Avaliação do estado nutricional de crianças e adolescentes na admissão em uma unidade de terapia intensiva pediátrica

  • Letícia Dione Caruccio Hospital de Clínicas de Porto Alegre. http://orcid.org/0000-0001-8387-2119
  • Vera Lúcia Bosa Hospital de Clinicas de Porto Alegre Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Tatiana Maraschin Hospital de Clínicas de Porto Alegre
  • Paulo Roberto Antoniacci Carvalho Hospital de Clínicas de Porto Alegre Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: avaliação nutricional, pediatria, paciente crítico, unidade terapia intensiva, prematuridade.

Resumo

Objetivo: Avaliar o estado nutricional de crianças e adolescentes na admissão em unidade de terapia intensiva pediátrica de um hospital público de referência.
Materiais e Métodos: Estudo transversal que avaliou 277 pacientes, de 0 a 19 anos que foram admitidos na unidade de terapia intensiva pediátrica, nas primeiras 72 h de internação, no ano de 2013. As variáveis avaliadas, a partir dos prontuários, foram as medidas antropométricas de peso e estatura. Para verificar a associação do estado nutricional com as demais variáveis, utilizou-se o teste qui-quadrado, sendo considerado significativo p<0,05.
Resultados: Entre os 277 pacientes, 53,4% (n=148) eram do sexo masculino. Encontrou-se 10,5% (n=21) de desnutrição, 20,1% (n=40) de excesso de peso e 69,34% (n=138) de eutrofia. Destaca-se, que a desnutrição foi mais prevalente entre os menores de 2 anos, enquanto o excesso de peso foi maior na faixa etária de 2 a 10 anos. Em 28,79% (n=57) da amostra foi encontrado baixa estatura, com maior prevalência entre os menores de 2 anos (p<0,001), podendo estar associado ao elevado número de prematuros na amostra (n=26, p=0,003).
Conclusão: Na admissão de crianças e adolescentes internados em unidade de terapia intensiva pediátrica, desnutrição foi o estado nutricional menos prevalente quando comparamos com outros estudos. O número expressivo de prematuros pode estar associado à alta prevalência de baixa estatura encontrada.

Biografia do Autor

Letícia Dione Caruccio, Hospital de Clínicas de Porto Alegre.
Nutricionsita Clínica, especialista em Nefrologia e Saúde da Criança. Nutricionista da Unidade Clínica Médica do Hospital Universitário EBSERH - Universidade Federal do Rio Grande.
Vera Lúcia Bosa, Hospital de Clinicas de Porto Alegre Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professora Adjunta do Departamento de Nutrição da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Doutora pelo Programa de Pós Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente da UFRGS (2010). Mestre em Pediatria pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2008). Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde (2002). Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário Metodista IPA (1997). Possui experiência na área de Nutrição, com ênfase em nutrição clínica e saúde pública, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde da criança e do adolescente, avaliação nutricional, nutrição do escolar, origens desenvolvimentistas da saúde e doença (DOHaD), banco de leite humano, central de fórmulas e pediatria clínica.
Tatiana Maraschin, Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Possui graduação em nutrição pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1991). Especialista em nutrição clínica (IMEC) e em gestão hospitalar (GHC - Fiocruz). Atualmente é nutricionista clínica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Experiência na área de nutrição clínica, com ênfase em pediatria.
Paulo Roberto Antoniacci Carvalho, Hospital de Clínicas de Porto Alegre Universidade Federal do Rio Grande do Sul
graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) (1975), mestrado em Ciências Medicas: Pediatria pela UFRGS (1993) e doutorado em Ciências Medicas: Pediatria pela UFRGS (2001). Atualmente é Professor Titular do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFRGS.

Referências

Verger J. Nutrition in the pediatric population in the intensive care unit. Crit Care Nurs Clin North Am. 2014;26(2):199-215.

https://doi.org/10.1016/j.ccell.2014.02.005

Metha N, Bechard L, Cahill N. Nutritional practices and their relationship to clinical outcomes in critically ill children – An international multicenter cohort study. Crit Care Med. 2012;40(7): 2204-11.

https://doi.org/10.1097/CCM.0b013e31824e18a8

Ong C, Han WM, Wong JJ, Lee JH. Nutrition biomarkers and clinical outcomes in critically ill children: A critical appraisal of the literature. Clin Nutr. 2014;33(2):191-7.

https://doi.org/10.1016/j.clnu.2013.12.010

Powers J, Samaan K. Malnutrition in the ICU patient population. Crit Care Nurs Clin North Am. 2014;26(2):227-42

https://doi.org/10.1016/j.ccell.2014.01.003

Valla FV, Ford-Chessel C, Meyer R, Berthiller J, Dupenloup C, Follin-Arbelet N, Hubert A, Javouhey E, Peretti N. A training program for anthropometric measurements by a dedicated nutrition support team improves nutritional status assessment of the critically ill child. Pediatr Crit Care Med. 2015;16(3):e82-8.

https://doi.org/10.1097/PCC.0000000000000363

Green Corkins K. Nutrition-focused physical examination in pediatric patients. Nutr Clin Pract. 2015;30(2):203-9.

https://doi.org/10.1177/0884533615572654

Cabral D, Velozo D, Piva J. Enfoque nutricional em unidade de terapia intensiva pediátrica. Sci Med. (Porto Alegre) 2013;23(2):127-33.

