Caio Fernando Abreu – cartas redescobertas: da memória adormecida à leitura genética

  • Marie-Hélène Passos PUCRS
Palavras-chave: Caio Fernando Abreu, Correspondência, Critica genética

Resumo

Este texto visa refletir sobre o papel que a correspondência pode ocupar no campo da critica genética, a partir de um exemplo específico: uma amostragem de cartas que o escritor Caio Fernando Abreu escreveu para sua amiga Vera Antoun, durante os primeiros anos da década de 1970. Quando e como uma carta pode se tornar documento de trabalho? O que uma carta pode revelar sobre o processo criativo de quem a escreve? São algumas dos pontos que procuro analisar.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como Citar
Passos, M.-H. (2011). Caio Fernando Abreu – cartas redescobertas: da memória adormecida à leitura genética. Letras De Hoje, 45(4). Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/8551
Seção
OS ESCRITORES E SEUS PAPÉIS: reflexões acerca do processo de criação