Planejamento Familiar: gênero e significados / Family Planning: gender and significance

  • Rebeca Viana Ferreira Universidade Federal de Pernembuco
  • Mônica Rodrigues Costa Universidade Federal de Pernambuco
  • Delâine Cavalcanti Santana de Melo Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Planejamento Familiar, Direitos Reprodutivos, Gênero e Saúde.

Resumo

O planejamento familiar é um direito reprodutivo e sua efetivação possui interface com aspetos culturais, morais e envolve relações de gênero. Contudo o planejamento familiar encontra obstáculos a sua efetivação enquanto direito, o que suscitou o interesse de problematizar os fatores que permanecem como impeditivos a sua efetivação. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, cuja análise de dados foi realizada segundo o método dialético. Objetivou-se analisar os aspectos sociais e de gênero intervenientes à política de planejamento familiar. Foram realizadas entrevistas com dez puérperas na enfermaria obstétrica de um Hospital universitário em Pernambuco. Observou-se que as usuárias compreendem o planejamento familiar limitado ao uso de métodos contraceptivos, com prejuízo no diálogo em torno do planejamento, tanto no que se refere à comunicação do casal, como nos serviços de saúde, que apresentam fragilidades nas práticas desenvolvidas no campo da educação em saúde.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rebeca Viana Ferreira, Universidade Federal de Pernembuco
Assistente Social especialista em saúde da mulher pelo Programa de Residência Multiprofissional Integrada em Saúde do Hospital da Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco
Mônica Rodrigues Costa, Universidade Federal de Pernambuco
Doutora em Serviço Social, Docente do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco
Delâine Cavalcanti Santana de Melo, Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco
Doutora em Serviço Social, Assistente Social do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

ARAUJO, Tânia Maria; GODINHO, Tiana Mascarenhas; REIS, Eduardo J. F. B.; ALMEIDA, Maura Maria G. Diferenciais de gênero no trabalho docente e repercussões sobre a saúde. Ciência e Saúde Coletiva [online]. v.11, n.4, p. 1117-1129. 2006.

BADINTER, E. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. 370p.

BANDEIRA, L; MELO, H. P. O conflito entre reprodução e o desejo. Revista Gênero. Niterói, v. 11, n. 1, p. 239-254. 2010.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1980.

BRASIL. Lei nº 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Regula o § 7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9263.htm. Acesso em: 05/09/2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos anticoncepcionais. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos: uma prioridade do governo. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Assistência em Planejamento Familiar: Manual Técnico/Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica de Saúde da Mulher – 4ª edição – Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

CARDOSO, Felipe Monte; CAMPOS, Gastão Wagner de Souza. Reformas Neoliberais, Reforma Sanitária Brasileira e Fundações Estatais de Direito Privado: análise de documento da Fundação Estatal de Saúde da Família (FESF) - Bahia. Saúde debate [online]. v.37, n.97, p. 219-232. 2013.

CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa. Reforma política e sanitária: a sustentabilidade do SUS em questão?. Ciência e saúde coletiva [online]. v.12, n.2, p. 301-306. 2007.

COELHO, E. A. C. et al. O planejamento familiar no Brasil contexto das políticas de saúde: determinantes históricos. Revista da Escola de Enfermagem USP. v. 34, n. 1, p. 37-44. 2000.

COSTA, A. M. C; GUILHEM, D; SILVER, L. D. Planejamento familiar: a autonomia das mulheres sob questão. Revista Brasileira Saúde Materno Infantil. Recife, v. 6, n.1, p. 75-84. 2006.

FOUCAULT, Michel. A História da Sexualidade. 13ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999. 152p.

GAVILANES, H. A.; AGUIAR, N. Patriarcado e gênero na análise sociológica do fenômeno da violência conjugal/gênero. In: Souza, M. F. (org). Desigualdades de gênero no Brasil: novas ideias e práticas antigas. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2010. p. 91-110.

MATTAR, L.D.; DINIZ, C.S.G. Reproductive hierarchies: motherhood and inequalities in women’s exercising of human rights. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. v.16, n.40, p.107-19. 2012.

MINAYO, M.C.S. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 2.ed., São Paulo: Hucitec/ Abrasco, 1993.

NEGRÃO, T. Marcos da saúde das mulheres, dos direitos sexuais e direitos reprodutivos. Porto Alegre: Rede Feminista de Saúde, 2008. Disponível em: http://www.redesaude.org.br/portal/trilhas/docs/002.pdf . Acesso em: 16/08/2013

NEGRÃO, T. Uma Ação Sinérgica por Direitos Reprodutivos: uma história sem fim. Saúde e Sociedade. São Paulo, v. 21, p.164-176. 2012.

OKIN, Susan Moller. Gênero, o público e o privado. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.16, n.2. 2008. p.308.

OSIS, Maria José Duarte et al. Atenção ao planejamento familiar no Brasil hoje: reflexões sobre os resultados de uma pesquisa. Cadernos de Saúde Pública. v.22, n.11, p. 2481-2490. 2006.

PISCITELLI, Adriana. Reflexões em torno do gênero e feminismo. In: COSTA, Claudia de Lima; SCHMIDT, Simone Pereira (Orgs.). Poéticas e políticas feministas. Florianópolis: Editora Mulheres, 2004. p. 47.

ROCHA, Cristianne Maria Famer; DIAS, Sonia Ferreira; GAMA, Ana Filipa. Conhecimentos sobre o uso de contraceptivos e prevenção de DST: a percepção de mulheres imigrantes. Cadernos de Saúde Pública. v. 26, n.5, p. 1003-1012. 2010.

ROUDINESCO, E. A família em desordem. Rio de Janeiro: Jorge Jarah Editoresd, 2003. 93p.

SARTRE, Jean Paul. Questão do Método. São Paulo: Ed. Difusão Européia do Livro, 1967. p. 73-135.

SCOTT, Joan. Gender. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Recife: SOS Corpo e Cidadania, 1993. p. 28-52.

SILVA, Raimunda Magalhães da; ARAUJO, Kelly Nóbrega Cavalcante de; BASTOS, Lya Araújo Costa; MOURA, Escolástica Rejane Ferreira. Planejamento familiar: significado para mulheres em idade reprodutiva. Ciência e Saúde Coletiva. v.16, n.5, p. 2415-2424. 2011.

VARGAS, T. Pesquisa revela dados sobre parto e nascimento no Brasil. Escola Nacional de saúde pública Sérgio Arouca. Informe Ensp. Publicado em 27/02/2012. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/29584 . Acesso em: 05/02/2013.

VENTURA, M. Direitos Reprodutivos no Brasil. 3 ed. Brasília: UNFPA, 2009. 292p. Disponível em: http://www.unfpa.org.br/Arquivos/direitos_reprodutivos3.pdf. Acesso em: 16/08/2013.

VINHAS, A. P. L. B. Mitos da Maternidade: um estudo a partir do olhar sistêmico. Familiare Instituto Sistêmico. Monografia. Florianópolis, 2009. Disponível em: http://www.institutofamiliare.com.br/download_anexo/ana-paula-leao-batista-vinhas.pdf . Acesso em: 16/08/2013.

Publicado
2014-12-30
Como Citar
Ferreira, R. V., Costa, M. R., & de Melo, D. C. S. (2014). Planejamento Familiar: gênero e significados / Family Planning: gender and significance. Textos & Contextos (Porto Alegre), 13(2), 387 - 397. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2014.2.17277
Seção
Gênero, Saúde e Violência