Teoria social e compreensão da realidade social para uma práxis revolucionária / Social theory and understanding of social reality for a revolutionary praxis

  • Joana Valente Santana UFPA
  • Benedito de Jesus Pinheiro Ferreira UFPA
Palavras-chave: Teoria social. Ciências sociais. Produção do conhecimento

Resumo

Este artigo apresenta uma discussão sobre os conceitos fundamentais e o contexto de emergência histórica da teoria social marxiana, no período de constituição da sociedade moderna. Como contraponto, discute-se a constituição e o caráter das “ciências sociais”, particularmente da sua vertente positivista, que por um processo de segmentação da análise da sociedade acaba por se afastar das possibilidades de apreensão, para além do nível fenomênico, da essência dos processos sociais, na perspectiva de uma totalidade articulada e historicamente constituída. O estudo, baseado em pesquisa bibliográfica, ratifica que o método marxiano articula-se profundamente a um projeto de transformação revolucionária da sociedade, que não prescinde do conhecimento, cientificamente fundado da vida social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joana Valente Santana, UFPA
Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Federal do Pará (1992), mestrado em Planejamento do Desenvolvimento pela Universidade Federal do Pará (1997) e doutorado em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2006). Atualmente é Professora Associada II da Universidade Federal do Pará. Tem experiência na área de Serviço Social, com ênfase na questão urbana, atuando principalmente nos seguintes temas: política urbana, organizaçao comunitária, política de habitação, financiamento de bancos multilaterais a políticas urbanas nacionais e municipais. Pós Doutorado na Universidad de Buenos Aires (Argentina) no Centro de Investigaciones Habitat y Municipio, Facultad de Arquitectura, Diseño y Urbanismo. Bolsista Produtividade em Pesquisa PQ, nível 2.
Benedito de Jesus Pinheiro Ferreira, UFPA
Graduação em Tecnólogo em Proc. de Dados pela UFPA (1990), mestrado em Computação pela UFRGS (1993), doutorado em Engenharia de Computação pela COPPE/UFRJ (2003) e pós-doutorado no Programa de Pós-graduação em Educação Escolar da UNESP de Araraquara. Atualmente é professor Titular da Universidade Federal do Pará. Realiza pesquisas nas áreas marxismo e educação, teorias pedagógicas e pedagogia histórico-crítica.

Referências

COUTINHO, Carlos Nelson. O estruturalismo e a miséria da razão. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1974. 286p.

De PAULA, João A. A produção do conhecimento em Marx. Cadernos ABESS, n. 05. São Paulo: Cortez, 1992.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ENGELS, Friedrich. Anti-Dühring: a revolução da ciência segundo o Sr. Eugen Dühring. São Paulo: Boitempo. 2015.

FERNANDES, Florestan (Org.) Marx e Engels. São Paulo: Ática, 1989.

GORENDER, Jacob. Introdução: o nascimento do materialismo histórico. In: MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade do serviço social. São Paulo: Cortez, 1999.

HOBSBAWN, Eric. Era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. 598 p.

Horkheimer, M. Teoria tradicional e teoria crítica. In: BENJAMIM, W. et al. Textos escolhidos. São Paulo, Abril, 1975. (Coleção Os Pensadores)

IANNI, Octávio. A tentação metodológica. In: A sociologia e o mundo moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011a. p. 35-49.

IANNI, Octávio. Positivismo e dialética. In: A sociologia e o mundo moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011b. p. 99-119.

______. Construção da categoria. Revista HISTEDBR On-line, Campinas/SP, v. 11, n. 41e (número especial), p. 397-416, abr. 2011c.

KAMEYAMA, Nobuco. Concepção de teoria e metodologia. Cadernos ABESS, n. 3. São Paulo: Cortez, 1995.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

LUKÁCS, Georg. Marx e o problema da decadência ideológica. In: LUKÁCS, G. Marxismo e teoria da literatura. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1968.

______. O que é o marxismo ortodoxo? In: LUKÁCS, G. História e consciência de classe. Porto, Escorpião, 1974.

______. Ontologia do ser social: os princípios ontológicos fundamentais de Marx. São Paulo: Livraria Ciências Humanas, 1979.

______. As bases ontológicas do pensamento e da atividade do homem. In: NÚCLEO DE ESTUDOS E APROFUNDAMENTO MARXISTA. Caderno Ontologia social, formação profissional e política. São Paulo. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, n. 1, maio 1997.

MARKUS, Gyorgy. Teoria do conhecimento no jovem Marx. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: livro I. 27. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2010. 571p. v.1.

______. Contribuição à crítica da economia política. Tradução e Introdução Florestan Fernandes. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008. 288 p.

______. A miséria da filosofia. São Paulo: Global. Coleção Bases, n.46, 2.ed., 1989.

______. A questão judaica. São Paulo: Moraes, 1991.

______; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo. 2007. 614 p.

______. Discurso no aniversário de "The People's Paper" – Proferido em Londres a 14 de abril de 1856. Disponível em https://www.marxists.org/portugues/marx/1856/04/14.htm. Acesso em: 16 set. 2016.

NETTO, José Paulo. O serviço social e a tradição marxista. Serviço Social e Sociedade, São Paulo: Cortez, ano X, n.30, abr. 1989.

______. Método y teoría en las diferentes matrices del Servicio Social. In: BORGIANNI, E; MONTAÑO, C. (Orgs.). Metodologia y servicio social. São Paulo: Cortez, 2000.

______. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão popular, 2011. 64 p.

ROUANET, S. P. Mal-estar na modernidade. São Paulo: Cia. das letras, 1993.

VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. Filosofia da práxis. São Paulo: Expressão popular, 2007.488 p.

Publicado
2016-12-19
Como Citar
Santana, J. V., & Ferreira, B. de J. P. (2016). Teoria social e compreensão da realidade social para uma práxis revolucionária / Social theory and understanding of social reality for a revolutionary praxis. Textos & Contextos (Porto Alegre), 15(2), 275 - 292. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2016.2.25411
Seção
Serviço Social e Teoria Marxista