MARIA, MARIA: concepções sobre ser mulher em situação de rua

Palavras-chave: Mulher. Sem-teto. Violência. Maternidade.

Resumo

Este estudo investigou as concepções de mulheres em situação de rua em Porto Alegre, RS, Brasil, sobre ser mulher nesse contexto. Trata-se de um estudo exploratório de cunho qualitativo descritivo, tendo os dados submetidos à Análise Temática. Participaram da pesquisa seis mulheres em situação de rua e o instrumento utilizado foi uma entrevista semiestruturada elaborada pelas pesquisadoras. Foi constatado que as principais concepções sobre ser mulher referem-se às violências as quais estão submetidas devido ao gênero e à impossibilidade de exercerem a maternidade da forma idealizada. Dentre as violências vivenciadas, são denunciados casos de abusos físicos, verbais e sexuais, sendo provindos de cônjuges, ex-companheiros, desconhecidos ou instituições protetivas, como a polícia local. Além disso, foi observado o sofrimento das entrevistadas por estarem afastadas de seus filhos, bem como os esforços realizados para reverter tal situação. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iulla Portillo Sanchotene, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, RS
Psicóloga (2017) pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Pós-graduanda em Trabalho Social  com Famílias e Comunidades pelo DOMUS – Centro de Terapia de Casal e Família. Porto Alegre, RS, Brasil.
Clarissa De Antoni, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, RS
Doutora em Psicologia do Desenvolvimento (2017) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e  Mestre em Psicologia (2000). É Professora Associada I da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e  de Cursos de Residência Multiprofissional. Porto Alegre, RS, Brasil.
Aline Assmann Ruas Munhós, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, RS
Psicóloga pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Residente em Saúde Mental Coletiva pela  Escola de Saúde Pública do RS (ESP-RS) (pós-graduação em Serviço Social). Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

ABOIM, S. Do público e do privado: uma perspectiva de género sobre uma dicotomia moderna. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 95-117, jan./abr. 2012. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2012000100006

ALCANTARA, S. C.; ABREU, D. P.; FARIAS, A. A. Pessoas em Situação de Rua: das Trajetórias de Exclusão Social aos Processos Emancipatórios de Formação de Consciência, Identidade e Sentimento de Pertença. Revista Colombiana de Psicología, Bogotá, v. 24, n. 1, p. 129-143, 2014. https://doi.org/10.15446/rcp.v24n1.40659

AMANCIO, G. R.; FRAGA, T. L.; RODRIGUES, C. T. Análise da efetividade da Lei Maria da Penha e dos Conselhos Municipais da Mulher no combate à violência doméstica e familiar no Brasil. Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 15, n. 1, p. 171-183, jan./jul. 2016. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2016.1.22222

ARAUJO, M. F. Gênero e violência contra a mulher: o perigoso jogo de poder e dominação. Psicologia para América Latina, México, n. 14, [1-8], out. 2008.

BANDEIRA, L. M. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 29, n. 2, p. 449-469, ago. 2014. https://doi.org/10.1590/S0102-69922014000200008

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: 1: Fatos e Mitos. 12. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1949.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília-DF: Casa civil, 1990.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Secretaria Nacional de Assistência Social. Rua: aprendendo a contar: Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua. Brasília, DF: MDSCF, 2009.

BRAUN, V.; CLARKE, V. Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Pshychology, London, v. 3, p. 77-101, 2006. https://doi.org/10.1191/1478088706qp063oa

CARVALHO, C. F. L. L. Violência contra a Mulher e a Aplicação da Lei Maria da Penha: Análise de Constitucionalidade sob a Ótica do Princípio de Igualdade de Gênero. 2010. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) – Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais, Centro Universitário de Brasília. Brasília, DF, 2010.

CARVALHO, L. As causas dos transtornos Mentais. In: SANTANA, C. L. A.; ROSA, A. S. (org.). Saúde Mental das Pessoas em Situação de Rua: Conceitos e Práticas para Profissionais da Assistência Social. São Paulo: UNESCO, 2016. p. 64-67.

CIAMPA, A. C. Identidade. In: LANE, S. T. M.; CODO, W. (org.). Psicologia social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, 1984. p. 58-75.

CORTIZO, M. C.; GOYENECHE, P. L. Judiciarização do privado e violência contra a mulher. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 13, n 1, p. 102-109, jan./jun. 2010. https://doi.org/10.1590/S1414-49802010000100012

COSTA, A. A. Gênero, poder e empoderamento das mulheres. In: SEMINÁRIO DE APROFUNDAMENTO DO TRABALHO COM GÊNERO NO PRÓ-GAVIÃO, Vitória da Conquista. [Anais] [...]. Vitória da Conquista: NEIM/REDOR, 2008. p. 1-9.

