Origem e relação do trabalho com o ser humano e as limitações do trabalho na prisão / Origin and work relationship with human being and labor limitations in prison

  • Rafaelle Lopes Souza UFMG
  • Marina Aparecida Pimenta da Cruz Correa PUC MINAS
Palavras-chave: Trabalho. Lei de Execução Penal. Ressocialização. Trabalho prisional.

Resumo

O presente trabalho se propõe a analisar a origem e a relação do trabalho com o homem, elucidando a realização do trabalho prisional e os entraves para seu funcionamento, a fim de conciliar as diretrizes da Lei de Execução Penal que estabelece o trabalho como forma de (re) socialização na prisão à realidade apresentada àqueles que cumprem pena restritiva de liberdade. Considerando a categoria trabalho como determinante na vida humana ao longo da história, relegando status de homem trabalhador valorizado pela sociedade, a identidade profissional acaba, muitas vezes, confundida com o próprio indivíduo no meio social. Portanto, torna-se necessário pensar no lugar que o trabalho ocupa na vida do homem, sobretudo de pessoas que passaram pelo sistema prisional, uma vez que a identidade do sujeito se atrela, geralmente, ao trabalho que exerce no meio social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaelle Lopes Souza, UFMG
Graduação em Serviço Social pela UFF. Especialização em Projetos Sociais pela UFMG. Mestardo em Sociologia pela UFMG. Doutoranda em Sociologia pela UFMG
Marina Aparecida Pimenta da Cruz Correa, PUC MINAS
Graduação em Direito pela FUMEC. Mestrado em Direito do Trabalho pela PUC MINAS. Atualmente é Gestora Social do Centro de Prevençao a Criminalidade de Santa Luzia.

Referências

ALVIM, Rui Carlos Barbosa. O trabalho penitenciário e os direitos sociais. São Paulo: Atlas, 1991.

ANTUNES, Ricardo L.C. Crise capitalista contemporânea e as transformações no mundo do trabalho. São Paulo, 1999. Disponível em: http://www1.univap.br/~gpaiva/Pol_arquivos/POL-03.htm. Acesso em: 28 fev. 2015.

ANTUNES, Ricardo L. C. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 6. ed. São Paulo: Boitempo, 2002.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho. Ensaio sobre a metamorfose e centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez/Campinas: Ed. Unicamp, 1997.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação. Rio de Janeiro: Moderna,1996.

BRASIL. Lei 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Diário Oficial da União, 13 jul. 1984.

LEAL, César Barros. Prisão: crepúsculo de uma nova era. 2.ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

CABRAL, Luisa Rocha; SILVA, Juliana Leite. O trabalho penitenciário e a ressocialização do preso no Brasil. Revista do CAAP. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, jan.-jun. 2010. Disponível em: http://www2.direito.ufmg.br/revistadocaap/index.php/revista/article/view/277/274. Acesso em: 12 mar. 2015.

CARNOY, Martin. Mundialização e reforma da educação: o que os planejadores devem saber. UNESCO, 2002.

COSTURANDO a liberdade: o negócio da bola – Detentos de quatro presídios de Minas Gerais trabalham na confecção e bolas de futebol. Empresas reduzem o custo, estado abate as despesas do sistema e o preso ganha uma nova chance. Estado de Minas, 18 maio 2014.

DALLAGO, C. S. T. Relações de trabalho e modo de produção capitalista. In: SEMINÁRIO DE SAÚDE DO TRABALHADOR DE FRANCA. Anais eletrônicos. Unesp Franca, 2010. Disponível em: http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000112010000100001&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 10 jan. 2015.

DELGADO, Maurício Godinho; PORTO, Lorena Vasconcelos. O estado do bem-estar social do século XXI. Revista LTr, São Paulo, v. 71, n. 10, p. 1159-1153, 2007.

DEJOURS, Christophe. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Oboré, 1991.

DEFOE, Daniel. As aventuras de Robison Crusoé. São Paulo: Companhia de Letras, 2005.

FRANCO, Maria Laura P. Barbosa. Possibilidades e limites do trabalho enquanto princípio educativo. Caderno de Pesquisa, São Paulo, n. 68, p. 29-37, 1989.

SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. A fúria. Revista LTR, São Paulo, v. 66, n. 11, p. 1287-1309, 2002.

MARX, K. O capital. V. I, tomo 1. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

MENDES, Ana Magnólia Bezerra. Aspectos psicodinâmicos da relação homem-trabalho: as contribuições de C. Dejours. Revista Psicologia: Ciência e Profissão, v. 15, n. 1-3, 1995.

MORIN, Estelle M. Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas [online], v.41, n.3, p.08-19, 2001.

NADER, Paulo. Introdução ao estudo do direito. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

PONTIERI, Alexandre. Brasil Trabalho do preso. ADITAL. Disponível em: http://site.adital.com.br/site/noticia.php?lang=PT&cod=39787. Acesso em: 04 jan. 2015.

SÁ, Geraldo Ribeiro de. A prisão dos excluídos. Origem e reflexões sobre a pena privativa de liberdade. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 1996.

ZAVATTARO, H.A; BENZONI, P.E. A relação do homem com o trabalho e as organizações. São Paulo, UNIP, 2013.

Publicado
2016-05-23
Como Citar
Souza, R. L., & Correa, M. A. P. da C. (2016). Origem e relação do trabalho com o ser humano e as limitações do trabalho na prisão / Origin and work relationship with human being and labor limitations in prison. Textos & Contextos (Porto Alegre), 15(1), 126-143. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2016.1.22831
Seção
Saúde e Trabalho