Zamberlan P, Delgado AF, Leone C, Feferbaum R, Okay TS. Nutrition therapy in a pediatric intensive care unit: indications, monitoring, and complications. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2011;35(4):523-9.

https://doi.org/10.1177/0148607110386610

Goh VL, Wakeham MK, Brazauskas R, Mikhailov TA, Goday PS. Obesity is not associated with increased mortality and morbidity in critically ill children. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2013;37(1):102-8.

https://doi.org/10.1177/0148607112441801

WHO. Multicentre Growth Reference Study Group. WHO Child Growth Standards: length/height-for-age, weight-for-age, weight-forlength, weight-for- height and body mass index-for-age: methods and development. Geneva: WHO; 2006.

Fenton TR, Kim JH. A Systematic review and meta-analysis to revise the Fenton Growth Chart for preterm infants. BMC Pediatr. 2013;13:59.

https://doi.org/10.1186/1471-2431-13-59

Zamberlan P, Leone C, Tannuri U, Carvalho WB, Delgado AF. Nutritional risk and anthropometric evaluation in pediatric liver transplantation. Clinics (Sao Paulo). 2012;67(12):1387-92.

https://doi.org/10.6061/clinics/2012(12)07

Castro G, Kaufer-Horwitz M, Carrilo-López H A. Nutritional status of children in critical condition at admission to pediatric intensive care units. Bol Med Hosp Infant Mex. 2013;70(3):214-9.

Souza Menezes F, Leite HP, Koch Nogueira PC. Malnutrition as an independent predictor of clinical outcome in critically ill children. Nutrition. 2012;28(3):267-70.

https://doi.org/10.1016/j.nut.2011.05.015

Sarni R, Carvalho MF, Monte C. Anthropometric evaluation, risk factors for malnutrition, and nutritional therapy for children in teaching hospitals in Brazil. J Pediatr (Rio J). 2009;85(3):223-8.

https://doi.org/10.1590/S0021-75572009000300007

Cardoso-Demartini A, Bagatin A, Cavalcante da Silva R. Crescimento de crianças nascidas prematuras. Arq Bras Endocrinol Metab. 2011; 55(8):534-40.

https://doi.org/10.1590/S0004-27302011000800006

Leroy JL, Ruel M, Habicht JP, Frongillo EA. Using height-for-age differences (HAD) instead of height-fork-age z-escores (HAZ) for the meaningful measurement of population-level catch up in linear growth in children less than 5 year of age. BMC Pediatr. 2015;15:145.

https://doi.org/10.1186/s12887-015-0458-9

Damé P. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) em crianças do Rio Grande do Sul, Brasil: cobertura, estado nutricional e confiabilidade dos dados. Cad Saúde Pública. 2011;27(11): 2155-65.

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011001100009

Martinez EE, Ariagno K, Arriola A, Lara K, Mehta NM. Challenges to nutrition therapy in the pediatric critically ill obese patient. Nutr Clin Pract. 2015;30(3):432-9.

https://doi.org/10.1177/0884533615569887

Araújo CL, Dumith S, Menezes AM. Nutritional status of adolescents: the 11-year follow-up of the 1993 Pelotas (Brazil) birth cohort study. Cad Saúde Pública. 2010;26(10):1895-903.

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010001000005

IBGE, Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar [Internet]. Brasil. 2009 [capturado 2014 Out 10]. Disponível em:

http//www.ibge.gov.br/home/estatísticas/população/pense/Pense.pdf

ermilyea S, Slicker J, El-Chammas K, Sultan M, Dasgupta M, Hoffmann RG, Wakeham M, Goday PS. Subjective global nutritional assessment in critically ill children. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2013;37(5):659-66.

https://doi.org/10.1177/0148607112452000

Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral; Associação Brasileira de Nutrologia; Associação Médica Brasileira; Conselho Federal de Medicina. Projeto diretrizes. Triagem e avaliação do estado nutricional. São Paulo: AMB; 2011.

Marchetto da Silva F, Bermudes AC, Maneschy I. O impacto da introdução precoce de terapia nutricional enteral na redução da morbimortalidade na terapia intensiva pediátrica: uma revisão sistemática. Rev Assoc Med Bras. 2013;59(6):563-70.

https://doi.org/10.1016/j.ramb.2013.06.013

Publicado
2018-12-30
Seção
Artigos Originais