Geografia-geografias: a literatura (felizmente) se ocupa do que a historiografia parece menosprezar

  • Antonio Carlos Hohlfeldt Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Ana Cláudia Munari Universidade de Santa Cruz do Sul
Palavras-chave: Literatura sul-riograndense, Crítica literária, Noite de reis, Fernandes Bastos

Resumo

O lançamento, em 1935, de uma narrativa histórica, denominada Noite de reis, recentemente reeditada, abre a oportunidade para uma revisão a respeito da chamada geografia literária do Rio Grande do Sul. Aquele texto, de autoria de Manoel Estevão Fernandes Bastos, praticamente inédito nos círculos literários sul-rio-grandenses ainda hoje, introduziu duas novidades no mapa literário do estado: a região geográfica das encostas da Serra Geral e da Serra do Mar, historicamente importante para a colonização e a ocupação dos territórios sul-rio-grandenses, e o tipo humano ali presente, mescla de descendentes vicentinos e lagunenses com brasileiros do norte e colonizadores alemães. Para além desses aspectos, contudo, o texto é interessante exemplo de uma narrativa épica e ao mesmo tempo trágica, que mistura fatos históricos e ficção, sugerindo veios ainda não explorados para a literatura do estado sulino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Carlos Hohlfeldt, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutor em Letras pela PUCRS, Professor do PPGL e do PPGCom da PUCRS
Ana Cláudia Munari, Universidade de Santa Cruz do Sul
Doutoranda em Teoria da Literatura, PPGL, PUCRS

Referências

BASTOS, Manoel Estevão Fernandes. Noite de reis. Porto Alegre: Globo, 1935.

BATISTA, Karina Ribeiro. A trajetória da Editora Globo e sua inserção no campo literário brasileiro nas décadas de 1930 e 1940. Porto Alegre: PUCRS, 2008.

BERTASO, José Otávio. A Globo da Rua da Praia. Porto Alegre: 1993.

CALDRE E FIÃO, José Antonio do Vale. O corsário. Porto Alegre: Movimento, 1979.

CÉSAR, Guilhermino (Org.). Primeiros cronistas do Rio Grande do Sul (1605-1801). Porto Alegre: EDUFRGS, 1981.

CÉSAR, Guilhermino. História do Rio Grande do Sul: período colonial. Porto Alegre: Globo, 1970.

HOHLFELDT, Antonio; TARRAGÓ, Júlia Pereira. Síntese da imprensa periódica na província de Cabo Verde. Apresentado no GP História do Jornalismo, do XXXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Recife, Universidade Católica de Pernambuco, promovido pela INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 1º a 7 de setembro de 2011.

IBGE. Atlas das representações literárias de regiões brasileiras: Brasil Meridional. Rio de Janeiro: IBGE, 2006.

MEDINA, Sinval. O cavaleiro da Terra de Ninguém. São Paulo: Prumo, 2012.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985.

SILVA, Marina Raymundo. Biografia dos intendentes e prefeitos do município de Osório. Osório: Datilograph, 1995.

SOUSA, Pero Lopes. Diário da navegação de Pêro Lopes de Sousa (1530-1532). In: CORDEIRO, J. P. Leite;

ABREU, Capistrano de (Org.). Cadernos de história, v. 1.

São Paulo: Parma, 1979.

VERISSIMO, Erico. Solo de clarineta, Porto Alegre, Globo. 1973.

VERISSIMO, Erico. Um certo Henrique Bertaso. Porto Alegre: Globo, 1973.

VILLAS-BÔAS, Pedro Leite. Dicionário bibliográfico gaúcho. Porto Alegre: EST, 1991.

Publicado
2014-06-09
Como Citar
Hohlfeldt, A. C., & Munari, A. C. (2014). Geografia-geografias: a literatura (felizmente) se ocupa do que a historiografia parece menosprezar. Letras De Hoje, 49(2), 241-247. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2014.2.13483