[1]
R. A. Barberena, “A hipercontemporaneidade ensanguentada em Ana Paula Maia”, Let. Hoje (Online), vol. 51, nº 4, p. 458-465, dez. 2016.