Vasco Graça Moura e sua “Bacante”: O (des)Oriente (per)Verso de um poeta acorrentado

Palavras-chave: Vasco Graça Moura, Poesia pós-moderna, Identidade europeia

Resumo

O poeta Vasco Graça Moura destacou-se em sua carreira como ensaísta, tradutor, poeta e escritor, dividindo seu tempo com a política portuguesa e a internacional. Esta participação deixou fortes marcas em sua obra, como veremos neste ensaio, que busca um aprofundamento sobre as significações evocadas no poema “a bacante” (2006, p.128). É notável, ao fim de sua vida, como a reflexão sobre a condição política e cultural portuguesa e europeia, frente ao alargamento de fronteiras e hibridização do início do século XXI, marcam de maneira indelével a obra do escritor, situando-o no cenário da poesia pós-moderna, como buscaremos mostrar com este trabalho.

********************************************************************

Vasco Graça Moura and his “Bacante”: The disorient East and the wicked Verse of a chained poet

Abstract: The poet Vasco Graça Moura excelled in his career as an essayist, translator, poet and writer, dividing his time with international and Portuguese politic. This participation has left indelible marks in his work, as we shall see in this essay, which seeks a deepening of the meanings evoked in the poem “a bacante” (2006, p. 128). It is noteworthy, at the end of his life, the way as the reflection on the political and cultural Portuguese and European’s condition, opposite the extension of XXI century beginning’s boundaries and hybridization marks indelibly the writer's work, placing him in the setting of postmodern poetry, as we try to show with this paper.

Keywords: Vasco Graça Moura; Postmodern poetry; European identity

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Ricardo da Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Atualmente, realiza doutorado na Área de Estudos de Literatura, em Pós-Colonialismo e Identidades, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Possui mestrado na área de Estudos de Literatura, em Literaturas Portuguesa e Luso-Africanas, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS / 2016); especialização em Linguagem e Docência pela Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA / 2014) e graduação em Letras, com habilitação em Português, Inglês e Respectivas Literaturas pela Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA / 2013).
Seus interesses de pesquisa atuais situam-se em torno dos seguintes temas: cultura e literatura pós-coloniais e identidades; poéticas da diáspora afro-brasileira, metodologia e técnica de pesquisa aplicadas, mitologia comparada e poéticas orais.

Referências

BERNABÉ, Alberto; CASADESÚS, Francesc. Orfeo y La tradición órfica. Um reencuentro. Madrid: Akal, 2009. Vol. 2.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

CASA BENFICA. História de Benfica. Disponível em: , Acesso em: 27 jul. 2014.

DÉTIENNE, Marcel; VERNANT, Jean-Pierre. Métis – as astúcias da inteligência. HIRATA, Filomena. São Paulo: Odysseus, 2008.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Sete aulas sobre linguagem, memória e história. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

GLADIUS. A última entrevista do falecido Vasco Graça Moura – um alerta contra a invasão. Disponível em: , Acesso em 22 de julho de 2014.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Alcipe. Lisboa: Imprensa Nacional, [s.d.].

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Estudo e tradução de Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 1995.

INSTITUTO CAMÕES. Vasco Graça Moura. Disponível em: <http://cvc.instituto-camoes.pt/poemasemana/18/retratos1. html>. Acesso em: 27 jul. 2014.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São aulo:

Perspectiva, 1998.

LOURENÇO, Eduardo. A Europa desencantada: Para uma mitologia europeia. Lisboa: Gradiva, 2001.

MOURA, Vasco Graça. Poesia 2001/2005. Lisboa: Quetzal, 2006.

PANOPOLIS, Nono. Dyonisiaca. Tradução de W. H. D. House. Cambridge (Massachussets)/London, 1940.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Tradução de Olga Savary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1972.

VISÃO. Vasco Graça Moura: A Portugal está a faltar muita poesia. Disponível em: <http://visao.sapo.pt/vasco- racamoura-a-portugal-esta-a-faltar-muita-poesia=f778411>. Acesso em: 27 jul. 2014.

SHAKESPEARE, William. Tito Andrônico. Tradução de Nelson Jahr Garcia. Rio de Janeiro: Ebooks do Brasil, s.d.

TODOROV, Tzvetan. Simbolismo e interpretação. São Paulo: Edições 70, 1978.

VERNANT, Jean-Pierre. O universo, os deuses, os homens. Tradução de Rosa Freire D’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Publicado
2016-12-31
Como Citar
Costa, J. R. da. (2016). Vasco Graça Moura e sua “Bacante”: O (des)Oriente (per)Verso de um poeta acorrentado. Letras De Hoje, 51(4), 534-542. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2016.4.23748