Mulheres convivendo com endometriose: percepções sobre a doença

  • Érica Luiza De Abreu Ramos Universidade Federal do Maranhão
  • Vanessa Moreira da Silva Soeiro Universidade Federal do Maranhão
  • Claudia Teresa Frias Rios Universidade Federal do Maranhão
Palavras-chave: endometriose, assistência integral à saúde, saúde da mulher.

Resumo

Objetivos: Identificar o conhecimento de mulheres que convivem com endometriose a respeito da doença e ponderar suas percepções sobre a qualidade de vida pós-diagnóstico.
Materiais e Métodos: Estudo exploratório, descritivo, qualitativo, realizado no Setor de Dor Pélvica e Endometriose do Serviço de Obstetrícia e Ginecologia de um hospital universitário. Participaram da pesquisa 13 mulheres com idade entre 18 e 46 anos.
Resultados: A maioria das mulheres pertencia à faixa etária entre 30 a 39 anos, com tempo de doença entre 1 a 4 anos, pertencentes à média classe-média, em uso de método contraceptivo, sem diagnóstico de infertilidade, com ciclo menstrual irregular e com histórico pregresso de gravidez (a maioria com abortos). As participantes da pesquisa não conhecem a doença que lhes aflige, vivem em companhia da dor e da possível infertilidade.
Conclusões: As mulheres incluídas nesta pesquisa, em sua maioria, não conhecem a doença com a qual convivem e percebem as mudanças advindas da doença de forma negativa. 

Biografia do Autor

Érica Luiza De Abreu Ramos, Universidade Federal do Maranhão
Enfermeira.
Vanessa Moreira da Silva Soeiro, Universidade Federal do Maranhão
Enfermeira. Doutoranda em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Maranhão
Claudia Teresa Frias Rios, Universidade Federal do Maranhão

Enfermeira. Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Maranhão

Referências

Fuldeore MJ, Soliman AM, Prevalence and symptomatic burden of diagnosed endometriosis in the United States: national estimates from a cross-sectional survey of 59,411 women. Gynecol Obstet Invest. 2017;82(5):453-61.

https://doi.org/10.1159/000452660

Dunselman GA, Vermeulen N, Becker C, Calhaz-Jorge C, D’Hooghe T, De Bie B, Heikinheimo O, Horne AW, ,Kiesel L, Nap A, Prentice A, Saridogan E, Soriano D, Nelen W. ESHRE guideline: management of women with endometriosis. Hum Reprod. 2014;29(3):400-12.

https://doi.org/10.1093/humrep/det457

Chaman-Ara K, Bahrami MA, Moosazadeh M, Bahrami E. Quality of life in women with endometriosis: a systematic review and metaanalysis. WCRJ. 2017;4(1):e839.

Fourquet J, Sinaii N, Stratton P, Khayel F, Alvarez-Garriga C, Bayona M, Ballweg ML, Flores I. Characteristics of women with endometriosis from the USA and Puerto Rico. J Endometr Pelvic Pain Disord. 2015;7(4):129-35.

Bellelis P, Dias Jr JA, Podgaec S, Gonzales M, Baracat EC, Abrão MS. Aspectos epidemiológicos e clínicos da endometriose pélvica: uma série de casos. Rev Assoc Med Bras. 2010;56(4):467-71.

https://doi.org/10.1590/S0104-42302010000400022

Flores RC, Lara EB, Corral LCQ, Chaib RAI, Pérez LO, González Díaz OA, Flores RC. Quality of life in women with endometriosis pelvic pain treated with the levonorgestrel-releasing intrauterine system. Open J Obstet Gynecol. 2015;5:167-72.

https://doi.org/10.4236/ojog.2015.53023

Silva CN, Costa P, Martins C, Barat S, Alho C, Jorge CC, Osorio F. Validation of the Portuguese Version of EHP-30 (The Endometriosis Health Profile-30). Acta Med Port. 2015;28:347-56.

https://doi.org/10.20344/amp.5778

De Graaff AA, D’Hooghe TM, Dunselman GAG, Dirksen CD, Hummelshoj L, Simoens S. The significant effect of endometriosis on physical, mental and socialwellbeing: results from an international cross-sectional survey. Hum Reprod. 2013;28(10):2677-85.

https://doi.org/10.1093/humrep/det284

São Bento PA, Moreira MC. Even silence has an end: informative study on endomentriosis and its signs/symptoms. J Nurs UFPE on line. 2014;8(2):457-63.

https://doi.org/10.5205/reuol.4688-38583-1-RV.0802201429

Abreu R. A endometriose rouba o direito da mulher de ser Mulher! Revista PQN. 2015;11(35):49-56.

