Mongólia, de Bernardo Carvalho: o descentramento do narrador na ficção contemporânea

Palavras-chave: Narrador contemporâneo. Romance. Mongólia. Bernardo Carvalho.

Resumo

Este artigo tem como proposta analisar os modos de construção do narrador contemporâneo no romance Mongólia, de Bernardo Carvalho (2003). Por meio do movimento de articulação de três narrações distintas para compor uma única diegese, a narrativa se destaca pelo mistério que envolve o encontro das vozes nela presentes. Trazendo à tona a ideia de que o narrador do romance contemporâneo não se propõe mais a partilhar aconselhamentos, Mongólia evidencia caminhos distintos pela busca da própria história. Desse modo, é objetivo deste trabalho entender de que modo o narrador é construído e de que modo o foco narrativo é articulado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maisa Barbosa da Silva Cordeiro, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, MS

Mestra e doutoranda, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, MS, Brasil.

Eloiza Fernanda Marani, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, MS

Mestra e doutoranda, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, MS, Brasil.

Referências

ADORNO, Theodor. Posição do narrador no romance contemporâneo. In: Nota de Literatura I. Tradução de Jorge de Almeida. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003. p. 55-63.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira, com a colaboração de Lucia Teixeira Wisnik e Carlos Henrique Chagas Cruz. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1986. https://doi.org/10.1590/2176-457336646

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. 6. ed. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre a literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 197-221.

CARVALHO, Bernardo. Mongólia. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

FRIEDMAN, Norman. O ponto de vista na ficção: o desenvolvimento de um conceito crítico. Tradução de Fábio Fonseca de Melo. Revista USP, São Paulo, n. 53, p. 166-182, mar./maio, 2002. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i53p166-182

GINZBURG. O narrador na literatura brasileira contemporânea. Tintas. Quaderni di letterature iberiche e iberoamericane, 2 (2012), p. 199-221. Disponível em: http://riviste.unimi.it/index.php/tintas. Acesso em: 5 set. 2018.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Tradução de Ivone Benedetti. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

LEITE, Ligia Chiappini Moraes Leite. O foco narrativo. São Paulo: Ática, 2002.

REIS, Carlos. O conhecimento da literatura. Coimbra: Almedina, 2001.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Cordeiro, M. B. da S., & Marani, E. F. (2019). Mongólia, de Bernardo Carvalho: o descentramento do narrador na ficção contemporânea. Letras De Hoje, 54(4), 493-502. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.4.32811
Seção
Formas e efeitos do descentramento na ficção contemporânea