“Observações de uma cúmplice”

Análise dialógica do discurso autobiográfico de Svetlana Alexievich

Palavras-chave: Autobiografia, Autor, Memória, Identidade, Círculo de Bakhtin

Resumo

A memória nostálgica é evocada em resposta a um presente aflitivo e, assim, orienta o futuro do sujeito reminiscente. De efeito contundente na construção da identidade – coletiva e individual – a nostalgia se mostra especialmente profícua na sociedade russa. Algo que se reflete notavelmente nos relatos mnemônicos da obra O fim do homem soviético (2016), da jornalista e escritora bielorrussa Svetlana Alexievich. Na obra, a narrativa coletiva privilegiada no interior dos mitos e ideologias que regiam a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) dá espaço a uma miríade de tonalidades através dos relatos particulares. Tendo isso em vista, o objetivo deste estudo foi analisar o capítulo autobiográfico “Observações de uma cúmplice”, a partir da perspectiva da análise dialógica do discurso, com atenção especial ao modo como Alexievich se posiciona discursivamente como autora. Para tanto, desenvolveram-se conceitos do Círculo de Bakhtin e apoiou-se na ambientação ideológica soviética examinada em obras de Svetlana Boym e Orlando Figes. Constatou-se uma voz autoral que reconhece seu poder de construção histórica em diálogo profundo com a comunidade da qual fez e faz parte. A partir disso, por mais que se distanciasse para dar certo acabamento estético à sua personagem autobiográfica, a autora desenvolveu discursivamente sua identidade ao aproximar-se empaticamente do outro com quem compartilhou as expectativas e dores do vigor e queda do regime soviético.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alana Destri, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara, SP, Brasil.

Mestre em Letras pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), em Pato Branco, PR, Brasil; doutoranda em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Araraquara, SP, Brasil.

Renata Coelho Marchezan, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara, SP, Brasil.

Doutora em Linguística e Semiótica pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil; docente do Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Araraquara, SP, Brasil.

Referências

ALEKSIÉVITCH, S. O fim do homem soviético. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

ALEXIEVICH, S. Nobel Lecture: On the Battle Lost. 2015. Disponível em: https://www.nobelprize.org/prizes/literature/2015/alexievich/25408-nobel-lecture-2015/. Acesso em: 17 jun. 2020.

ALEXIEVICH, S. Svetlana Alexievich: “A História colectiva é uma grande mentira”. [Entrevista concedida a] Paulo Moura. Público, Lisboa, on-line, 27 abr. 2016. Disponível em: https://www.publico.pt/2016/04/27/culturaipsilon/noticia/svetlana-alexievich-a-historia-colectiva-e-uma-grande-mentira-1730225. Acesso em: 15 jun. 2020.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. 4. ed. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

BAKHTIN. M. O problema do conteúdo, do material e da forma na criação literária. In:

BAKHTIN. M. Questões de literatura e de estética. A teoria do romance. Trad. Aurora Fornoni Bernardini et al. São Paulo: Unesp, Hucitec, 1988. p. 13-210

BAKHTIN, M. O autor e a personagem na atividade estética. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2011a, p. 3-192.

BAKHTIN. M. O romance de educação e sua importância na história do realismo. In:

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011b. p.205-258.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra; notas da edição russa Serguei Botcharov. São Paulo: Editora 34, 2016.

BAKHTIN, M. Teoria do romance II: as formas do tempo e do cronotopo. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2018.

BAUMAN, Z. Retrotopia. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

BBC. Protesto contra o governo reúne dezenas de milhares na Rússia. BBC News, São Paulo, on-line, 10 dez. 2011. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2011/12/111210_russia_protestos_moscou_rw. Acesso em: 30 nov. 2020.

BOSI, E. O tempo vivo da memória: ensaios de Psicologia Social. 3. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BOYM, S. From the Russian soul to post-communist nostalgia. Representations, Califórnia - EUA, 49, p. 133-166, 1995. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/2928753. Acesso em: 17 jun. 2020.

BRAIT, B. Análise e teoria do discurso. In: BRAIT, B. Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006, p. 9-32.

BRAIT, B. Introdução. In: BRAIT, B. Bakhtin e o Círculo. São Paulo: Contexto, 2009, p. 9-12.

BRAIT, B. Discursos de resistência: do paratexto ao texto. Ou vice-versa? Alfa, São Paulo, v.63, n.2, p.243-263, 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/11452. Acesso em: 10 nov. 2020.

FIGES, O. Uma história cultural da Rússia. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2018.

LIMA, A. Procedimentos teórico-metodológicos de estudo de gênero discursivo: atividade e oralidade em foco. In: BRAIT, B.; MAGALHÃES, A. S. (orgs.). Dialogismo: teoria e(m) prática. 1. ed. São Paulo: Terracota Editora, 2014, p. 37-53.

AUTOR 2. X xxxx xx xxxxx xx xxx xx x xxxxx x x xxxx xxxx. Xxxxx, Xxx Xxxxx, v. x, n. x, p. xxx-xxx, set./dez. 2015. Disponível em: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Acesso em: 17 jun. 2020.

AUTOR 2. Xxx xxxxx xxxxxxx, xx Xxxxxx Xxxxxx, xx xxxxxxxx xxxxxxxx. Xxxxxx Xxxx XXxxx, v. xx, p. xxx-xxx, 2017. Disponível em: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Acesso em: 21 jan. 2020.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo, 2017.

NOBEL FOUNDATION. The Nobel Prize in Literature 2015: Svetlana Alexievich. 2015. Disponível em: https://www.nobelprize.org/prizes/literature/2015/summary/. Acesso em: 17 jun. 2020.

PULS, Mauricio. Contos de Varlam Chalámov subordinam a ética à estética. Folha, São Paulo, online, 14 out. 2016. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/10/1822668-contos-de-varlam-chalamov-subordinam-a-etica-a-estetica.shtml. Acesso em: 30 nov. 2020.

SABIÁ, S. Paratexto. Títulos, dedicatorias y epígrafes en algunas novelas mexicanas. Espéculo. Revista de estudios literários, Madrid, n. 31, 2005. Disponível em: https://webs.ucm.es/info/especulo/numero31/paratext.html. Acesso em: 10 nov. 2020.

SEDIKIDES, C.; WILDSCHUT, T.; STEPHAN, E. Nostalgia shapes and potentiates the future. In: FORGAS, J. P; BAUMEISTER, R. F. (orgs.). The social psychology of living well. Sydney – EUA: Psychology Press, 2018, p. 181-199. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/324939247_Nostalgia_Shapes_and_Potentiates_the_Future. Acesso em: 17 jun. 2019.

SEDIKIDES, C.; WILDSCHUT, T. Finding meaning in nostalgia. Review of General Psychology, Washington – EUA, v. 22, n. 1, p. 48-61, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1037/gpr0000109. Acesso em: 17 jun. 2020.

SEGRILLO, A. De Gorbachev a Putin: A Saga da Rússia do Socialismo ao Capitalismo. Curitiba: Prismas, 2014.

SEGRILLO, A. Os russos. São Paulo: Contexto: 2012.
Publicado
2021-12-31
Como Citar
Destri, A., & Marchezan, R. C. . (2021). “Observações de uma cúmplice”: Análise dialógica do discurso autobiográfico de Svetlana Alexievich . Letras De Hoje, 56(3), 711-725. https://doi.org/10.15448/7726.2021.2.40332
Seção
Dossiê: Estudos Bakhtinianos Contemporâneos