Silva ADR. Endometriose e Infertilidade: o papel do tratamento cirúrgico pélvico a ciclos de procriação medicamente assistida [dissertação]. Porto: Universidade do Porto; 2012.

Moradi M, Parker M, Sneddon A, Lopez V, Ellwood D. Impact of endometriosis on women’s lives: a qualitative study. BMC Womens Health. 2014;14:123.

https://doi.org/10.1186/1472-6874-14-123

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.

Minson FP, Abrão MS, Sardá Júnior J, Kraychete DC, Podgaec S, Assis FD. Importância da avaliação da qualidade de vida em pacientes com endometriose. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012:34(1):11-5.

Podgaec S. Manual de endometriose. São Paulo: FEBRASGO; 2014.

Santos TM, Pereira AM, Lopes RG, Depes DB. Tempo transcorrido entre o início dos sintomas e o diagnóstico de endometriose. Einstein. 2012;10(1):39-43.

https://doi.org/10.1590/S1679-45082012000100009

Aguiar A, Capela E, Caramelo O, Costa AR, Ferreira J, Guerra A, Marques AL, Relvas A, Jorge CC. Endometriose: recomendações de consenso nacionais- clínica e diagnóstico. Acta Obstet Ginecol Port. 2016;10(2):162-72.

Carvalho MJ, Barbosa A, Couto D, Geraldes F, Vilhena I, Reis JL, Damasceno J, Figueiredo S, Águas F. Endometriose: recomendações de consenso nacionais – tratamento médico. Acta Obstet Ginecol Port. 2016;10(3):257-67.

Brasil (BR). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico; 1988.

Brasil (BR). Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 [Internet]. 1990 [capturado 2013 Dez 19]. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Cunha ACO. O direito à informação em saúde do paciente do sistema único de saúde- SUS no Rio Grande do Sul [projeto de pesquisa]. Porto Alegre: FIOCRUZ; 2012.

Romão APMS. O impacto da ansiedade e depressão na qualidade de vida de mulheres com dor pélvica crônica [dissertação]. Ribeirão Preto: USP; 2008.

Rodrigues PSC, Silva TASM, Souza MMT. Endometriose – importância do diagnóstico precoce e atuação da enfermagem para o desfecho do tratamento. Rev Pró-UniverSUS. 2015;6(1): 13-6.

Barbosa DAS, Oliveira AM. Endometriose e seu impacto na fertilidade feminina. Saúde Ciênc Ação. 2015;1(1):43-56.

Donatti L, Ramos DG, Andres MP, Passman LJ, Podgaec S. Pacientes com endometriose que utilizam estratégias positivas de enfrentamento apresentam menos depressão, estresse e dor pélvica. Einstein. 2017;15(1):65-70.

https://doi.org/10.1590/s1679-45082017ao3911

Martin CE, Johnson E, Wechter ME, Leserman J, Zolnoun DA. Catastrofização: um preditor de dor persistente entre mulheres com endometriose em 1 ano. Hum Reprod. 2011;26(11):3078-84.

https://doi.org/10.1093/humrep/der292

Sekula VG. Impacto do tratamento cirúrgico laparoscópico na qualidade de vida de mulheres portadoras de endometriose profunda [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo; 2010.

Silva MPC, Marqui ABT. Qualidade de vida em pacientes com endometriose: um estudo de revisão. Rev Bras Promoç Saúde, 2014;7(3):413-21.

Facchin F, Barbara G, Saita E, Mosconi P, Roberto A, Fedele L, Vercellini P. Impact of endometriosis on quality of life and mental health: pelvic pain makes the difference. J Psychosom Obstet Gynaecol. 2015;36(4):135-41.

https://doi.org/10.3109/0167482X.2015.1074173

Publicado
2018-10-17
Seção
Artigos Originais