV, 2016. p. 11-18. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004422

ZOLTOWSKI, A. P. C. et al. Qualidade metodológica das revisões sistemáticas em periódicos de psicologia brasileiros. Psicologia: teoria e Pesquisa, v. 30, n. 1, p. 97-104, 2014. https://doi.org/10.1590/S0102-37722014000100012

Publicado
2019-10-29
Como Citar
Benício, L. F. de S., Barros, J. P. P., & Junior, J. F. M. (2019). O lugar das juventudes nas produções científicas da Estratégia Saúde da Família: uma revisão sistemática de literatura. Textos & Contextos (Porto Alegre), 18(1), 121-134. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2019.1.29301
Seção
Seguridade Social e Políticas Públicas