Entre vida real e criação: a correspondência como reservatório da ficção

  • Marie-Hélène Paret Passos Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Caio Fernando Abreu, Correspondência, Gênese, Processo de criação

Resumo

A pesquisa em acervos de escritores pode revelar-se uma fonte profícua de informações, para a análise de uma produção literária, por serem verdadeiros reservatórios memoriais que guardam rastros processuais e testemunhos de vida. Geralmente, a correspondência que os escritores mantiveram durante a vida está conservada nesses arquivos e, quando consultada, ela pode fornecer ao pesquisador informações fundamentais, não somente sobre um momento preciso da vida do escritor mas também sobre suas práticas de escritura e a gênese de algumas obras. Mostraremos como, uma carta encontrada no arquivo Caio Fernando Abreu, possibilitou uma outra leitura do conto “Uma estória confusa”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Caio Fernando. Ovelhas negras. Porto Alegre: L&PM, 2002.

BIASI, Pierre-Marc de. 2007. Analyse de la correspondance et genèse de l’oeuvre: le cas Flaubert. Disponível em: http://www.diffusion.ens.fr/index.php?res=conf&idconf=1646. Acesso em: 26 jan. 2014.

BIASI, Pierre-Marc de. A genética dos textos. Tradução Marie-Hélène Paret Passos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

DÄLLENBACH, Lucien. Le récit spéculaire. Paris: Seuil, 1977.

DIAZ, José-Luiz. Qual genética para as correspondências? Tradução de Cláudio Hiro e Maria Silva Ianni Barsalini. In: Manuscritica, n. 15, p. 119-162.

MORICONI, Ítalo. Caio Fernando Abreu. Cartas. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.

Publicado
2014-06-09
Como Citar
Paret Passos, M.-H. (2014). Entre vida real e criação: a correspondência como reservatório da ficção. Letras De Hoje, 49(2), 190-194. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2014.2.17655