Maria dos Prazeres e Noi: à margem

Palavras-chave: Literatura fantástica, Insólito, Real maravilhoso, América Latina

Resumo

Espantada com um sonho que teve, que segundo sua interpretação o veredito era de que sua morte estava próxima, Maria dos Prazeres, uma prostituta idosa, brasileira, que mora na Espanha desde jovem, cuida dos detalhes de seu sepultamento e treina seu cachorro Noi para ir visitá-la no túmulo e chorar por ela quando ela finalmente partir. “Maria dos Prazeres” é o sétimo conto da obra Doze contos peregrinos, de Gabriel García Márquez. Nesta obra podemos verificar que as personagens principais são latino-americanas e se encontram, por alguma circunstância, solitárias na Europa, sofrendo alguma desventura, peregrinando entre o velho e novo mundo. A proposta deste artigo é ler este conto considerando que as literaturas que florescem no subdesenvolvimento cultural adquirem lentamente a consciência nacional e universal, apresentando um olhar da margem, excêntrico, e então as literaturas latino-americanas deslocam-se das tradições europeias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bethânia Martins Mariano, Universidade Federal de Uberlândia
Mestranda em Estudos Literários na Universidade Federal de Uberlândia - UFU. Membro do GPEA/UFU: Grupo de pesquisa em espacialidades artísticas. Graduada em Letras - Licenciatura plena em Inglês, pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), 2011. Atua, desde 2008, como professora de inglês. Tem interesse em identidade e linguagem, identidade latino-americana, sujeito, representações de língua e língua estrangeira.

Referências

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

CANDIDO, Antonio; GOMES, Paulo Emílio Salles; PRADO, Décio de Almeida; ROSENFELD, Anatol. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2009.

CARPENTIER, Alejo. Prólogo. In: CARPENTIER, Alejo. O reino deste mundo. São Paulo: Martins Fontes – selo Martins, 2009. p. 7-12.

CARPENTIER, Alejo. A literatura do maravilhoso. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, Edições Vértice, 1987.

COVIZZI, Lenira Marques. Uma ficção insólita num mundo insólito. In: COVIZZI, Lenira Marques. O insólito em Guimarães Rosa e Borges. São Paulo: Editora Ática, 1978, p. 25-47.

FURTADO, Filipe. A Construção do Fantástico na Narrativa. Lisboa: Livros Horizonte, 1980.

FURTADO, Filipe. Fantástico (Modo). E-dicionário de termos literários (EDTL). Coord. Carlos Ceia. [20??]. ISBN: 989- 20-0088-9. Disponível em: <http://edtl.fcsh.unl.pt/businessdirectory/6033/fantastico-modo/>. Acesso em 25 jan. 2017.

GAMA-KHALIL, Marisa Martins. A literatura fantástica: gênero ou modo? Terra roxa e outras terras. Londrina, v. 26, p. 18-31, dez. 2013.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1991.

MÁRQUEZ, Gabriel García. Doze contos peregrinos. Rio de Janeiro: Record, 1992.

MÁRQUEZ, Gabriel García. Eu não vim fazer um discurso. Rio de Janeiro: Record, 2011.

PIGLIA, Ricardo.Uma proposta para o novo milênio. [20??]. Disponível em <http://chaodafeira.com/wp-content/uploads/2015/06/cad02.pdf>. Acesso em: 23 abr. 2017.

SIMIONI, Rafael Lazzarotto. Arquivo, história e memória: possibilidades de diálogo entre Luhmann e Foucault. Lua Nova, São Paulo, v. 97, p. 173-190, 2016.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva, 2004.

VIEIRA, Felipe de Paula Góis. América Violentada: Identidade, Exílio e Ditadura na obra Doze Contos Peregrinos de Gabriel García Márquez. História Social, v. 18, p. 117-136, 2010.

Publicado
2018-02-16
Como Citar
Mariano, B. M. (2018). Maria dos Prazeres e Noi: à margem. Letras De Hoje, 52(4), 466-474. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2017.4.27250
Seção
Literaturas em língua espanhola: romance e conto