João Guimarães Rosa, “autobiografia irracional” e crítica literária: veredas da oratura

  • Marcelo Marinho UFFS/ELTE
Palavras-chave: Autobiografia irracional, Oratura, Guimarães Rosa

Resumo

Guimarães Rosa qualifica seu romance Grande sertão: veredas como uma “autobiografia irracional” – enquanto a crítica literária faz ouvidos moucos a tal explícito protocolo de leitura. O herói Riobaldo é um bardo que conclui um pacto faustiano para derrotar Hermógenes (o signo arbitrário) e receber Otacília (o prêmio literário): o preço é a perda de Diadorim (a alma). Paralelamente, numa esfera próxima à oratura holográfica, Guimarães Rosa afirma escrever em “estado de possessão”, adia a posse na Academia Brasileira de Letras durante quatro anos, morre misteriosamente três dias após a cerimônia. Enigma ou enredo? Por meio de índices factuais e de uma forma inédita na história da literatura universal, o romancista entretece detalhadamente uma autobiografia não tipografável, alheia e avessa à impressão gráfica – um texto em exclusiva forma de oratura –, com o objetivo de transformar em lenda viva sua própria existência e subtrair-se à finita condição dos seres humanos (e à limitada natureza do texto impresso). Neste trabalho, discutimos as relações entre crítica e vanguardas literárias, por um lado, e oratura autobiográfica ficcional em João Guimarães Rosa, pelo viés oposto, no tocante a seu palimpséstico processo de automitificação poética – estranhamente ignorado pelo conjunto da crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como Citar
Marinho, M. (2012). João Guimarães Rosa, “autobiografia irracional” e crítica literária: veredas da oratura. Letras De Hoje, 47(2), 186-193. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/11315
Seção
Guimarães Rosa e a Crítica Literária