Ditongos crescentes: um conceito fonológico ou fonético?

  • Lurdes Ferreira Centro de Linguística da Universidade do Porto
Palavras-chave: Ditongos

Resumo

Este estudo tem como objetivo verificar a intuição de estudantes do 7º ano de escolaridade de uma escola do Norte de Portugal relativamente ao estatuto da sequência de vogais em posição pré-tónica, tónica e pós-tónica. Os resultados demonstraram que os estudantes tendem a não considerar a sequência de Glide e Vogal como ditongo em nenhuma das situações testadas. Esta tendência parece vir ao encontro de uma grande parte dos estudos, que apontam para a inexistência de glides a nível fonológico, embora possam ocorrer a nível fonético. Mesmo no único caso considerado como possibilidade de ocorrência de glide, os estudantes deste estudo optaram por considerar a existência de uma vogal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lurdes Ferreira, Centro de Linguística da Universidade do Porto
Mestrado em Linguística Área de Fonologia

Referências

ANDRADE, Ernesto de. The Syllable Structure in European

Portuguese. In: MATEUS, Mª Helena Mira (Org.). A face

exposta da língua portuguesa. Lisboa: Imprensa Nacional –

Casa da Moeda, 2002. p. 281-298.

ANDRADE, Ernesto de. Sobre a alternância vogal/glide

em Português. In: Atas do XIII encontro nacional da Associação

Portuguesa de Linguística. Lisboa: APL, 1998. Vol. I.

p. 91-102.

ANDRADE, Ernesto de; VIANA, Maria do Céu. Sinérese,

diérese e estrutura silábica. In: Atas do IX Encontro Nacional

da APL. Lisboa: APL, 1994. p. 31-42.

BISOL, Leda. O ditongo da perspetiva da fonologia atual. In:

D.E.L.T.A., v. 5, n. 2, p. 185-224, 1989.

BISOL, Leda. A sílaba e os seus constituintes. In: NEVES,

Maria Helena de Moura (Org.). Gramática do português falado.

Campinas: Editora Unicamp, 1999. Vol. IV: Novos estudos.

p. 701-742.

CABELEIRA, Susana; CORREIA, Susana. Ditongos, tritongos

e hiatos – Intuição e propostas de divisão silábica (trabalho com

crianças dos 10 aos 13 anos em PE). In: Atas do XIX Encontro

Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Lisboa:

APL, 2003. p. 351-362.

CARVALHO, Joana. Sobre os ditongos do português europeu.

In: eLingUp, v. 4, n. 1, p. 11-30, 2012.

CUNHA, Celso; CINTRA, Luís F. Lindley. Nova gramática do

português contemporâneo. Lisboa: Edições João Sá da Costa,

DRENSKA, Margarida. Existem ditongos crescentes em

posição final de palavra em português?. In: Atas do II Encontro

da Associação Portuguesa de Linguística. Lisboa: APL, 1986.

p. 53-74.

FREITAS, Maria João; SANTOS, Ana Lúcia. Contar (histórias

de) sílabas. Descrição e implicações para o ensino do Português

como Língua Materna. Lisboa: Colibri, 2001.

FREITAS, Maria João. Os ping[w]ins são diferentes dos

c[w]elhos? Questões sobre oclusivas velares, semivogais e

arredondamentos na aquisição do Português Europeu. In:

Atas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de

Linguística. Lisboa: APL, 2001. p. 213-225.

FREITAS, Maria João; RODRIGUES, Celeste; COSTA,

Teresa; CASTELO, Adelina. Os sons que estão dentro das

palavras. Descrição e implicações para o ensino do Português

como Língua Materna. Lisboa: Colibri, 2012.

MATA DA SILVA, Ana Isabel, Ditongos crescentes do

português: análise acústica. In: Atas do 3 encontro nacional

da Associação Portuguesa de Linguística. Lisboa: APL, 1987.

p. 379-400.

MATEUS, Maria Helena Mira. Onset of Portuguese Syllables

and Rising Diphthongs. In: MATEUS, Maria Helena Mira. A

face exposta da língua portuguesa. Lisboa: Imprensa Nacional

– Casa da Moeda, 2002. p. 261-270.

MATEUS, Maria Helena Mira. A silabificação de base em

português. In: MATEUS, Maria Helena Mira. A face exposta

da língua portuguesa. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da

Moeda, 2002. p. 271-279.

MATEUS, Maria Helena Mira. Aspetos fonológicos e

prosódicos da gramática do português. In: MATEUS, Maria

Helena Mira et al. Gramática da língua portuguesa. 5. ed. rev.

e aum. Lisboa: Caminho, 2003. p. 987-1076.

MATEUS, Maria Helena Mira. Fonologia. In: FARIA, Inês

Hub et al. Introdução à linguística geral e portuguesa. Lisboa:

Caminho, 1996. p. 171-199.

MATEUS, Maria Helena Mira; D’ANDRADE, Ernesto. The

Phonology of Portuguese. Oxford: Oxford University Press,

MATEUS, Maria Helena Mira; D’ANDRADE, Ernesto. The

syllable structure in European Portuguese. In: MATEUS, Maria

Helena Mira. A face exposta da língua portuguesa. Lisboa:

Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2002. p. 281-297.

MATTOSO CAMARA JR, Joaquim. Dicionário de linguística

e gramática referente à língua portuguesa. Petrópolis: Vozes,

MATTOSO CAMARA JR., Joaquim. Para o estudo da fonêmica

portuguesa. Petrópolis: Vozes, 2008.

MOUTINHO, Lurdes de Castro. Uma introdução ao estudo

da fonética e fonologia do português. Lisboa: Plátano Edições

Técnicas, 2000.

OLIVEIRA, Catarina Alexandra Monteiro de. Do grafema ao

gesto – contributos linguísticos para um sistema de síntese de

base articulatória. Tese (Doutor em Linguística) – Universidade

de Aveiro, Aveiro, 2009.

OLIVEIRA, Catarina Alexandra Monteiro de; MOUTINHO,

Lurdes de Castro; TEIXEIRA, António. On European

Portuguese Automatic Syllabification. In: Interspeech,

th European Conference on Speech Communication and

Technology. Lisboa, 2005. p. 2933-2936.

PINTO, João Manuel de Castro; LOPES, Maria do Céu Vieira;

NASCIMENTO, Zacarias. Gramática do português moderno.

Lisboa: Plátano Editora, 2006.

RUA, Carla. Ditongos orais no português europeu. Dissertação

(Mestre em Estudos Portugueses) – Universidade de Aveiro,

Aveiro, 2009.

VIGÁRIO, Marina; FALÉ, Isabel. A sílaba no Português

Fundamental: uma descrição e algumas considerações de ordem

teórica. In: Atas do IX Encontro Nacional da APL. Lisboa:

APL, 1994. p. 465-477.

Publicado
2014-05-07
Como Citar
Ferreira, L. (2014). Ditongos crescentes: um conceito fonológico ou fonético?. Letras De Hoje, 49(1), 28-35. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2014.1.14646
Seção
Fonética e Fonologia: interface