CORREA, S.; PETCHESKY, R. Direitos Sexuais e Reprodutivos: uma Perspectiva Feminista. PHYSYS: Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v 6, n. 1/2, p. 147-177, 1996. https://doi.org/10.1590/S0103-73311996000100008

COVA, A. História da Maternidade: Em que ponto estamos? Cadernos de História, Belo Horizonte, v. 12, n. 16, p. 163-185, 1. sem. 2014.

DAMATTA, R. A Casa & a Rua: Espaço, Cidadania, Mulher e Morte no Brasil. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1987.

DE ANTONI, C.; ASSMANN, A. M. As Violências Institucional e Estrutural Vivenciadas por Moradoras de Rua. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 21, n. 4, p. 641-651, out./dez. 2016. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v21i4.31840

FARIAS, V. C. C. Possibilidades de inserção/reinserção produtiva dos moradores de rua no município de Porto Alegre. 2007. 139 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

FASC/PMPA/UFRGS. Estudos Quanti-Qualitativos População em Situação de Rua de Porto Alegre. Porto Alegre: Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 2016.

FERRAZ, S. M. T.; MACHADO, B. A. (2014). Eu não tenho onde morar, é por isso que eu moro na rua. Os “sem-teto”: moradores ou transgressores? Cadernos Metrópole, São Paulo, v. 16, n. 32, p. 609-623, nov. 2014 . https://doi.org/10.1590/ 2236-9996.2014-3214

FILGUEIRAS, C. A. C. Exclusão, risco e vulnerabilidade: desafios para a política social. In: CARNEIRO, Carla Bronzo Ladeira; COSTA, B. L. D. Gestão social: o que há de novo? Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 2004. p. 25-34.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GREGORI, M. F. Cenas e Queixas: Um Estudo sobre Mulheres, Relações Violentas e a Prática Feminista. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

HASLAM, N.; LOUGHNAN, S. Dehumanization and infrahumanization. Annual Review of Psychology, Palo alto, v. 65, p. 399-423, 2014. https://doi.org/10.1146/annurev-psych-010213-115045

KERGOAT, D. Dinâmica e Consusbtancialidade das Relações Sociais, Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 86, p. 92-103, mar. 2010. https://doi.org/10.1590/S0101-33002010000100005

KIMURA, A. F. A. construção da personagem mãe: construções teóricas sobre identidade e papel materno. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 339-343, 1997. https://doi.org/10.1590/S0080-62341997 000200013

MACEDO FILHO, Renato. Onde Mora a Cidadania? Visibilizando a Participação das Mulheres no Movimento Sem Teto: Salvador/BA. 2010. 238 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

MARQUES, T. M. Violência Conjugal: Estudo sobre a Permanência da Mulher em Relacionamentos Abusivos. 2005. 303 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlância, 2005.

MATTOS, R. M.; FERREIRA, R. F. Quem Vocês Pensam que (elas) são?: Representações sobre as Pessoas em Situação de Rua. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 47-58, maio/ag. 2004. https://doi.org/10.1590/S010271822004000200007

MINAYO, M. C. S. Conceitos, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal a saúde individual e coletiva. In: SOUZA, E. R. (org.). Impactos da Violência na Saúde. Rio de Janeiro: EAD/ENSP, 2010. p. 14-35.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E CIDADANIA (Brasil). Ligue 180: Central de Atendimento a Mulher: Balanço 1º semestre de 2016. [Brasília, DF]: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2016.

MONTEIRO, F. K. V.; ALMEIDA, L. P. A Exclusão Social de Mulheres Moradoras de Rua: Questões de Gênero e Políticas Sociais. In: SILVA, P. C. (org.). Territorio(s), género, trabajo y políticas públicas en América Latina. São Paulo: Provocare, 2017. p. 117-129.

NASCIMENTO, B. S. Atitudes Frente à Violência Contra a Mulher: O papel dos Valores e da Desumanização da Mulher. 2015. 211 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

NOVAES, E. D. Entre o público e privado: O papel da mulher nos movimentos sociais e a conquista de direitos no decorrer da história. História e Cultura, Franca, SP, v. 4, n. 3, p. 50-66, dez. 2015. https://doi.org/10.18223/hiscult.v4i3.1691

NUNES, S. A. Afinal, o que querem as mulheres? Maternidade e Mal Estar. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 101-115, 2011. https://doi.org/10.1590/S0103-56652011000200007

OLIVEIRA, A. F.; PELLOSO, S. M. (2004). Paradoxo e Conflitos frente ao Direito de Ser Mulher. Acta Scientiarum. Health Sciences, Maringá, v. 26, n. 2, p. 279-286, 2004. https://doi.org/10.4025/actascihealthsci.v26i2.1578

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Genebra: OMS; 2002.

