A memória como recurso narrativo e como resistência ao patriarcado em “A velha da sacola” e “Uma fantasia para Sofia”, de Henriette Effenberger

Palavras-chave: Memória, Literatura de autoria feminina, Representação da mulher

Resumo

No presente trabalho, existe a preocupação de abordar uma característica bastante peculiar de determinados textos literários contemporâneos: a narrativa motivada pela memória. Tal mecanismo funciona, nos contos A velha da sacola e Uma fantasia para Sofia – ambos presentes na coletânea Fissuras (2018), de Henriette Effenberger –, como a rememoração de problemas relacionados ao patriarcado, tendo como consequência a quebra da construção hegemônica dos papeis femininos exercidos pelas protagonistas. Para embasar nossa discussão, utilizamos, primordialmente, os livros Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva (2007), de Beatriz Sarlo, e Memória e identidade (2012), de Joël Candau, bem como outras reflexões teóricas relacionadas ao assunto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sebastião Bonifácio Junior, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR, Brasil.

Mestre em Letras pela na Universidade Estadual de Londrina (UEL), em Londrina, PR, Brasil; graduado na área de Letras Vernáculas e Clássicas (UEL); especialista em Língua Portuguesa (UEL); e doutorando em Letras (Estudos Literários) pela na mesma instituição.

Referências

ARRIGUCCI JR., Davi. Móbile da memória. In: ARRIGUCCI JR., Davi. Enigma e comentário: ensaios sobre literatura e experiência. São Paulo: Companhia das Letras. 2001.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. Tradução de Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Tradução de Arlene Caetano. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

BUTLER, Robert Neil. Ageism. In: MADDOX, George. The encyclopedia of aging: A Comprehensive Resource in Gerontology and Geriatrics. New York: Springer Publishing, 1995. p. 38-39.

CANDAU, Jöel. Memória e identidade. Tradução de Maria Letícia Ferreira. São Paulo: Contexto, 2012.

CYTRYNOWICZ, Roney. O silêncio do sobrevivente: diálogo e rupturas entre memória e história do Holocausto. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). História, memória, literatura: o testemunho na Era das Catástrofes. Campinas: Unicamp, 2003.

EFFENBERGER, Henriette. A velha da sacola. In: Germina – Revista de Literatura & Arte. [S. I.], 2017. Disponível em: http://www.germinaliteratura.com.br/2017/henriette_effenberger.htm. Acesso em: 2 fev. 2020.

EFFENBERGER, Henriette. Fissuras. Guaratinguetá: Penalux, 2018.

GREIMAS, Algirdas Julius. Sobre o sentido II: ensaios semióticos. Tradução de Dilson Ferreira da Cruz. São Paulo: Nankin: Edusp, 2014.

RESENDE, Deborah Kopke. Maternidade: uma construção histórica e social. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 2, n. 4, p. 175-191, fev. 2017.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

ROBIN, Régine. A Memória Saturada. Tradução de Cristiane Dias, Greciely Costa. Campinas: Editora da Unicamp, 2016.

Publicado
2021-06-11
Como Citar
Bonifácio Junior, S. (2021). A memória como recurso narrativo e como resistência ao patriarcado em “A velha da sacola” e “Uma fantasia para Sofia”, de Henriette Effenberger. Letras De Hoje, 56(1), e38997. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2021.1.38997
Seção
Seção: Temática Livre