A interface estudos discursivos e estudos ergológicos

  • M. Cecília Pérez de Souza-e-Silva Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palavras-chave: Perspectiva enunciativo-discursiva, Abordagem ergológica, Prescritos no trabalho, Atividade de trabalho, Práticas de linguagem

Resumo

Este artigo tem por objetivo explicitar caminhos teórico-metodológicos aos quais temos recorrido a fim de consolidar o estudo das relações linguagem/trabalho, mais especificamente dos estudos discursivos e ergológicos. Adotar a perspectiva discursiva implica considerar a língua não como instrumento informacional, transparente, mas como polissêmica e opaca. Implica também aceitar que a discursividade define uma ordem própria diversa da materialidade da linguagem, mas que se realiza na língua. Compartilhar a abordagem ergológica significa pensar a atividade de trabalho como o encontro entre as normas e os seres humanos capazes, por suas escolhas, de traduzi-las em cada situação. Ambas as abordagens encontram abrigo no paradigma indiciário, que supõe a existência de um rigor flexível e elástico. Flexível porque não exige o estabelecimento de uma verdade única, universal e inquestionável; elástico porque não prescinde do rigor, não abre mão da interpretação. ******************************************************** The interface between discursive studies and ergologic studies This paper aims to describe the theoretical-methodological paths that we have been using in order to consolidate the study of the language/work relations, more specifically, the relations between discursive and ergologic studies. Adopting the enunciation-discourse perspective implies considering language not as an informational, transparent instrument, but as polysemic and opaque. In addition, it implies accepting that discursivity defines its own order, different from the materiality of language, but which is fulfilled in language. Sharing the ergologic approach means thinking of the work activity as the encounter between norms and human beings, capable, due to their choices, of translating them in each situation. Both the discursive and ergologic approaches find shelter in the evidentiary paradigm, which assumes the existence of a flexible and elastic rigor. Flexible because it does not require the establishment of a unique truth, universal and unquestionable; elastic because it does not dispense with rigor and does not relinquish interpretation. Keywords: Enunciation-discourse perspective; Ergologic approach; Prescriptions at work; work activity; Language practices;

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALGODOAL, Maria Juliana A. As práticas de linguagem em situações de trabalho de operadores de telemarketing ativo de uma editora. 2002. 201. fls. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica do São Paulo, São Paulo, 2002.

ANJOS, Joelma S.T. dos. Práticas de linguagem em situação de trabalho – chat: um novo gênero digital. 2011. 158. fls. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica do São Paulo, São Paulo, 2011.

BOUTET, Josiane. La vie verbale au travail. Des manufactures aux centres d’appels. Toulouse: Octarès, 2008.

DANIELLOU, François (Dir.). L’ergonomie enquête de ses principes: débats épistémologiques. Toulouse: Octarès, 1996.

GINZBURG, Carlo. Sinais: Raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas, sinais. Tradução de Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. p. 143-179. [Mitti emblemi spie: morfologia e storia. Torino, Giulio Einaudi, 1986].

KRIEG-PLANGE, Alice. A noção de fórmula em análise do discurso – quadro teórico e metodológico. Tradução de Luciana Salazar Salgado e Sírio Possenti. São Paulo: Parábola, 2010. [La notion de “formule” en analyse du discours – cadre théorique et

méthodologique. Paris: Presses Universitaires de Franche-Compté, 2009].

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comu-

nicação. Tradução de M. Cecília de Souza e Silva e Décio Rocha. 6. ed. ampliada. São Paulo: Cortez, 2013. [Analyser les

textes de communication. 2e. édition. Paris: Armand Colin, 2007].

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. Tra-

dução Sírio Possenti. São Paulo: Parábola. 2008a [Genèses du discours. Paris: Pierre Mardaga, 1984].

MAINGUENEAU, Dominique. Cenas da enunciação. Orga-

nização de Sírio Possenti e Maria Cecília Pérez de Souza e Silva. São Paulo: Parábola, 2008b.

MAINGUENEAU, Dominique. Ethos, cenografia, incorporação. In: AMOSSY, R. (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005. p. 69-92.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comu-

nicação. Tradução M. Cecília de Souza e Silva e Décio Rocha. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2001. [Analyser les textes de communication. Paris: Dunod, 1998].

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em Análise do Discurso. Tradução Freda Indursky. Campinas: Pontes, 1989. [Nouvelles tendances en analyse du discours. Paris : Hachette, 1987].

POSSENTI, Sírio. Teoria do discurso: um caso de múltiplas rupturas. In: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Anna Cristina (Org.). Introdução à Linguística: fundamentos epistemológicos, São Paulo: Cortez, 2004. v. 3, p. 353-392.

ROCHA Décio. Cartografias em Análise do Discurso: rear-

ticulando as noções de gênero e cenografia. DELTA. Do-

cumentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada,

v. 29, p. 135-159, 2013.

SCHWARTZ, Yves. Manifesto por um ergoengajamento. In: BENDASSOLLI, Pedro F.; SOBOLL, Lis. A.P. (Org.). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2011. p. 132-166. [L’activités en dialogues: entretiens sur l’activité humaine II. Toulouse: Octarès, 2009].

SCHWARTZ, Yves. Introdução I; Introdução II; Reflexão em torno de um exemplo de trabalho operário. In: SCHWARTZ, Yves; DURRIVE, Louis (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre atividade humana. 2. ed. revista e ampliada. Niterói: EDUFF, 2010. p. 19-20; p. 21-22; p. 37-46. [Travail et ergologie: entretiens sur l’activité humaine. Toulouse: Octarès, 2003].

SCHWARTZ, Yves. L’homme, le marché, la cité. In: C’est quoi le travail. Paris: Autrement. 1997. p. 110-127.

SILVA, Edvânia G. Os (des)encontros da fé: análise inter-

discursiva de dois movimentos da Igreja Católica. 2006. 287 fls.

Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, 2006.

SOUZA-E-SILVA, Cecília & ROCHA, Décio. A linguagem nas relações de trabalho: a fala da operadora de telemarketing. Anais do XXVIII do Seminário do Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo. São José do Rio Preto: Editora da UNESP, 1999. p. 296-301.

Publicado
2014-10-21
Como Citar
Pérez de Souza-e-Silva, M. C. (2014). A interface estudos discursivos e estudos ergológicos. Letras De Hoje, 49(3), 282-289. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2014.3.19105
Seção
Linguagem e trabalho: diálogos entre estudos discursivos e ergológicos