Cartas inéditas de Graciliano Ramos: Estilo, amizades, bastidores da criação literária e da história

  • Ieda Lebensztayn Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Graciliano Ramos, Epistolografia, Literatura brasileira, Arquivos de escritores, Correspondência

Resumo

Este artigo traz uma apresentação da correspondência inédita de Graciliano Ramos: Ativa, Passiva e De Terceiros. Reunidas em livros tão só as cartas do escritor trocadas com familiares, em especial com Heloísa, com um amigo e com dois tradutores argentinos, demandam atenção os diálogos epistolares com outros intelectuais, escritores, tradutores, e também com editores. Venho coligindo esse material, presente no Arquivo Graciliano Ramos do IEB-USP e disperso em livros, periódicos, arquivos e sites, com vistas à publicação de um volume anotado da correspondência. As cartas possibilitam conhecerem-se melhor as circunstâncias históricas vividas pelo escritor, suas relações afetivas e intelectuais, reflexões sobre os romances e projetos literários. Com seu estilo, que inclui autoironia e ternura, elas revelam o rigor ético e estético do romancista. Assim, meu propósito é ampliar a compreensão sobre suas realizações literárias e contribuir para os estudos de epistolografia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ieda Lebensztayn, Universidade de São Paulo
Pós-doutoranda - IEB-USP, doutora em Literatura Brasileira - FFLCH-USP.

Referências

AMADO, Jorge. Navegação de cabotagem. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BARROS, Francisco Reinaldo Amorim de. ABC das Alagoas: dicionário biobibliográfico, histórico e geográfico das Alagoas. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2005. 2 v.

BECKER, Colette. Le discours d’escorte: l’anottation et ses problèmes (à propos de la correspondance de Zola). In: FRANÇON, André; GOYARD, Claude (Orgs.). Les correspondances inédites. Paris: Econômica, 1984. p. 117-129. Ed. bras.: “O discurso de escolta: as notas e seus problemas (o exemplo da correspondência de Zola)”. Trad. de Ligia Fonseca Ferreira. Patrimônio e Memória, São Paulo, Unesp, v. 9, n. 1, p. 144-56, jan./jun. 2013.

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. 4. ed. São Paulo: Ática, 1991.

CARPEAUX, Otto Maria. Tendências do moderno romance brasileiro (1948). In: Ensaios reunidos 1946-1971. v. ii. Prefácio de Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: UniverCidade & Topbooks, 2005, p. 362-367.

DIAIAZ, José-Luis. Qual genética para as correspondências? Tradução de Cláudio Hiro e Maria Sílvia Ianni Barsalini. Manuscrítica: revista de Crítica Genética, 15. São Paulo: Associação de Pesquisadores de Crítica Genética/Humanitas, 2007. p. 119-162.

FARGE, Arlette. O sabor do arquivo. Tradução de Fátima Murad. São Paulo: Edusp, 2009.

MORAESAESAES, Marcos Antonio de. Edição da Correspondência reunida de Mário de Andrade: histórico e alguns pressupostos. Patrimônio e Memória, UNESP/Assis – On-line, v. 4, p. 1-14, jun. 2009.

RAMOS, Graciliano. Angústia. 7. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1955.

RAMOS, Graciliano. Carta a Aloísio Branco. Maceió, 16 out. 1931. Apud ROCHA, Tadeu. Modernismo e regionalismo. Maceió: Departamento Estadual de Cultura, 1964. p. 72.

RAMOS, Graciliano. Carta a Caio Prado Júnior. Rio de Janeiro, 12 mar. 1949. Arquivo Caio Prado Júnior, IEB-USP.

RAMOS, Graciliano. Carta a José Tobias Filho. Rio de Janeiro, 21 nov. 1914. Série Correspondência Ativa, Arquivo Graciliano Ramos, IEB-USP.

RAMOS, Graciliano. Carta a Serafín Garcia. Rio de Janeiro, 13 out. 1943. Série Correspondência Ativa, Arquivo Graciliano Ramos, IEB-USP.

RAMOS, Graciliano. Carta a Serafín J. García. Rio de Janeiro, 12 nov. 1945. Série Correspondência Ativa, Arquivo Graciliano Ramos, IEB-USP.

RAMOS, Graciliano. Carta aos Srs. Livschitz & Morosoli. Rio de Janeiro, 17 jul. 1945. Série Correspondência Ativa, Arquivo Graciliano Ramos, IEB-USP.

RAMOS, Graciliano. Cartas. Rio de Janeiro: Record, 1980 (Edição especial; MPM-Comunicações); 7. ed. (aumentada). Rio de Janeiro: Record, 1992. 8. ed., 2011.

RAMOS, Graciliano. Cartas inéditas de Graciliano Ramos a seus tradutores argentinos Benjamín de Garay e Raúl Navarro. Introdução, ensaios e notas de Pedro Moacir Maia; organização e apresentação de Fernando da Rocha Peres. Salvador: EDUFBA, 2008.

RAMOS, Graciliano. Contos e novelas. Rio de Janeiro: Livraria-Editora da Casa do Estudante do Brasil, 1957. 3 v. (Norte e Nordeste; Leste; Sul e Centro-oeste); Seleção de contos brasileiros. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1966. 3 v. (Norte e Nordeste; Leste; Sul e Centro-oeste)

RAMOS, Graciliano. Correspondência ativa, passiva e de terceiros – Arquivo Graciliano Ramos – Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo, IEB-USP. Doado em 1980 por Heloísa Ramos.

RAMOS, Graciliano. Decadência do romance brasileiro. Literatura, Rio de Janeiro, ano i, n. 1, set. 1946. Apud

GARBUGLIO, J. C. et al. Graciliano Ramos. São Paulo: Ática, 1987, p. 114-116; Garranchos: textos inéditos de Graciliano Ramos. Org. Thiago Mio Salla. Rio de Janeiro: Record, 2012, p. 262-267; ed. uruguaia: Decadencia de la novela brasileña. Nueva Gazeta, Montevidéo, n. 11, dez. 1941 (Cf. CARPEAUX, Otto Maria. Pequena bibliografia crítica da literatura brasileira. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1968, p. 256).

RAMOS, Graciliano. Infância. 3. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1953.

RAMOS, Graciliano. S. Bernardo. 6. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1955.

REVISTA Novidade. (Direção de Valdemar Cavalcanti e

Alberto Passos Guimarães). Maceió, Livraria Vilas-Boas, 1931, 24 números.

SODRÉ, Nélson Werneck. Memórias de um escritor. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970. v. 1.

Publicado
2014-06-09
Como Citar
Lebensztayn, I. (2014). Cartas inéditas de Graciliano Ramos: Estilo, amizades, bastidores da criação literária e da história. Letras De Hoje, 49(2), 145-153. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2014.2.15491