Uma Promessa Civilizatória Perversa: as políticas públicas e juventudes na era neodesenvolvimentista / A Promise Civilizing Perverse: the public and youth policy in the new developmentalism age

  • Giovane Antonio Scherer PUCRS
  • Beatriz Gershenson PUCRS
Palavras-chave: Juventudes. Políticas Públicas. (Des)proteção Social.

Resumo

O presente artigo apresenta o contexto de (des)proteção social vivenciado pelas juventudes brasileiras, revelando as principais expressões da questão social que impactam nesse segmento social. Por meio de uma retomada histórica, contextualiza a constituição das juventudes como sujeito de direitos, considerando a implementação das Políticas Públicas para as Juventudes no Brasil. Por fim, analisa os programas e projetos governamentais voltados para os jovens brasileiros, revelando um discurso fetichizado presente nas políticas públicas: ao reduzir a perspectiva da garantia de direitos à qualificação do jovem para o mundo do trabalho, na direção de uma promessa civilizatória, fomenta um perverso ideário de que o contexto de violação de direitos juvenis pode ser enfrentado pela qualificação profissional da juventude pobre. Aponta-se, como desafio civilizatório persistente, a luta premente por políticas de juventude de caráter universal, na perspectiva da materialização de direitos humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovane Antonio Scherer, PUCRS
Assistente Social. Possui mestrado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2010). Doutorado em Serviço Social pela FSS/PUCRS (2015). Atualmente é professor na Faculdade de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e da Universidade Luterana do Brasil. É pesquisador associado ao Grupo de Estudos e Pesquisas em Ética e Direitos Humanos da FSS/PUCRS e do Observatório Juventudes da PUCRS. Tem experiência na área de Serviço Social, atuando principalmente nos seguintes temas: juventudes, arte, direitos humanos, políticas públicas, seguranças.

Referências

ABRAMOVAY, M; ANDRADE, E; ESTEVES, L (Orgs.). Juventudes: outros olhares sobre a diversidade. Brasília, 2009.

ALVES, G. Dimensões da precarização do trabalho: ensaio de sociologia do trabalho. Bauru/SP: Práxis, 2013.

_____. Trabalho, juventude e precariedade: Brasil e Portugal. Bauru/SP: Práxis, 2012.

ANDRADE, E. R; NETO, M. F. Juventudes e trajetórias escolares: conquistando o direito à educação. In: ABRAMOVAY, M; ANDRADE, E; ESTEVES, L (Orgs.). Juventudes: outros olhares sobre a diversidade. Brasília, 2009.

BRASIL. Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Estatuto da Juventude. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm. Acesso em: jun. 2014.

_____. Secretaria Nacional de Juventude – SNJ. Agenda Juventude Brasil: pesquisa nacional do perfil e opinião dos jovens brasileiros, 2013. Brasília, nov. 2013. Disponível em: http://www.juventude.gov.br/noticias/arquivos/pesquisa-atualizada-16-01-2013. Acesso em: maio 2014.

BEHRING, Elaine. Fundamentos de política social. In: MOTA, Ana E; BRAVO Maria I et al (Orgs.) Serviço social e saúde: trabalho e formação profissional. Disponível em: http://www.fnepas.org.br/pdf/servico_social_saude/inicio.htm. Acesso em: jan. 2016.

CARDOSO, A. Juventudes desnorteadas e gerações perdidas: dinâmicas do mercado de trabalho brasileiro. In: ALVES, Giovanni; ESTANQUE, Elisio (Orgs.). Trabalho, juventude e precariedade: Brasil e Portugal. Bauru/SP: Práxis, 2012.

CASTRO, A. O novo desenvolvimentismo e a nova face das políticas compensatórias. Revista de Políticas Públicas, São Luiz, v. 17, n. 2, p. 362-366, jul./dez. 2013.

FERNANDES, I. Diversidade, direitos humanos na perspectiva marxiana. In: BELLO, Enzo (Org.). Direito e marxismo: as novas tendências da América Latina. Caxias do Sul, 2014.

GONZALEZ, Roberto. Políticas de emprego para jovens: entrar no mercado de trabalho é a saída? In: CASTRO, Jorge Abraão de; AQUINO, Luseni Maria de; ANDRADE, Carla Coelho (Orgs.). Juventudes e políticas sociais no Brasil. Brasília: IPEA, 2009.

IAMAMOTO, M. V. Serviço social em tempos de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo, 2010. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: maio 2014.

_____. Pesquisa Mensal de Emprego. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?indicador=1&id_pesquisa=38. Acesso em: ago. 2015.

LÉPORE, P. E; RAMIDOFF M. L; ROSSATO, L. A. Estatuto da Juventude Comentado - Lei n. 12.852/13. São Paulo: Saraiva, 2014.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Trabalho decente e juventude: Brasil. 1.ed. Lima, 2009. Disponível em: http://www.oitbrasil.org.br/sites/default/files/topic/youth_employment/pub/trabalho_decente_juventude_brasil_252.pdf. Acesso em: maio 2014.

ORGANIZAÇÃO IBERO-AMERICANA DE JUVENTUDE – OIJ. El futuro ya llegó - 1º Encuesta Iberoamerica de Juventudes, 2013. Disponível em: http://www.oij.org/file_upload/publicationsItems/document/201307191639%2051_42.pdf. Acesso em: jun. 2014.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Global employment trends for youth 2013: a generation at risk. International Labour Office, Geneva, 2013. Disponível em: http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/dgreports/dcomm/documents/publication/wcms_212725.pdf. Acesso em maio 2014.

PEREIRA, K. Y. L; TEIXEIRA, S. M. Redes e intersetorialidade nas políticas sociais: reflexões sobre sua concepção na política de assistência social. Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 12, n. 1, p. 114-127, jan./jun. 2013.

Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/fass/ojs/index.php/fass/article/view/12990/9619. Acesso em: jul. 2014.

SAMPAIO JR, P. A. Desenvolvimentismo e neodesenvolvimentismo: tragédia e farsa. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 112, p. 672-688, out./dez. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n112/04.pdf. Acesso em: jan. 2015.

SCHERER, G. A. Serviço social e arte: juventudes e direitos humanos em cena. São Paulo: Cortez, 2013.

SILVA, E. R. A; ANDRADE, C. C. A política nacional de juventude: avanços e dificuldades. In: CASTRO, J A; AQUINO, L. M; ANDRADE, C. C. (Orgs.). Juventude e política social no Brasil. Brasília: IPEA, 2009.

STANDING, G. O precariado e a luta de classes. Revista Crítica de Ciências Sociais, n.103, p. 9-24, 2014. Disponível em http://rccs.revues.org/5521. Acesso em: abr. 2015.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2013: homicídios e juventude no Brasil. Secretaria Nacional de Juventude. Brasília, 2013. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2013/mapa2013_ homicidios_juventude.pdf. Acesso em: maio 2014.

_____. Mapa da violência 2013: mortes matadas por arma de fogo. Centro de Estudos Latino-Americanos, 2013. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2013/MapaViolencia2013_armas.pdf. Acesso em: mar. 2014.

YAZBEK, M. C. Classes subalternas e assistência social. São Paulo: Cortez, 1993.

Publicado
2016-06-06
Como Citar
Scherer, G. A., & Gershenson, B. (2016). Uma Promessa Civilizatória Perversa: as políticas públicas e juventudes na era neodesenvolvimentista / A Promise Civilizing Perverse: the public and youth policy in the new developmentalism age. Textos & Contextos (Porto Alegre), 15(1), 160-170. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2016.1.24230
Seção
Direitos humanos e direito à informação