O backlash e a construção do ethos discursivo da mulher

  • Elaine Cristina Fonseca UFMG/Doutoranda
Palavras-chave: ethos discursivo, backlash, estratégias argumentativas.

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo a realização de uma análise retóricoargumentativa comparativa entre duas reportagens jornalísticas, publicadas em dois veículos diversos, que noticiam e divulgam uma mesma pesquisa científica. Pretendemos identificar as diversas estratégias argumentativas utilizadas em ambas as reportagens na construção de um ethos discursivo da mulher contemporânea, fazendo uso das três provas retóricas – ethos, pathos e logos – na esteira dos estudos desenvolvidos por Amossy (2005, 2011), Charaudeau (2008) e Galinari (2012, 2014). Também pretendemos relacionar esse ethos discursivo ao conceito de backlash, tal como utilizado por Faludi (2001). Nessa concepção, o backlash é compreendido como um discurso reacionário à emancipação feminina ocorrida nas últimas décadas. As análises presentes neste artigo são provenientes de um recorte de nossa dissertação de mestrado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMOSSY, Ruth (Org.). Imagens de si no discurso. São Paulo: Contexto, 2005.

AMOSSY, Ruth. Argumentação e análise do discurso. Perspectivas teóricas e recortes disciplinares. EID&A – Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, Ilhéus, n. 1, p. 129-144, nov. 2011.

ARISTÓTELES. Retórica. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2005.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

CÍCERO. De oratore. Cambridge: Harvard University Press, 1942.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso político. São Paulo: Contexto, 2008.

DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004.

FALUDI, Susan. Backlash: contra-ataque na guerra não declarada contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

GALINARI, Melliandro. Sobre ethos e AD: tour teórico, críticas, terminologias. Delta – Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, São Paulo, v. 28, n. 1, 2012.

GALINARI, Melliandro. Logos, ethos e pathos: “três lados” da mesma moeda. Alfa – Revista de Linguística, São Paulo, v. 58, n. 2, p. 257-285, 2014.

ISÓCRATES. Antidosis. London: William Heinemann, 1980.

MENDES, Eliana. A Produção textual: Revitalizando a pedagogia retórica. Tese de Titular inédita – UFMG, Belo Horizonte, 2010.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

PLATÃO. Phaedrus. London: Harvard University Press, 2005.

REBOUL, Olivier. Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

REVISTA ÉPOCA. Por que as mulheres são tão tristes? Disponível em:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI98917-15228,00-POR+QUE+AS+MULHERES+SAO+TAO+TRISTES.html. Acesso em: 10 maio 2018.

REVISTA VEJA. O paradoxo da tristeza. Disponível em:

http://users.nber.org/~bstevens/press%20reaction/Paradox%20of%20Declining%20Female%20Happiness/Mulher-VEJAEdicaoEspecial.pdf. Acesso em: 10 maio 2018.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Fonseca, E. C. (2018). O backlash e a construção do ethos discursivo da mulher. Letras De Hoje, 53(3), 422-429. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2018.3.30924
Seção
Ethos Discursivo: Alcance, Desafios e Potencialidades