Saúde mental em uma unidade de atenção primária à saúde: relato de experiência

  • Monalisa Claudia Maria da Silva Universidade Federal de juiz de Fora
  • Luiza Vieira Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Mariana Galvão Pereira Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: educação em enfermagem, saúde mental, atenção primária à saúde, estratégia saúde da família.

Resumo

Objetivo: Relatar as experiências de discentes de graduação em Enfermagem durante as aulas práticas da disciplina Enfermagem em Saúde Mental em uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

Descrição da experiência: Vivência de discentes e docentes do curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora durante a realização da disciplina de Saúde Mental, em relação à implantação de um campo de prática da referida disciplina em uma UBS da cidade. A finalidade deste campo foi proporcionar uma maior visibilidade à saúde mental, com um olhar diferenciado aos usuários da Atenção Primária à Saúde (APS).

Conclusão: A inovação proposta com esta vivência na prática de saúde mental possibilitou o crescimento de todos os envolvidos no processo. A APS permite a atuação na prevenção de agravos que podem ser ocasionados pela falta de identificação e tratamento precoce de transtornos mentais. No entanto, para a construção de rotinas de ação conjunta das equipes para o desenvolvimento da saúde mental, diversas barreiras precisam ser transpostas, entre elas as dificuldades dos profissionais para a assistência aos portadores de transtorno mental dentro da Estratégia da Saúde da Família (ESF).

Biografia do Autor

Monalisa Claudia Maria da Silva, Universidade Federal de juiz de Fora
Enfermeira. Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Docente do Departamento de Enfermagem Básica da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil.
Luiza Vieira Ferreira, Universidade Federal de Juiz de Fora
Enfermeira. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil
Mariana Galvão Pereira, Universidade Federal de Juiz de Fora
Enfermeira. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil

Referências

Amarante P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil [livro online]. Rio de Janeiro, RJ: Ed. Fiocruz, 1995 [capturado 2016 Jun 27]. 136 p. Disponível em:

https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=CNkXAwAAQBAJ&oi=fnd&pg=PA1&dq=reforma+psiquiatrica&ots=q06QfbGBma&sig=_EJHusl46tfprtFlpjBG_MqcUPw

Lopes E. Centro de Atenção Psicossocial: desafios e perspectivas em saúde mental [monografia online]. Brasília: Universidade de Brasília; 2013 [capturado 2016 Jun 27] 31 p. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/5917/1/2013_EricKleberRochaLopes.pdf

Vaz B. O Brasil sob a lente dos Direitos Humanos: análise do conteúdo da lei 10.216/2001 [dissertação online]. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa; 2015 [capturado 2016 Jun 28]. 130 p. Disponível em: https://run.unl.pt/handle/10362/15213

Tenório F. A reforma psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceitos. Hist Cienc Saude- Manguinhos. 2002;9(1):25-59. https://doi.org/10.1590/S0104-59702002000100003

Fonte EMM. Da institucionalização da loucura à reforma psiquiátrica: as sete vidas da agenda pública em saúde mental no Brasil. Estud. 2013;1(18).

Paulon S, Neves R, Dimenstein M. A saúde mental no contexto da estratégia saúde da família no Brasil. Psicol América Lat.

;25:24-42.

Bonfim I, Bastos E, Góis C de L, Tófoli L. Apoio matricial em saúde mental na atenção primária à saúde. Interface. 2013;17(45): 287-300. https://doi.org/10.1590/S1414-32832013005000012

Pinto A, Jorge M, Vasconcelos M. Apoio matricial como dispositivo do cuidado em saúde mental na atenção primária: olhares múltiplos e dispositivos para resolubilidade. Cien Saude Colet. 2012;17(3): 653-60. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000300011

Wenceslau LD, Ortega F, Wenceslau LD, Ortega F. Saúde mental na atenção primária e Saúde Mental Global: perspectivas internacionais e cenário brasileiro. Interface - Comun Saúde, Educ. 2015;19(55):1121–32. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1152

Azevedo D, Miranda F. Oficinas terapêuticas como instrumento de reabilitação psicossocial: percepção de familiares. Esc Anna Nery. 2011;15(2):339-45. https://doi.org/10.1590/S1414-81452011000200017

Skapinakis P, Bellos S, Koupidis S, Grammatikopoulos I, Theodorakis PN, Mavreas V. Prevalence and sociodemographic associations of common mental disorders in a nationally representative sample of the general population of Greece. BMC. 2013;13:163. https://doi.org/10.1186/1471-244X-13-163

Junqueira M, Pillon S. A assistência em saúde mental na estratégia saúde da família: uma revisão de literatura. Rev Enferm Cent-Oeste Min. 2011;1(2):260-7.

Hirdes A. A reforma psiquiátrica no Brasil: uma (re) visão. Cien Saude Colet. 2009;14(1):297-305. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000100036

Tesser C, Neto PP, Campos G. Acolhimento e (des) medicalização social: um desafio para as equipes de saúde da família. Cien Saude Colet. 2010;15(suppl.3):3615-24. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000900036

Publicado
2018-04-17
Seção
Relatos de Experiência