Perfil nutricional de pacientes adultos e idosos admitidos em um hospital universitário

  • Nathálie Crestani Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Patrícia Bieger Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Raquel Milani El Kik PUCRS
  • Raquel da Luz Dias PUCRS
  • Sônia Alscher PUCRS
  • Rafaela Siviero Caron Lienert HSL/PUCRS
Palavras-chave: avaliação nutricional, estado nutricional, desnutrição

Resumo

Objetivo: Identificar o perfil nutricional de pacientes adultos e idosos admitidos em um hospital universitário. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal, retrospectivo e descritivo. Foram utilizados para avaliação nutricional o Índice de Massa Corporal (IMC) e a Avaliação Subjetiva Global (ASG), que classifica o paciente em três categorias: bem nutrido (A), moderadamente ou suspeita de ser desnutrido (B) ou gravemente desnutrido (C). Os dados (ASG, IMC e condição primária) foram coletados a partir de informações dos formulários de avaliação nutricional preenchidos na rotina assistencial, aplicados em até setenta e duas horas após a interação do paciente. Esse estudo foi aprovado pela Comissão Científica e pelo Comitê de Ética em Pesquisa da PUCRS. Resultados: O estudo incluiu 32 adultos e 36 idosos (n=68). Em relação à ASG, 46,9% dos adultos foram classificados na categoria A e 53,1% na categoria B. Entre os idosos, 25% foram classificados na categoria A e 75% na categoria B. O IMC apontou 37,5% dos adultos como eutróficos e 62,5% como sobrepeso e/ou obesidade; os idosos apresentaram 50% de eutrofia, 36,1% de sobrepeso e 13,9% de baixo peso. Conclusão: O perfil nutricional dos pacientes estudados foi caracterizado pela alta prevalência de risco nutricional e sobrepeso/obesidade concomitantes nos dois grupos estudados. Esta realidade parece traduzir, em nível hospitalar, a situação de transição nutricional vivida em nosso país na atualidade. Os resultados evidenciam a importância da utilização de mais de um método de triagem nutricional em pacientes internados em unidades hospitalares, para obter-se maior precisão na avaliação.
Publicado
2011-12-12
Seção
Artigos Originais