PAUGAM, S. O. enfraquecimento e a ruptura dos vínculos sociais. In: SAWARA, B. (Org.). As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 67-86.

PRATES, J. C.; PRATES, F. C.; MACHADO, S. Populações em Situação de Rua: Os Processos de Exclusão e Inclusão Precária Vivenciados por esse Segmento. Temporalis, Brasília, DF, n. 22, p. 191-215, 2011.

QUIROGA, J.; NOVO, M. Elas da Rua: População em Situação de Rua e a Questão de Gênero. In: CUNHA, J. V. Q. da; RODRIGUES, Mônica. (org.). Rua: Aprendendo a Contar. Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua. Brasília, DF: Brasil, 2009. p. [155-188].

ROSA, A. S.; BRETAS, A. C. P. A violência na vida das mulheres em situação de rua na cidade de São Paulo, Brasil. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, SP, v. 19, n. 53, p. 275-285, 2005. https://doi.org/10.1590/180757622014.0221

ROSILENY R. L. et al. Violência Sexual contra a Mulher: Contribuições para a Enfermagem. Acc Cietna: Para el cuidado de la salud, Chiclayo, v. 3, n. 1, p. 4-13, 2016. https://doi.org/10.35383/cietna.v3i1.51

RUBIN, R. Maternal identity and the maternal experience. New York: Springer, 1984. https://doi.org/10.1097/00000446198412000-00030

RUDMAN, L. A.; MESCHER, K. Of animals and objects men’s implicit dehumanization of women and likelihood of sexual aggression. Personality and Social Psychology Bulletin, Thousand Oaks, CA, v. 38, n. 6, p. 734-46, June 2012. https://doi. org/10.1177/0146167212436401

SAFIOTTI, H. I. B. Gênero, Patriarcado e Violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SANTI, L. N.; NAKANO, A. M. S.; LETTIERE, A. Percepção de Mulheres em Situação de Violência Sobre o Suporte e Apoio Recebido em seu Contexto Social. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 19, n. 3, v. 19, n. 3, p. 417-424, set. 2010. https://doi.org/10.1590/S0104-07072010000300002

SCAVONE, L. A maternidade e o feminismo: diálogo com as ciências sociais. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 137-150, 2001. https://doi.org/10.1590/S0104-83332001000100008

SCOTT, Joan. Gênero: uma Categoria Útil de Análise Histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.

SILVA, C. A Desigualdade Imposta pelos Papéis de Homem e Mulher: uma Possibilidade de Construção da Igualdade de Gênero. Revista Direito em Foco, n. 5, p. 1-9, mar. 2012.

SILVA, F. C. A Lei Maria da Penha e o Feminismo da Diferença. Gênero & Direito, João Pessoa, v. 2, p. 148-157, 2º sem. 2014.

SMITH, N. Contornos de uma política espacializada: veículos dos sem-teto e produção de escala geográfica. In: ARANTES, A. (org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. p. 133-175.

SOUZA M. R. R. de et al. Gênero, violência e viver na rua: vivências de mulheres que fazem uso problemático de drogas. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 37, n. 3, p. [1-9] 2016. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.03.59876

TIENE, I. Mulher moradora na rua: entre vivências e políticas sociais. Campinas: Alínea; 2004.

TOSTA, T. L. D. Memória das ruas, memórias da exclusão. In: BURSZTYN, M. (org.). No meio da rua: nômades excluídos e viradores. Rio de Janeiro: Garamond, 2000. p. 201-229.

UFRGS. Relatório Final de pesquisa Cadastro de Adultos em Situação de Rua e Estudo do Mundo da População Adulta em Situação de Rua de Porto Alegre/RS. Porto Alegre: UFRGS/LABORS, 2008.

VASQUEZ, G. Maternidade e Feminismo: Notas sobre uma Relação Plural. Revista Trilhas da História, Três Lagoas, v. 3, n. 6, p. 167-181, jan./jun. 2014.

Publicado
2019-10-29
Como Citar
Sanchotene, I. P., De Antoni, C., & Munhós, A. A. R. (2019). MARIA, MARIA: concepções sobre ser mulher em situação de rua. Textos & Contextos (Porto Alegre), 18(1), 146-160. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2019.1.29297
Seção
Crise, Desigualdades e Violências