Vontade de ser máquina: imaginação material em o apocalipse dos trabalhadores

  • Luara Pinto Minuzzi Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Bruno Mazolini de Barros Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Valter Hugo Mãe, o apocalipse dos trabalhadores, Gaston Bachelard, Imaginação material

Resumo

Neste artigo, pretendemos analisar o romance o apocalipse dos trabalhadores, do escritor português Valter Hugo Mãe, a partir dos estudos do filósofo Gaston Bachelard sobre a imaginação material. Para isso, o personagem Andriy foi selecionado como foco do estudo: ucraniano, o homem vive uma realidade dura de imigrado em Portugal, trabalhando muito e ganhando pouco, em um sistema exemplar de capitalismo tardio, longe da família e sem amigos. Por isso, ele decide virar máquina e se despir de sua humanidade para não sentir mais – e esse processo de metalização ganha novos significados quando interpretado principalmente à luz da simbologia do elemento terrestre examinado por Bachelard em A terra e os devaneios da vontade.

********************************************************************

The will to be a machine: material imagination in o apocalipse dos trabalhadores

writer Valter Hugo Mãe, according with the theory of the philosopher Gaston Bachelar about the “material imagination”. To do this, the analyze will be focused on the character Andriy: Ukrainian, he has a hard life as immigrant in Portugal, working a lot and not getting much from it, in a late capitalism system, far from his family and without friends. Because of this, he decides to become a machine, giving away his own humanity condition: this process of turning himself a metal structure revels subtle meanings when interpreted mainly with the symbolic aspect of the earth element, exanimated by Barchelard in La terre et les rêveries de la volonté.

Keywords: Valter Hugo Mãe; o apocalipse dos trabalhadores; Gaston Bachelard; Material imagination


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luara Pinto Minuzzi, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutoranda em Teoria da Literatura pela PUCRS
Bruno Mazolini de Barros, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutorando em Teoria da Literatura pela PUCRS

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. 3a. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

______. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013a.

______. A terra e os devaneios da vontade: ensaio sobre a imaginação das forças. 4. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013b.

______. A terra e os devaneios do repouso: ensaio sobre as imagens da intimidade. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

CRARY, Johnathan. 24/7 – Capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

______. A imaginação simbólica. Lisboa: Edições 70, 1993.

KRISTEVA, Julia. Estrangeiros para nós mesmos. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

MÃE, Valter Hugo. o apocalipse dos trabalhadores. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

WUNENBURGER, Jean-Jacques. O imaginário. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

Publicado
2016-12-31
Como Citar
Minuzzi, L. P., & Barros, B. M. de. (2016). Vontade de ser máquina: imaginação material em o apocalipse dos trabalhadores. Letras De Hoje, 51(4), 526-533. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2016.4.23781